Na contramão de Bolsonaro, Banco Central pressiona por bancos mais verdes

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central Germano Lüders/InfoMoney

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) – O Banco Central está se preparando para exigir que os bancos contabilizem potenciais perdas advindas de fenômenos relacionados a mudanças climáticas, como secas, inundações e incêndios florestais, posicionando-se como líder global na regulamentação do setor financeiro com base em ESG.

A proposição de novas regras ocorre sob a liderança de Roberto Campos Neto, ex-executivo do Banco Santander Brasil. Ele foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, que governa sob uma onda de desmatamento na Floresta Amazônica e é criticado por ambientalistas.

O Banco Central, no entanto, é totalmente independente, o que reduz a influência de Bolsonaro sobre a política do banco.

As ações do Banco Central, que preveem a inclusão de riscos climáticos nos testes de estresse dos bancos, refletem a pressão crescente sobre os reguladores em todo o mundo para que levem a sério suas credenciais verdes, mesmo sob o risco de alterar o fluxo de crédito para certos tomadores.

O aquecimento global é cada vez mais visto como um risco para a estabilidade financeira. Desastres naturais decorrentes de temperaturas mais altas podem prejudicar os negócios das empresas ou as garantias dadas por elas a empréstimos, colocando em risco uma carteira de crédito de 4,2 trilhões de reais.

Embora atualmente não haja exigência de capital específica para os bancos cobrirem riscos ambientais nas regras propostas pelo regulador, o Banco Central pode impor a constituição de colchões extras no futuro se acreditar que os bancos estão correndo riscos mais elevados, disse Kathleen Krause, chefe- adjunta do departamento de regulação prudencial do Banco Central.

“Nosso objetivo não é proibir os bancos de conceder empréstimos, mas conscientizá-los sobre os riscos que correm relacionados a mudanças climáticas”, disse Krause em uma entrevista.

O aumento do nível do mar pode inundar terras dadas como garantia para um empréstimo, resultando em perdas para os bancos, ela exemplificou.

Para cobrir riscos como esse, os bancos podem ser forçados a reservar mais capital, o que provavelmente se traduziria em empréstimos mais caros e escassos para determinados tomadores.

PUBLICIDADE

Entre os riscos relacionados às mudanças climáticas listados pelo Banco Central nas regras que foram levadas a audiência pública estão as potenciais perdas decorrentes de uma transição para uma economia de baixo carbono, bem como secas e inundações.

Caso o BC incorpore os riscos relacionados às mudanças climáticas nos testes de estresse, o que está sendo considerado, isso o colocaria na vanguarda dos reguladores em todo o mundo.

Alguns poucos países – como França e Holanda – já lançaram esses testes, embora muitos outros estejam em preparação, de acordo com o Financial Stability Institute.

Previsões climáticas

O Banco Central disse que planeja lançar as novas medidas para incorporação do risco climático aos testes de estresse ainda este ano, com implementação a partir de 2022. Mas os bancos estão pedindo até 18 meses para conseguirem se preparar.

Os bancos demandam que o regulador emita previsões climáticas para que todos os credores as utilizem em testes de estresse.

“Se cada banco fizer sua própria previsão, os resultados finais podem acabar sendo muito diferentes dentro do setor bancário”, disse Amaury Oliva, diretor de sustentabilidade da Febraban, entidade que representa os bancos.

O regulador disse que está considerando o pedido e pode fornecer algumas orientações, como os cenários climáticos divulgados pela Network of Central Bank and Supervisors for Greening the Financial System em julho.

Ainda assim, Oliva diz que esses cenários globais são muito genéricos e que o ideal seria um cenário mais tropicalizado.

PUBLICIDADE

Além de incorporar os riscos do aquecimento global aos testes de estresse, o Banco Central, que regulamenta empréstimos para projetos no bioma amazônico desde 2008, também propôs duas novas regras neste ano envolvendo riscos ambientais, sociais e o crédito rural.

Uma dessas regras, que também passou por audiência pública e agora está em fase de análise final pelo regulador, veta o desembolso de crédito rural a projetos em terras indígenas ou desmatadas, ao mesmo tempo em que cria uma espécie de selo de “empréstimo sustentável” para projetos que seguem as melhores práticas para o crédito verde.

O regulador também está exigindo uma divulgação mais detalhada e profunda sobre como os bancos lidam com riscos sociais e ambientais, o que inclui problemas como assédio, preconceito e desmatamento.

Um caso de discriminação racial, por exemplo, pode ferir a imagem de um banco, assustar clientes e levar a penalidades legais.

No caminho certo

A postura do Banco Central está em nítido contraste com o histórico do governo de Bolsonaro em relação à proteção ambiental.

Muitos grandes investidores têm demandado ao governo brasileiro que adote uma postura mais firme em relação à proteção ambiental. Eles acolhem as iniciativas verdes do Banco Central, mas alertam que este é apenas o primeiro passo.

“A iniciativa do Banco Central é um ponto de partida positivo. O Brasil está indo do nada para alguma coisa”, disse Daniela da Costa-Bulthuis, gestora de portfólio da Robeco, com sede na Holanda, que administra 168 bilhões de euros em ativos ESG. “Mas o governo está um pouco atrasado em relação ao regulador.”

De acordo com o Positive Money, um grupo de defesa a uma economia sustentável sediado em Londres, o Brasil tem o segundo Banco Central “mais verde” do mundo depois da China, mas as perspectivas de progresso social e política ambiental mais amplas no Brasil permanecem fracas sob Bolsonaro.

PUBLICIDADE

Em última análise, o impacto das políticas do Banco Central será limitado até que o governo brasileiro implemente políticas fiscais e industriais necessárias para enfrentar os problemas ambientais.

“Ao redirecionar as finanças, as alavancas do Banco Central podem ajudar enormemente ou dificultar a transição”, disse o economista da Positive Money David Barmes. “Mas ainda precisamos que os governos liderem o caminho.”

Transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos é possível. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Hedge fund mais rentável do mundo adota tática climática radical

(Bloomberg) — O que não falta na indústria de hedge funds são profissionais com estratégias agressivas, mas poucos são tão duros quanto Chris Hohn. O bilionário britânico leva o típico manual a novos níveis – fechando acordos, pressionando para destituir chefes e enfrentando empresas com processos e ameaças. Um oponente ficou tão irritado depois de perder uma batalha na sala de reuniões com Hohn que intitulou um livro sobre a experiência: “Invasion of the Locusts” (invasão dos gafanhotos). Essa abordagem fez com que o TCI Fund Management de Hohn se tornasse o maior hedge fund e o de melhor desempenho do mundo no ano passado.

Agora Hohn está trazendo suas agressivas táticas para o combate contra o aquecimento global. O gestor de recursos, com US$ 30 bilhões em ativos, pressiona as empresas de seu portfólio a reduzirem as emissões de gases de efeito estufa e divulgarem a pegada de carbono. Se não o fizerem, Hohn diz que vai destituir conselhos ou vender ações. Caso alguém duvide de seu compromisso: Hohn e sua instituição de caridade doaram 200 mil libras (US$ 260 mil) ao Extinction Rebellion, o movimento radical de combate à mudança climática cujos membros bloquearam o tráfego em Londres e um terminal de jatos particulares.

“Na guerra contra os combustíveis fósseis, você não pode ser muito exigente com seus aliados”, diz Jeremy Grantham, cofundador da gestora de recursos GMO, de Boston, um investidor lendário que há muito tempo alerta sobre a catástrofe climática. Hohn “mostrou que você pode causar um grande impacto em empresas com muita torção de braço”.

PUBLICIDADE

Para Hohn, 53 anos, um financista racional e muito discreto, com fortuna de US$ 2 bilhões, sua campanha é apenas o primeiro passo para abalar a indústria de gestão de ativos que, segundo ele, ignorou uma crise planetária. Ele pede aos investidores que demitam gestores de recursos que não pressionam empresas a reduzirem a pegada de carbono e quer que bancos parem de emprestar para companhias que ignoram as mudanças climáticas.

Ainda assim, apesar de todo o zelo de Hohn, sua cruzada está repleta de inconsistências no investimento verde. O TCI já teve uma grande participação em um produtor de carvão da Índia; mesmo agora, o fundo possui participações em três ferrovias que queimam toneladas de diesel e transportam combustíveis fósseis, inclusive de areias betuminosas, uma das piores fontes de gases de efeito estufa. Outra posição importante: na Ferrovial, o conglomerado com sede em Madri que opera aeroportos como o Heathrow, em Londres.

“Por um lado, ele está tentando ser verde e, por outro, ganha dinheiro com poluidores”, diz Jacob Schmidt, presidente da Schmidt Research Partners, uma empresa de investimentos de Londres. “A questão é: quão comprometido você realmente está ao seguir seus princípios?”

Hohn diz que é muito mais produtivo pressionar empresas intensivas em carbono do que ignorá-las. Em 30 de novembro, o TCI enviou cartas aos CEOs das 17 empresas da carteira com instruções específicas sobre as deficiências que devem ser corrigidas. O TCI disse que votará contra diretores de empresas que não atingirem metas, bem como auditores que não reportarem “riscos climáticos materiais”, e que pode até vender todas as ações em uma empresa.

Em uma carta à Ferrovial, Hohn reconheceu que “descarbonizar” aeroportos é um enorme desafio e elogiou a nota “A” da empresa por divulgar suas emissões de gases de efeito estufa. No entanto, o TCI disse que a meta da Ferrovial de reduzir as emissões em quase 30% até 2030 pode ser aumentada e pediu à empresa que apoie medidas como um imposto sobre o carbono e um mandato para que companhias aéreas passem a usar combustível de aviação mais verde.

Ele disse à Canadian Pacific Railway que seu método de divulgação de emissões obteve nota “C” pela organização sem fins lucrativos Carbon Disclosure Project e que o plano da ferrovia de aumentar a avaliação para um “B” ainda seria “insatisfatório“. O TCI, maior acionista da ferrovia com participação de 8%, disse que exige que a empresa tenha um “plano confiável e divulgado publicamente” para reduzir as emissões e que atenda a sete objetivos, como a compensação de emissões de viagens corporativas e melhor eficiência energética das instalações. A Canadian Pacific diz que mantém um diálogo com acionistas sobre temas como sustentabilidade e que há muito tempo divulga suas emissões para melhorar suas práticas. Hohn não quis conceder entrevista para este artigo.

PUBLICIDADE

Hohn lançou o TCI e uma instituição de caridade afiliada, a Children’s Investment Fund Foundation, em 2004, depois de ganhar reputação como especialista em escolher ações no escritório de Londres da Perry Capital, um hedge fund com sede em Nova York. A então esposa, Jamie Cooper, que Hohn conheceu em Harvard no início dos anos 90, administrou a fundação, e eles se tornaram um casal de poder em Londres quando o TCI investiu dinheiro na instituição de caridade.

Graças a Hohn, a fundação possui US$ 5,1 bilhões para financiar programas como melhora da nutrição de jovens em comunidades carentes, proteção de adolescentes contra a escravidão e tráfico de humanos e expansão do tratamento pediátrico do HIV na África. Hohn e Cooper trocavam informações regularmente com Bill e Melinda Gates e, em 2012, David Cameron, então primeiro-ministro britânico, convidou Hohn para falar em uma cúpula sobre desnutrição na 10 Downing Street.

No TCI, a “vibe” era decididamente mais mercenária. Hohn desenvolveu uma estratégia de investimento baseada em sua própria estrutura “pessoal, intelectual e emocional”, como disse à juíza Jennifer Roberts, que conduziu seu divórcio em 2014, o que resultou em um acordo de 337 milhões de libras para Cooper. A abordagem de Hohn significava conduzir análises meticulosas e procurar equipes de gestão fracas que outros investidores evitam. “Pense nisso como o departamento de produtos danificados de uma loja de departamentos, onde você pode obter de 80% a 90% de desconto porque a maioria das pessoas não compra”, disse Hohn em entrevista em vídeo à revista Institutional Investor em 2013.

Combater o aquecimento global testará a abordagem de Hohn como nunca. Primeiro, ele aposta que as empresas atenderão às suas demandas e, depois, que não reduzirá os retornos desestabilizando empresas que as rejeitam. Ao vincular a sorte do TCI a uma agenda de combate às mudanças climáticas, Hohn aposta que os riscos econômicos da crise crescente são tão grandes que seria tolice não estimular empresas a tomar medidas concretas sobre as emissões.

“Investimento verde e hedge funds não são termos que muitos investidores colocariam na mesma frase”, diz Marc de Kloe, sócio da Theta Capital Management, em Amsterdã, e investidor no fundo do TCI. “No entanto, temos defendido a ideia de que os hedge funds são, de alguma maneira, mais adequados para implementar políticas verdes fortes, devido à sua natureza irrestrita e capacidade de implantar táticas ativistas.”

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta gratuita na XP