Ibovespa interrompe sequência de 8 altas e volta aos 129 mil pontos; dólar fica estável

bolsa ações mercados crash baixa down circuit breaker (Getty Images)

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou em queda nesta terça-feira (8) interrompendo uma sequência de oito altas e deixando de renovar máxima histórica pela primeira vez em sete pregões. A baixa de hoje pode ser facilmente atribuída a uma realização de ganhos, uma vez que depois de tantos dias positivos é normal que os investidores decidam embolsar lucros zerando em parte ou totalmente suas posições compradas.

Ações de bancos como Itaú Unibanco (ITUB4), Bradesco (BBDC3; BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3) caíram todas entre 0,6% e 0,7% depois de subirem forte nas últimas semanas. O setor financeiro responde por perto de 15% da composição da carteira teórica do Ibovespa.

Na outra ponta, as ações da Petrobras (PETR3; PETR4) tiveram alta de 1,31%, limitando as perdas do dia. Os papéis da petroleira respondem por aproximadamente 10% do benchmark.

Hoje, o radar macroeconômico teve como destaque as vendas do comércio varejista, que subiram 1,8% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), na maior alta para o mês desde 2000, após queda de 1,1% em março. Na comparação com abril do ano passado, o volume de vendas no varejo cresceu 23,8%.

O resultado veio acima do esperado. A projeção, de acordo com consenso Refinitiv, era de alta de 0,1% na comparação com março e de alta de 19,8% na comparação com abril de 2020.

Já lá fora, o número de postos de trabalho abertos nos Estados Unidos avançou de 8,288 milhões em março (número revisado, de 8,123 milhões no original) para 9,286 milhões em abril, de acordo com o relatório Jolts, divulgado nesta terça-feira pelo Departamento de Trabalho. Esse foi o maior nível de abertura de vagas desde o início da série histórica em 2000.

Enquanto isso, trouxe ânimo para o índice ontem as declarações do presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), se opondo à prorrogação do auxílio emergencial, ainda que a extensão do programa siga no radar dos investidores.

As notícias são de que o governo deve estender o auxílio emergencial por mais dois meses até setembro sob o custo total de R$ 18 bilhões, dos quais algo entre R$ 12 bi serão financiados via crédito extraordinário e o restante pela sobra dos R$ 44 bi já aprovados para o programa meses atrás.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que “possivelmente” o governo vai renovar por mais “dois ou três meses” o auxílio emergencial. “Possivelmente vamos estender auxílio emergencial por mais dois, três meses. Logo depois do auxílio-emergencial, entra o novo Bolsa Família, reforçado”, afirmou.

PUBLICIDADE

Segundo a equipe de análise da Levante Ideias de Investimento, a prorrogação do auxílio vai na contramão dos planos iniciais de Paulo Guedes e sua equipe, mas já foi aceita com naturalidade em Brasília.

“Com algum alívio no fiscal – devido às despesas efetivamente abaixo do estimado em alguns trechos do Orçamento e uma arrecadação bem acima das expectativas – o governo não terá problemas em lançar mão de recursos para bancar a nova rodada”, explicam os analistas da Levante.

O Ibovespa teve queda de 0,76%, a 129.787 pontos com volume financeiro negociado de R$ 35,731 bilhões.

Enquanto isso, o dólar comercial fechou em leve variação negativa de 0,05% a R$ 5,034 na compra e a R$ 5,035 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em julho registra leves perdas de 0,07% a R$ 5,055 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 subiu um ponto-base a 5,11%, o DI para janeiro de 2023 caiu dois pontos-base a 6,70%, o DI para janeiro de 2025 recuou quatro pontos-base a 7,76% e o DI para janeiro de 2027 registrou variação negativa de cinco pontos-base a 8,29%.

As bolsas asiáticas fecharam em sua maioria em quedas nesta terça. Em destaque, está a divulgação de dados revisados sobre o PIB do primeiro trimestre no Japão, que indicaram que a economia encolheu 3,9% no período, uma melhora frente à estimativa inicial de contração de 5,1%, e à previsão mediana de economistas, de retração de 4,8%.

As bolsas europeias, assim como as dos Estados Unidos, ficaram entre perdas e ganhos. Investidores repercutem a divulgação de dados revisados sobre o PIB na Zona do Euro e dados sobre emprego relativos ao primeiro trimestre.

O emprego na Zona do Euro teve queda de 1,8% no primeiro trimestre na comparação anual, frente a projeção de economistas de queda de 2,1%, e ao patamar anterior, de queda de 1,9%. O PIB recuou 1,3% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, frente à projeção de queda de 1,8%, e ao patamar anterior, de queda de 1,8%.

PUBLICIDADE

Já na Alemanha, o índice de percepção econômica medido pela ZEW decepcionou as expectativas, indo 79,8 pontos ante projeção de 86 pontos. A produção industrial de abri do país também veio abaixo do esperado, em baixa de 1% ante alta esperada de 0,5%.

Vacina da Pfizer e Copa América no Brasil

Na segunda (7), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 1.664, queda de 9% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 1.119 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 62.591, queda de 5% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 39.712 casos. Chegou a 49.584.110 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 23,42% da população. A segunda dose foi aplicada em 23.026.663 pessoas, ou 10,87% da população.

No domingo, reportagem do jornal Folha de S. Paulo mostrou que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) recusou vacinas da Pfizer em 2020 oferecidas por metade do preço pago por Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia, consideradas caras em agosto pelo então ministro da Saúde, general da ativa Eduardo Pazuello.

Segundo a reportagem, 70 milhões de doses poderiam ter sido entregues a partir de dezembro por US$ 10 cada, o suficiente para imunizar 35 milhões de brasileiros com duas doses. O vice-presidente da CPI da Covid no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) contabilizou 53 e-mails enviados pela Pfizer ao governo a partir de agosto cobrando resposta sobre a oferta de 70 milhões de doses.

À CPI, Pazuello classificou a proposta da Pfizer como “agressiva”. Como a negociação demorou a avançar, as primeiras doses das vacinas da Pfizer chegaram ao país apenas em abril de 2021. A reportagem destaca que a imunização antecipada teria evitado mortes.

Além disso, questionado na segunda sobre a perspectiva de realização da Copa América no Brasil, Mike Ryan, a principal autoridade de emergências da OMS (Organização Mundial da Saúde), afirmou: “Aconselharíamos que qualquer país que vá realizar tal reunião em massa, especialmente no contexto da transmissão comunitária, seja extremamente cauteloso em garantir que haja um gerenciamento de risco adequado (…) Se essa gestão de risco não pode ser garantida, então certamente os países deveriam reconsiderar suas decisões de hospedar ou realizar qualquer reunião em massa.”

A Argentina desistiu de sediar o torneio previsto para ocorrer entre 13 de junho e 10 de julho quando a pandemia piorou no país, e a Colômbia foi descartada como possível sede devido a protestos que ocorrem no país por conta da atuação do governo quanto à pandemia.

PUBLICIDADE

O Brasil se apresentou como possível anfitrião, apesar das objeções de algumas autoridades que investigam a resposta do governo à pandemia.

O presidente da CBF, Rogério Caboclo, está afastado temporariamente do cargo. Ele é investigado pela comissão de ética da entidade sobre uma acusação de assédio moral e sexual contra uma funcionária da entidade. Em entrevista à ESPN, Caboclo disse é inocente e tem “absoluta certeza” de que vai provar isso.

Caboclo afirmou também: “Os jogadores nunca falaram em boicotar a Copa América, em nenhum momento isso aconteceu. E eu nunca quis trocar o Tite, a comissão técnica”.

Reportagem da Folha de S. Paulo afirma, no entanto, que os jogadores consideraram boicotar o torneio quando Caboclo ainda estava no cargo. Mas, na segunda, os jogadores e a comissão técnica decidiram que irão jogar o torneio, com início em 13 de junho. O grupo deve, no entanto, divulgar um manifesto contra a realização do torneio no Brasil, em meio ao recrudescimento da pandemia.

Na segunda, o atual ministro da Saúde do Brasil, o cardiologista Marcelo Queiroga, afirmou que a vacinação dos jogadores que participarão da Copa América não será obrigatória. Ele destacou que os jogos da competição vão ocorrer sem a presença de público e em um ambiente sanitário “controlado”.

“Não é uma imposição a questão da vacina. Os que estiverem vacinados, melhor, mas não se fará um esforço maior para se vacinar esses atletas agora, até porque a vacina poderia até causar algum tipo de reação e isso poderia, de alguma forma, comprometer o ritmo competitivo dos jogadores”, disse.

Ele destacou que outros campeonatos têm ocorrido no país, como o Campeonato Brasileiro, a Libertadores e jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo, sem a exigência da imunização dos atletas.

O ministro avaliou que não há “prova cabal”, e “evidência” de que poderia haver um aumento no contágio em razão da competição. “Não há motivo para se vedar a Copa América no Brasil, motivo sanitário”, disse. Afirmou também que medidas sanitárias de controle serão intensificadas, como a realização de testes de RT-PCR para Covid-19 a cada dois dias.

A PFDC (Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão) encaminhou na segunda um ofício para que procuradorias da República de Estados que vão sediar jogos da Copa América e outros também apurem eventuais práticas de violações a direitos à vida e à saúde, por parte de organizadores, transmissoras e patrocinadoras do evento.

A estimativa feita pelo MPF é que, pelo menos, 585 pessoas de diferentes países vão circular pelo Brasil entre equipe técnica, funcionários dos estádios, seguranças, jornalistas e torcedores, podendo haver intercâmbio de novas variantes de Covid-19.
O documento lembrou que as cidades sedes têm mais de 80% de ocupação de leitos de UTI devido ao agravamento da pandemia.

O procurador federal dos direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena, quer que a unidade do MPF no Rio de Janeiro apure atos praticados pela CBF, pela Conmebol, por empresas patrocinadoras e pelos governos estadual e municipal. Em São Paulo, a proposta é que as investigações se iniciem pelas emissoras de televisão e respectivas patrocinadoras das transmissões. Ao MP do Distrito Federal, sugere-se a apuração em relação aos atos praticados pelos governos federal e distrital.

Auxílio emergencial, reforma tributária e crise hídrica

O governo federal planeja estender por mais dois meses o auxílio emergencial de R$ 250, até setembro de 2021, segundo informações de bastidores divulgadas pela agência internacional de notícias Reuters. A extensão do programa será custeada por um crédito extraordinário de R$ 12 bilhões a ser enviado ao Congresso e outros R$ 7 bilhões que já estão disponíveis no orçamento autorizado para o programa.

Reportagem de bastidores do jornal Folha de S. Paulo também fala sobre a possibilidade de estender o auxílio até setembro, e estima um custo de R$ 18 bilhões. Segundo o jornal, o acerto é costurado entre os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Cidadania, João Roma, e as parcelas devem se manter entre R$ 150 e R$ 375. Ainda de acordo com o jornal, a extensão do auxílio é justificada por membros do governo sob o argumento de que governos estaduais pretendem acelerar a vacinação nos próximos meses.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a prorrogação do auxílio vai abrir um espaço no Orçamento de 2021 para o lançamento de um novo programa social em substituição ao Bolsa Família, com maior volume de recursos.
Segundo uma fonte ouvida pela Reuters cujo nome não foi revelado, a intenção é usar esses dois meses a mais para fazer uma ponte até a implementação do novo Bolsa Família, que o governo vem estudando. O valor dessa nova versão do programa ainda não foi definido.

Em declarações públicas, os presidentes do Congresso vêm deixando, no entanto, clara sua preocupação em estabelecer um programa social permanente que substitua ou amplie o Bolsa Família.

Na avaliação do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), uma prorrogação do auxílio não seria “a melhor solução”. Já o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) defende que o pagamento do auxílio seja estendido por mais um ou dois meses, em adição à criação de um programa de renda permanente.

Em evento com investidores nesta segunda-feira, Lira afirmou que o Congresso precisa ter um “projeto viável” de criação desse programa que possa ser votado antes do recesso parlamentar, a partir de 17 de julho, ou mesmo antes do pagamento da última parcela do auxílio emergencial, de forma a possibilitar que entre em vigor ainda neste ano.

Segundo Pacheco, “o Brasil não poderá deixar de assistir os ‘herdeiros’ da crise econômica provocada pela pandemia”.
Além disso, o governo do presidente Jair Bolsonaro publicou na segunda medida que autoriza, “em caráter excepcional e temporário”, condições regulatórias diferenciadas para permitir o acionamento de usinas termelétricas sem contrato por um período de até seis meses, que ainda poderá ser prorrogado.

A iniciativa, divulgada pelo Ministério de Minas e Energia no Diário Oficial da União de segunda, vem em meio a uma seca histórica que tem pressionado o nível dos reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de geração no Brasil, e levantado preocupações sobre a oferta de energia.

E o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu retirar o sigilo da parte principal do inquérito que investiga a realização de manifestações antidemocráticas. Ele tem como foco atuação de aliados do presidente Jair Bolsonaro, após a Procuradoria-Geral da República ter pedido o arquivamento da apuração contra parlamentares bolsonaristas.

A Polícia Federal havia apresentado um relatório parcial das apurações em que defendeu, ainda no final de dezembro passado, o aprofundamento das investigações contra deputados que estariam envolvidos em suspeitas relacionadas à organização e ao financiamento dos atos considerados ilegais.

Entre os achados da PF, de acordo com o documento de 154 páginas, constam o envolvimento de pessoas ligadas ao presidente, inclusive assessores e parlamentares, com manifestantes que chegaram a pedir, em protestos de rua, o fechamento do STF, medida inconstitucional.

Apesar das informações obtidas pela PF, a Procuradoria-Geral da República disse em manifestação ao Supremo que a apuração dos policiais se desviou dos “eixos originais” da investigação.

Ainda em destaque, Arthur Lira cobrou do governo e da equipe econômica celeridade no envio dos textos sobre as mudanças no sistema de arrecadação tributária do País. Lira pretende, ao lado do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), tramitar com ao menos quatro projetos sobre as alterações nos próximos meses nas duas Casas. Os senadores deverão ficar com as mudanças constitucionais e, os deputados, com projetos de lei.

“Para startar a CBS, essa semana ainda preciso que o governo se mobilize, principalmente o pessoal da Economia, com quem eu tenho conversado e tido um bom trânsito, com a elaboração e encaminhamento para a Câmara dos outros projetos. Para que a gente tenha uma leitura do plano. Um quadro definido. Vem isto, depois isto, depois isto. Ou como andar concomitantemente. Mas o primeiro passo, sem sombra de dúvida, será a CBS”, disse Lira em evento online promovido ontem pelo Bradesco BBI.

Um dos projetos do governo é sobre a unificação de impostos e criação da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) substituindo os impostos PIS/Cofins. Outro trata da tributação do imposto de renda tanto das empresas como das pessoas físicas, inclusive com alterações nas aplicações de investimentos de renda fixa.

Radar corporativo

Em destaque, a administradora de shopping centers Iguatemi anunciou nesta segunda-feira que seu conselho de administração aprovou proposta de reorganização societária pela qual a empresa será incorporada por sua controladora, o Grupo Jereissati.

A operação implica que a Iguatemi deixará de ter ações listadas no Novo Mercado da B3, segmento de mais alta governança corporativa, já que a nova empresa a ser formada terá units listadas no nível 1. Segundo comunicado conjunto ao mercado, apesar disso, a empresa terá direitos de acionistas e práticas de governança “similares” ao do Novo Mercado. O free float esperado da nova empresa a ser criada na reorganização, Iguatemi SA, será de 45%.

A companhia também anunciou que o conselho de administração aprovou início do processo de sucessão do atual presidente-executivo, Carlos Jereissati. Para o seu lugar, o nome da atual vice-presidente financeira, Cristina Betts, foi indicado para ocupar a função a partir de 1 de janeiro de 2022. Betts também será presidente da Iguatemi SA, caso a reorganização seja concluída.

Maiores altas

Ativo Variação % Valor (R$)
VVAR3 3.82253 15.21
AZUL4 3.00847 48.62
PETR3 2.78552 29.52
CVCB3 1.89366 27.98
HGTX3 1.71073 32.7

Maiores baixas

Ativo Variação % Valor (R$)
BRKM5 -6.36213 56.37
B3SA3 -5.55234 16.33
IGTA3 -3.66379 44.7
IRBR3 -3.33333 6.09
ELET6 -3.07626 44.74

A CVC, por sua vez, afirmou em fato relevante que estuda levantar recursos por meio de uma oferta pública primária de valores mobiliários. “[A empresa] avalia constantemente alternativas de captação de recursos junto aos mercados de renda fixa ou variável, sempre alinhada com seu planejamento estratégico e as atuais condições”, comunicou, informando que já entrou em contato com bancos de investimentos para realizar a operação.

Já o conselho de administração da BR Distribuidora aprovou nesta segunda-feira a proposta de criação de um novo plano de previdência da companhia, batizado de FlexPrev, que será administrado pela Petros. Segundo a distribuidora de combustíveis, o FlexPrev será um plano exclusivo na modalidade de contribuição definida. A companhia prevê oferecê-lo tanto para novas adesões quanto para migração voluntária de participantes ativos em planos atuais. A companhia disse que a introdução do novo plano de contribuição definida deverá reduzir o risco de natureza atuarial presente em seus planos atuais, cujo passivo atuarial é de R$ 1,7 bilhão.

Em comunicado, a Vale informou ter fechado até o momento acordos de indenização com mais de 10,3 mil atingidos pelo rompimento de uma de suas barragens em Brumadinho (MG), em janeiro de 2019, e por desocupações em consequência do desastre, com o pagamento de mais de 2 bilhões de reais, informou a mineradora nesta segunda-feira. Do total, foram fechados 1,4 mil acordos trabalhistas, envolvendo mais de 2,4 mil pessoas, e 3,6 mil acordos cíveis, contemplando 7,9 mil pessoas. A Vale não informou uma projeção de quantos ainda deverão ser indenizados ou do montante total que poderá ser pago no final. As pessoas que se sentirem atingidas de alguma forma podem acionar a empresa a qualquer momento.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, anunciou na segunda-feira a previsão de votação da MP da privatização da Eletrobras no Senado nesta semana ou na próxima. Lira relatou acordo selado com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para que os senadores tenham a liberdade de discutir e modificar o texto da medida provisória, caso considerem necessário, a tempo de devolvê-la para a Câmara. Segundo o presidente da Câmara, o andamento da MP está “dentro do script”.

A Raízen, joint venture entre a Cosan e a Shell na área de distribuição de combustíveis e produção de açúcar e etanol, protocolou o prospecto de sua oferta inicial de ações, segundo registro disponibilizado pela CVM. A Raízen afirma no documento que pretende usar recursos da oferta para construir novas plantas para expandir a produção de e vendas de biocombustíveis, além de investir em eficiência e produtividade e na infraestrutura de armazenagem e logística para suportar o crescimento de volume de renováveis e açúcar.

Já a locadora de galpões e equipamentos industriais Tópico pediu registro para realizar uma oferta inicial pública de ações, segundo documento publicado na segunda pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Atuais acionistas da companhia, que tem como principal sócio o fundo de private equity SCG (Southern Cross Group), também venderão uma participação no negócio.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se já.

Auxílio emergencial: presidente da Caixa explica 2 principais motivos para ter o benefício negado

SÃO PAULO – Nesta terça-feira (6), o auxílio emergencial começou a ser creditado nas contas dos trabalhadores nascidos em janeiro. Nesse primeiro grupo, estão cerca de 2,7 milhões de pessoas.

Em uma coletiva de imprensa transmitida online, Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, ressaltou os dois principais motivos que levaram à redução no número de beneficiários nesta nova rodada do auxílio emergencial em 2021.

Em 2020, cerca de 68 milhões de pessoas tiveram acesso à assistência financeira em meio à crise. Porém, para este ano, o número de pessoas caiu para cerca de 40 milhões.

“Houve a redução para somente um beneficiário por família e neste ano é necessário que a renda per capita da família seja de até meio salário mínimo e a renda familiar total seja de até três salários mínimos“, explica Guimarães.

Em 2020, era permitido que até duas pessoas por família ganhassem o benefício concomitantemente. Já em relação ao critério de renda, não era obrigatório cumprir os dois requisitos. Se a pessoa se encaixava em um ou outro já era suficiente, mas nesse ano é necessário que o beneficiário atenda ambos os critérios – per capita e renda familiar total.

Durante a coletiva, Guimarães também explicou que o banco ganhou experiência no ano passado, e que para essa nova rodada decidiu manter uma organização de pagamentos similar.

“Escolhemos manter a organização pelo mês de nascimento pela simplicidade da lógica e cria ordenação fácil. O pagamento via calendário do Bolsa Família foi mantido porque também favorece um racional simples para um público que tem menos informação”, disse o executivo.

O InfoMoney fez uma matéria com 12 respostas sobre o auxílio. Tire suas dúvidas aqui. A contestação sobre o auxílio emergencial negado pode ser feita até o dia 12 de abril.

Entenda o método para realizar análises e não se perder em momentos turbulentos. A série gratuita One Good Trader, com Gilberto Coelho, te ensina como – inscreva-se!

PUBLICIDADE

Guedes nega que governo tenha feito “chantagem” para dar auxílio mediante agenda

Paulo Guedes (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Um dia após a aprovação final da PEC emergencial, que recria o auxílio a vulneráveis e estabelece gatilhos de contenção de despesas em situações de crise, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reagiu às declarações de parlamentares da oposição, que acusaram o governo de travar a nova rodada do benefício social para “chantagear” o Congresso e conseguir a aprovação das medidas de ajuste fiscal.

“Particularmente do ponto de vista de oposição, tem muita distorção, muita narrativa que não condiz com os fatos. Por exemplo, (dizem) ah, não quer dar o auxílio emergencial, estão fazendo chantagem, só entregam o auxílio emergencial se tiver essa pauta fiscal que não sabemos exatamente qual é’. Isso é falso”, disse Guedes durante live promovida pelo Jota. “Não pode dar recursos para o auxílio emergencial sem uma autorização explícita de uma emenda constitucional. Estamos num vácuo jurídico, porque o estado de calamidade pública se extinguiu em 31 de dezembro (de 2020)”, acrescentou o ministro.

Além disso, segundo ele, o governo precisa ter um compromisso não só com a saúde, mas também com a responsabilidade fiscal.

Guedes destacou ainda que o auxílio emergencial foi desenhado dentro do Ministério da Economia, segundo ele a pedido do presidente Jair Bolsonaro. “É evidente que não temos nada contra o auxílio emergencial”, afirmou. “Ninguém está fazendo política subindo em cadáveres.”

O ministro destacou ainda que desde a posse dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), manteve diálogo aberto com os dois para a aprovação da PEC emergencial o mais rápido possível. Apesar disso, ele ressaltou que os poderes são independentes e citou, como prova disso, o fato de que a PEC não foi aprovada 100% como foi proposta pela Economia.

“Isso (flexibilizações) tem acontecido desde o início. É a política que comanda”, afirmou. Guedes lembrou que a reforma da Previdência acabou tendo impacto de R$ 800 bilhões em dez anos, menos de ? do que o previsto inicialmente, por causa das negociações políticas.

O ministro reforçou que não houve “nenhuma chantagem” e disse que “não foi feito nada escondido”. Ele disse que o texto inicial da PEC emergencial foi enviado ainda em 2019 e foi construído junto com prefeitos, governadores e o presidente Jair Bolsonaro.

“A PEC emergencial é a maior reforma fiscal desde a Lei de Responsabilidade Fiscal”, comentou Guedes.

Ele disse ainda que alguns dispositivos da LRF acabaram não surtindo efeito, devido a dribles feitos por Estados e municípios, mas agora a PEC dará aos governadores e prefeitos ferramentas de gestão.

PUBLICIDADE

O ministro ainda defendeu o congelamento de salários de servidores. “Pedimos contribuição do funcionalismo em momento de desemprego em massa”, afirmou.

Você ganhou um curso de ações 100% online e ao vivo. Durante 4 aulas, André Moraes explica como faria para lucrar na Bolsa de começasse hoje. Clique aqui para assistir!

Oxford Economics: Novo auxílio elevará PIB do Brasil para 3,8%

(Bloomberg) — A segunda rodada de auxílio emergencial impulsionará o crescimento do PIB do Brasil em 0,2 ponto percentual, para 3,8% neste ano, escreve Marcos Casarin, economista-chefe para a América Latina da Oxford Economics, em nota.

A empresa estima que as famílias gastarão metade dos R$ 44 bilhões em estímulos durante 2021, e o restante será economizado ou usado para dívida. Isso aumentará o consumo em 0,4% no primeiro trimestre e 0,8% no segundo trimestre.

A segunda rodada de auxílio terá um impacto fiscal que provavelmente aumentará os rendimentos dos títulos de 10 anos do Brasil em 25 pontos-base, mantendo-os acima de 9%.

Economista aumentou a previsão de rendimento dos títulos em um total de 75 pontos-base para levar em conta deterioração fiscal adicional, aumento nos rendimentos dos EUA, risco institucional após mudanças na liderança da Petrobras, ruído político sobre potencial volta de Lula e inflação mais alta.

Oxford Economics antecipou previsão de aumento da Selic de maio para março.

“Embora pensemos que mais apoio fiscal ajudará a economia a se recuperar mais rapidamente, não estamos convencidos sobre sua compensação em termos de yields mais elevados e um aperto da política monetária”, escreveu Casarin.

“O Brasil estava experimentando a recuperação mais rápida da América Latina e ainda contava com uma substancial poupança acumulada, então nenhuma evidência, além de um declínio na popularidade do presidente, sugeria que mais ajuda era realmente essencial”.

“Relaxar a regra fiscal novamente para um pequeno ganho do PIB no curto prazo ao custo de custos de empréstimos mais elevados no longo prazo não parece uma troca justa para nós”.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.

PUBLICIDADE

Senado discute exclusão do Bolsa Família dos “gatilhos” da PEC Emergencial

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) durante sessão no plenário (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

SÃO PAULO – Lideranças partidárias do Senado Federal discutem a retirada do Bolsa Família das limitações estabelecidas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, tida como aposta do governo federal para viabilizar uma nova rodada de auxílio emergencial. Uma nova versão do substitutivo deve ser lida pelo relator, o senador Marcio Bittar (MDB-AC), ainda nesta terça-feira (2), em plenário.

A sugestão, feita pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), entrou na reta final de debates sobre a proposta na casa legislativa. O parlamentar, diagnosticado com Covid-19, enviou uma carta ao relator sugerindo a exclusão do programa social das vedações previstas nos “gatilhos” criados pelo texto.

Na prática, o movimento permitiria a ampliação do benefício ou a criação de um novo programa de transferência de renda para enfrentar o cenário de pobreza e extrema pobreza no pós-pandemia do novo coronavírus.

“Compreendida a importância de limitar a criação de despesa obrigatória e o reajuste de despesa obrigatória acima da inflação, nos parece pertinente excetuar os benefícios de combate à extrema pobreza e à pobreza – sendo estes hoje os benefícios do Programa Bolsa Família”, afirma o parlamentar na carta.

“Receamos que a redação do relatório para esses dispositivos possa impedir que o governo institua novo benefício substituto do Bolsa Família (como o Renda Brasil ou o Renda Cidadã, em cuja proposta Vossa Excelência trabalhou recentemente). Ou, ainda, que o Bolsa Família seja expandido – ainda que modestamente. Frise-se que, como sabemos, os valores hoje envolvidos no Programa são muito exíguos, e não ameaçam a sustentabilidade fiscal (0,5% do PIB, sem trajetória de alta)”, justifica.

A PEC Emergencial estabelece regras para o acionamento de “gatilhos fiscais” quando o nível de despesas obrigatórias de União, estados ou municípios ultrapassarem 95% da despesa primária total – o que, pelos projeções da Instituição Fiscal Independente (IFI) só aconteceria a partir de 2025 – ou durante a vigência de situações de calamidade pública – caso atual.

Eis as vedações previstas nos dois casos:

a) Concessão, a qualquer título, de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração de membros de Poder ou de órgão, de servidores e empregados públicos e militares, exceto dos derivados de sentença judicial transitada em julgado ou de determinação legal anterior ao início da aplicação das medidas;

b) Criação de cargo, emprego ou função que implique aumento de despesa;

PUBLICIDADE

c) Alteração de estrutura de carreira que implique aumento de despesa;

d) Admissão ou contratação de pessoal, a qualquer título, ressalvadas:
1. as reposições de cargos de chefia e de direção que não acarretem aumento de despesa;
2. as reposições decorrentes de vacâncias de cargos efetivos ou vitalícios;
3. as contratações temporárias de que trata o inciso IX do art. 37; e
4. as reposições de temporários para prestação de serviço militar e de alunos de órgãos de formação de militares;

e) Realização de concurso público, exceto para as reposições de vacâncias previstas na alínea “d”;

f) Criação ou majoração de auxílios, vantagens, bônus, abonos, verbas de representação ou benefícios de qualquer natureza, inclusive os de cunho indenizatório, em favor de membros de Poder, do Ministério Público ou da Defensoria Pública e de servidores, empregados públicos e militares, ou ainda de seus dependentes, exceto quando derivados de sentença judicial transitada em julgado ou de determinação legal anterior ao início da aplicação das medidas de que trata este artigo;

g) Criação de despesa obrigatória;

h) Adoção de medida que implique reajuste de despesa obrigatória acima da variação da inflação;

i) Criação ou expansão de programas e linhas de financiamento, bem como remissão, renegociação ou refinanciamento de dívidas que impliquem ampliação das despesas com subsídios e subvenções;

j) Concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária;

PUBLICIDADE

Caso se interprete que os recursos do Bolsa Família fazem parte das despesas obrigatórias do Orçamento, as regras estabelecidas pela PEC incidiriam sobre o programa, impossibilitando qualquer reajuste ou ampliação durante a vigência dos gatilhos fiscais.

Nos bastidores, uma discussão que ganhou força com a proposta de Alessandro Vieira foi a possibilidade de retirada do Bolsa Família da regra do teto de gastos em 2021. Mas interlocutores do parlamentar têm dito que o texto proposto não trata disso, mas da exclusão do programa dos gatilhos fiscais previstos na proposta.

Na prática, os dois caminhos poderiam viabilizar aumento de despesas pelo programa de transferência de renda, mas o primeiro caminho pode ser interpretado por agentes econômicos como risco maior à regra fiscal.

Fonte ouvida por esta reportagem disse que o tema seria levado pelo relator para discussão com a equipe econômica ainda hoje, para que posteriormente seja incluído ao texto a ser votado na quarta-feira (3).

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país

Ibovespa Futuro tem leve queda seguindo exterior em meio a temor sobre inflação nos EUA; dólar cai a R$ 5,39

stocks mercado ações índices bolsa baixa queda crash sell (Getty Images)

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre em queda nesta quinta-feira (18) seguindo o desempenho das bolsas internacionais na volta da China do feriado do Ano-Novo Lunar. No radar dos investidores seguem as preocupações a respeito de um repique inflacionário principalmente nos Estados Unidos diante do avanço nos preços do petróleo e do aumento no consumo das famílias.

Por aqui, o Congresso cancelou a agenda de votações enquanto líderes dos partidos do chamado Centrão buscam construir uma saída para a crise institucional aberta com a determinação da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nos EUA, hoje serão realizadas audiências para discutir o fenômeno das compras coordenadas de ações de empresas como a GameStop. O Comitê sobre Serviços Financeiros da Câmara de Representantes deverá ouvir os líderes de Melvin Capital e Robinhood, além do operador Keith Gill, ativo no Reddit.

Entre as commodities, os futuros do minério de ferro na China saltaram 7% nesta quinta-feira, em meio a expectativas de uma retomada na demanda chinesa após o país voltar do feriado de Ano Novo Lunar e com sinais de aceleração na recuperação da economia global somando-se ao otimismo.

Às 9h10 (horário de Brasília), o contrato futuro do Ibovespa com vencimento em abril de 2021 tinha queda de 0,3%, a 120.335 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial opera com leve baixa de 0,31% a R$ 5,3975 na compra e a R$ 5,3985 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em março se desvaloriza em 0,32%, a R$ 5,398.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 opera estável a 3,38%, o DI para janeiro de 2023 tem alta de dois pontos-base a 5,03%, o DI para janeiro de 2025 avança três pontos-base a 6,61% e o DI para janeiro de 2027 registra variação positiva de três pontos-base a 7,28%.

Vacinação no Brasil

O consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil divulgou, às 20h de terça (16), o avanço da pandemia em 24 h no país. A média móvel de mortes em 7 dias foi de 1.033, estável em relação ao patamar registrado 14 dias antes. Em apenas um dia houve 1.195 mortes.

A média móvel de casos confirmados em 7 dias foi de 45.282, queda de 6% frente ao período encerrado 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 57.937 casos.

PUBLICIDADE

Até o momento, 5.402.913 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a covid no Brasil, o equivalente a 2,55% da população. A segunda dose foi aplicada em 667.410 pessoas, ou 0,32% da população.

A falta de doses de vacinas contra a Covid continua a ampliar o número de capitais que estão suspendendo ou pretendem suspender a vacinação. Até o momento, Campo Grande, Cuiabá, Porto Alegre, Rio e Salvador têm interrupções. Analistas indicam que o ritmo de vacinação deve ser um dos fatores a determinarem a velocidade de recuperação da economia brasileira em 2021.

Sob pressão, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, participou de reunião virtual com governadores na quarta, em que prometeu entregar aos estados, ainda em fevereiro, 9,3 milhões de doses da vacina CoronaVac produzidas pelo Instituto Butantan, parceiro brasileiro do laboratório chinês Sinovac.

Ele também prometeu 2 milhões de doses da vacina desenvolvida em parceria entre Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, importadas da Índia. É o mesmo imunizante que deverá ser produzido no Brasil pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) a partir de insumos importados.

Apesar da promessa do ministro, ainda não há confirmação sobre a entrega dos imunizantes por parte de autoridades indianas, que no início do ano dificultaram a distribuição visando priorizar a vacinação do país. De acordo com a Fiocruz, que também é responsável pela importação, a compra ainda está sendo negociada.

O general Pazuello afirmou ainda que 230,7 milhões de doses de imunizantes serão entregues até 31 de julho. No domingo, a Confederação Nacional dos Municípios pediu a saída urgente do ministro, citando relatos de ministros de várias partes do país indicando a suspensão da vacinação de grupos prioritários.

Auxílio emergencial

Mesmo antes da aprovação do Orçamento no Congresso, a área econômica do governo já trabalha com a possibilidade de contingenciar ao menos R$ 10 bilhões, segundo informações de bastidores publicadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A necessidade de bloqueio pode ser ainda maior, de R$ 20 bilhões, dependendo do espaço orçamentário que parlamentares encontrarem para cortar despesas durante a votação do projeto, prevista para entre o fim de março e o início de abril.

PUBLICIDADE

A previsão de corte é indicativo da dificuldade do governo de encontrar saídas para pagar uma nova rodada de auxílio emergencial sem estourar o Orçamento. A medida ganha força no Congresso e, apesar de não ser unanimidade entre a equipe econômica, é tratada como certa.

A previsão de contingenciamento se dá no grupo de despesas discricionárias (não obrigatórias), que incluem investimentos e o custeio da máquina pública. A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) apontou valor de R$ 83,9 bilhões para esses gastos, sem contar emendas parlamentares. Se contabilizadas as emendas, os gastos chegam a R$ 100 bilhões.

Nesta quinta, o deputado federal Daniel Silveira, aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passa por audiência de custódia, após ter sua prisão em flagrante decretada pelo ministro do STF, Alexandre de Moraes, por divulgar um vídeo em que fez apologia ao AI-5, instrumento de repressão que levou ao fechamento do Congresso na ditadura militar, e em que defendeu a destituição de ministros da Corte.

Ambas as reivindicações são inconstitucionais, mas a prisão de um deputado por determinação do Supremo gera temor do agravamento da tensão entre os Poderes. Setores do Congresso acusam o STF de interferir sobre a atuação do Legislativo.

O plenário da Câmara dos Deputados pode decidir hoje se mantém ou revoga a prisão do deputado. Na quarta, o STF manteve por unanimidade a decisão de Moraes. Também na quarta, PT, PSB, PDT, PCdoB, PSOL e Rede pediram a cassação do mandato do deputado Daniel Silveira (PSL) por suposta quebra de decoro parlamentar.

Segundo informações de bastidores publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo, a polêmica em torno do deputado bolsonarista pode dificultar a indicação da deputada Bia Kicis (PSL-DF) para presidir a Comissão de Constituição e Justiça.

Radar corporativo

Em destaque no radar corporativo, o Carrefour Brasil apresentou lucro líquido ajustado ao controlador de R$ 886 milhões no quarto trimestre 2020, uma alta de 31,1% em relação ao registrado no mesmo período de 2019. O Ebitda ficou em R$ 1,732 bilhão, alta de 18,2% ante o quarto trimestre de 2019. Depois do fechamento do mercado, serão revelados os números do IRB Brasil.

Ainda no radar, a produção de petróleo da Petrobras voltou a crescer em janeiro, depois de ter abandonado o patamar dos 2 milhões de barris diários em dezembro do ano passado. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a estatal produziu em média 2,140 milhões de barris diários, 7,8% a mais do que no mês anterior.

PUBLICIDADE

A sessão ainda marca a estreia das ações da CSN Mineração após a abertura de capital (IPO) na última sexta-feira.

(Com Reuters, Bloomberg e Agência Estado)

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

Ibovespa engata alta puxado por blue chips e deixa para trás descolamento em relação a ADRs

Painel de cotações (Crédito: Shutterstock)

SÃO PAULO – O Ibovespa engata alta nesta quarta-feira (17) puxado por blue chips na volta do Carnaval em um dia de sessão mais curta com as atenções dos investidores voltadas à discussão de um novo auxílio emergencial. Vale lembrar que a volatilidade deste pregão está ligada ao vencimento de opções sobre o Ibovespa.

Uma fonte do governo teria informado à Reuters que a expectativa é para a criação de um novo benefício que seria de R$ 250 e duraria até quatro meses. A contrapartida para o início do programa seria o encaminhamento no Congresso de votações de reformas que reduzam a pressão dos gastos no Orçamento do País no longo prazo como as Propostas de Emendas à Constituição (PEC) Emergencial e do Pacto Federativo e a Reforma Administrativa.

Ainda na política, o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), grande aliado do bolsonarismo, teve sua prisão determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. A decisão foi tomada por conta de um vídeo em que Silveira ofende ministros da Corte, defende o fechamento do STF e elogia o AI-5, medida que endureceu a ditadura militar em 1968, caçando direitos políticos, institucionalizando a tortura e suspendendo o habeas corpus.

O desempenho da Bolsa hoje, que antes ia na contramão do movimento dos ADRs (na prática, as ações de empresas brasileiras negociadas na bolsa de Nova York) na véspera, agora passa a seguir o que ocorreu com esses ativos no dia anterior. O índice Dow Jones Brazil Titans, principal benchmark desses papéis, registrou uma valorização de 1,46% no dia anterior, apesar de hoje operar em leve baixa.

Lá fora, as bolsas americanas caem em meio a preocupações com um possível repique inflacionário causado pelos preços do petróleo e pela retomada no consumo das famílias. Os investidores também aguardam pela ata da última reunião do comitê de política monetária do Federal Reserve às 16h (horário de Brasília).

Às 15h44, o Ibovespa tem alta de 0,87%, a 120.467 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial sobe 0,76% a R$ 5,4147 na compra e a R$ 5,4152 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em março tem alta de 0,85%, a R$ 5,419.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 sobe seis pontos-base a 3,41%, o DI para janeiro de 2023 tem alta de 11 pontos-base a 5,06%, o DI para janeiro de 2025 avança 13 pontos-base a 6,65% e o DI para janeiro de 2027 registra variação positiva de 10 pontos-base a 7,30%.

PUBLICIDADE

Ontem, os juros dos treasuries (os títulos do Tesouro dos EUA) subiram nove pontos-base a 1,3%, maior valor desde fevereiro do ano passado, o que pode diminuir a atratividade do mercado acionário, visto que esses títulos são considerados os ativos mais seguros do mundo.

As vendas no varejo nos EUA cresceram 5,3% em janeiro, bem acima da mediana das projeções dos economistas consultados pelo Wall Street Journal, que apontavam para uma expansão de 1,2%. Se por um lado essa melhora é um bom sinal para a saúde da maior economia do mundo, por outro traz temores de que as expectativas para a inflação sejam elevadas devido ao aumento do consumo das famílias.

O avanço nas cotações do petróleo também traz preocupações inflacionárias, pois encarece os combustíveis. O Barril do petróleo tipo Brent sobe mais uma vez hoje aos US$ 63,41, embora o WTI tenha uma correção depois do rali recente e recue 0,42% a US$ 59,80 cada barril.

Na política, parlamentares democratas americanos pretendem aprovar o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão em resposta à pandemia de Covid antes do final de fevereiro.

Investidores também acompanham o desempenho das criptomoedas nesta quarta, após o Bitcoin superar a marca dos US$ 50 mil pela primeira vez na terça (17), dando continuidade à sua valorização para níveis recordes.

Na terça, foram divulgados dados indicando inflação de 0,7% no Reino Unido em termos anuais, acima do esperado. O índice é impulsionado por preços dos alimentos mais altos e menos descontos de artigos domésticos.

A meta do Reino Unido para o ano é de atingir inflação de 2%, e deve ser pressionada à medida que consumidores começam a gastar economias de 125 bilhões de libras esterlinas adicionais, feitas pelos britânicos durante os lockdowns, que limitaram a capacidade da população de gastar.

As ações na Ásia fecharam em baixa na quarta, seguindo a queda nos mercados americanos no overnight. Investidores acompanham os dados sobre a alta recente de juros de títulos do Tesouro americano. As bolsas continuaram fechadas na China continental como parte do feriado do Ano Novo Lunar.

Relatório Focus

PUBLICIDADE

Em meio ao aumento dos preços, o mercado financeiro revisou para cima as projeções para a Selic e agora vê a taxa básica de juros encerrando 2021 a 3,75% ao ano, acima dos 3,50% estimados na semana passada. Os dados constam no relatório Focus, divulgado pelo Banco Central excepcionalmente nesta quarta-feira (17), por conta do feriado de carnaval.

Segundo o boletim, ainda é esperada, contudo, uma manutenção dos juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em março. Já até dezembro de 2022, a expectativa dos especialistas é que a Selic suba para 5,00%, sem alterações em relação ao levantamento anterior.

Os economistas consultados pelo BC elevaram ainda as projeções para a inflação este ano, pela sexta semana consecutiva, desta vez, de 3,60% para 3,62%. Já para o próximo ano, a expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) se manteve em 3,49%.

No que tange às expectativas para o desempenho da economia brasileira, estas tiveram uma piora nesta semana, com o mercado estimando expansão de 3,43% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021, ante projeção anterior de crescimento de 3,47% da atividade. Em 2022, é esperada uma expansão de 2,50% do PIB, a mesma do último boletim.

Por fim, no câmbio, o mercado vê o dólar encerrando dezembro negociado a R$ 5,01, com a moeda americana negociada a R$ 5,00 ao fim de 2022, sem mudanças ante o levantamento anterior.

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

Por que o investidor deve acompanhar os ADRs nesta terça-feira de B3 fechada

Mão segura um celular e consulta um gráfico em frente a um painel de movimentação de ações em Bolsa - mercado fracionário (scyther5/Getty Images)

*Notícia atualizada às 20h44 (horário de Brasília) para correção de informação

SÃO PAULO – Apesar de não haver pregão na B3 na segunda-feira (15), na terça-feira (16) e até às 13h (horário de Brasília) da quarta-feira (17), isso não significa que o investidor possa ficar de sábado até quarta desligado das notícias, pois os mercados lá fora, dentre os quais o mais importante é o dos Estados Unidos, continuarão funcionando pelo menos na terça-feira, já que segunda é feriado de Dia dos Presidentes (Washington’s Day) nos EUA.

Sempre que aqui não há pregão, mas em Nova York sim, é importante ficar atento ao movimento dos American Depositary Receipts (ADRs), que, na prática, são as ações de empresas brasileiras negociadas na NYSE.

Como os ADRs têm seus preços atrelados aos ativos negociados na B3, se os ADRs caírem ou subirem na terça em NY, na quarta, quando abrirem as ações brasileiras devem replicar o movimento que ocorreu nesses dois dias.

Os principais benchmarks de ADRs para acompanhar durante os dias de B3 fechada são o índice Dow Jones Brazil Titans 20 ADR, e o fundo do tipo Exchange Traded Fund (ETF, um fundo de investimentos passivo negociado em bolsa que segue um determinado índice) chamado EWZ iShares MSCI Brazil Capped.

Em um Carnaval atípico como o deste ano, que não terá samba na avenida nem bloco de rua por conta da pandemia de coronavírus, mesmo no Brasil podem ser esperadas notícias que fazem preço nos ativos de renda variável.

Uma das informações pela qual os investidores mais anseiam é sobre como será feito o novo auxílio emergencial que o presidente Jair Bolsonaro disse que pode sair já em março.

“Está quase certo, ainda não sabemos o valor, com toda certeza, a partir… com toda certeza, pode não ser, né, a partir de março, 3, 4 meses, isso está sendo acertado, com o Executivo, e com o Parlamento também, porque temos que ter responsabilidade fiscal”, afirmou Bolsonaro.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), falou na última sexta-feira (12), que o benefício deverá ser retomado por ao menos três meses: março, abril e maio – com possibilidade de concessão em junho.

PUBLICIDADE

Leia também

Guedes, Lira e Pacheco alinham discurso por auxílio emergencial em março e ajuste fiscal

Novo auxílio deve ter quatro parcelas de R$ 250; contrapartidas virão em 2 PECs

Lira cobra Guedes publicamente sobre solução para auxílio emergencial

“A prioridade absoluta é a vacina e o auxílio emergencial, e só deixarão de ser prioridades quando a pandemia acabar”, disse o parlamentar. O valor do benefício, no entanto, segue indefinido.

Um dos pontos a se monitorar é qual será a contrapartida orçamentária para retomar a distribuição do auxílio. O ministro da Economia, Paulo Guedes, quer uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de Orçamento de Guerra para sua equipe não precisar cumprir a regra de ouro nem a meta de resultado primário, e não desistiu de condicionar a nova rodada do programa ao compromisso do Congresso de aprovar medidas de ajuste fiscal como as PECs Emergencial e do Pacto Federativo.

Já no exterior, devem prosseguir as discussões no Congresso dos Estados Unidos acerca do pacote de US$ 1,9 trilhão em estímulos que o presidente Joe Biden quer aprovar para combater os impactos econômicos do coronavírus.

Em um encontro com líderes empresariais na Casa Branca na semana passada, Biden disse que o governo está “em uma posição de pensar com grandeza” sobre os estímulos fiscais e defendeu o pagamento de US$ 1,4 mil para os beneficiários dentro de um limite de renda.

PUBLICIDADE

Neste sábado, o Senado dos EUA livrou mais uma vez o ex-presidente, Donald Trump, do impeachment, de modo que o republicano seguirá com seus direitos políticos e poderá se candidatar em futuras eleições.

Fora as questões relacionadas ao programa social, uma série de indicadores e resultados corporativos também devem movimentar o mercado na semana que vem.

Agenda de indicadores

No dia 15 haverá uma bateria de dados na Europa, inclusive a Balança Comercial da zona do euro e a produção industrial do bloco. Já o Japão, terceira maior economia do mundo, divulgará às 20h50 (horário de Brasília) seu Produto Interno Bruto (PIB) no quarto trimestre.

Já no dia 16 sai a segunda estimativa do PIB da zona do euro e o índice ZEW de sentimento econômico na Alemanha ambos às 7h00.

A quarta-feira, dia 17, trará aqui no Brasil o Relatório Focus do Banco Central às 12h00, com as expectativas dos economistas do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos nacionais. Às 14h30 será a vez do fluxo cambial semanal no País e às 15h00 sai a Balança Comercial brasileira, também na base semanal.

Já os EUA divulgarão às 11h15 os dados de produção industrial e às 16h00 sai a ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla inglês). A ata do Fomc é importante para captar indicações de quais serão os próximos passos do Federal Reserve, o banco central dos EUA.

A quinta-feira (18) traz no Brasil o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe às 5h00 e a segunda prévia do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) da FGV de fevereiro às 8h00. Os EUA, por sua vez, terão a divulgação semanal dos pedidos por seguro-desemprego às 10h30 e o Índice de Atividade do Fed da Filadélfia no mesmo horário.

Por fim, a sexta-feira (19) reserva os Índices Gerentes de Compras (PMIs, na sigla em inglês) compostos da Alemanha, da zona do euro e do Reino Unido respectivamente às 5h30, 6h00 e 6h30.

Resultados mais importantes da próxima semana

PUBLICIDADE

A quarta (17) terá como destaque o resultado do Carrefour Brasil (CRFB3).

No dia 18, por sua vez, os principais balanços divulgados serão os da JHSF (JHSF3) e do IRB Brasil (IRBR3).

Fechando a semana, no dia 19 será divulgado o resultado de EDP Energias do Brasil (ENBR3).

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

Ibovespa fecha estável e encerra semana em queda de 0,7% com cautela antes de Carnaval; dólar cai a R$ 5,37

ações índices gráfico bolsa mercados stocks alta (Shutterstock)

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou estável nesta sexta-feira (12) e encerrou a semana com perdas de 0,68%. Os últimos dias foram marcados por um lado pela confirmação de que o governo pretende lançar uma nova rodada de auxílio emergencial e por outro pela vitória da agenda liberal no Congresso com a aprovação na Câmara dos Deputados do projeto de lei que garante autonomia formal ao Banco Central.

Nesta sexta, a cautela deu o tom da sessão, última antes do recesso que haverá na B3 por conta do Carnaval apesar do feriado ter sido cancelado. As negociações só voltam na quarta-feira (17), de modo que alguns investidores não querem entrar comprados no fim de semana para não serem surpreendidos sem poderem zerar posições nos dias em que a Bolsa brasileira não permitirá operações.

Lá fora, as bolsas americanas registraram leves ganhos, estendendo o rali que levou o S&P 500 a mais uma vez renovar máxima histórica. Os principais drivers de otimismo foram a expectativa pelo pacote de estímulos prometido pelo presidente Joe Biden e as esperanças de que a economia possa reabrir conforme mais pessoas são vacinadas contra o coronavírus.

Já por aqui, o radar político doméstico contou com as expectativas por maior clareza a respeito do retorno do auxílio emergencial. Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro, disse que o benefício social seria renovado por três ou quatro meses a partir de março.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, por sua vez, disse na quinta-feira que, para que o governo possa conceder novas parcelas do programa, é preciso que o Congresso aprove uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de Orçamento de Guerra que, a exemplo do que ocorreu no ano passado, que o autorize a liberar as despesas sem ferir parâmetros fiscais como a regra de ouro e o teto de gastos.

Também no radar, o Ministério da Saúde assinou a compra de 54 milhões de doses da Coronavac. A assessoria de imprensa da pasta afirmou à CNN que o acordo vai ser assinado pelo secretário executivo do Ministério, Élcio Franco, até o fim da tarde.

Entre os indicadores, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), cresceu 0,64% em dezembro, acima da mediana das projeções dos economistas compilada pela Refinitiv, que apontava para incremento de 0,4% no indicador no período. No ano, por outro lado, o IBC-Br, que é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB) caiu 4,05%.

Com isso, o Ibovespa teve leve alta de 0,11%, a 119.428 pontos com volume financeiro negociado de R$ 24,525 bilhões.

Enquanto isso, o dólar comercial caiu 0,26% a R$ 5,3732 na compra e a R$ 5,3742 na venda. Na semana, a moeda dos EUA recuou 0,18%. Já o dólar futuro com vencimento em março registra leve variação negativa de 0,02%, a R$ 5,367 no after-market.

PUBLICIDADE

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 subiu três pontos-base a 3,35%, o DI para janeiro de 2023 teve alta de 10 pontos-base a 4,96%, o DI para janeiro de 2025 avançou 10 pontos-base a 6,52% e o DI para janeiro de 2027 registrou variação positiva de oito pontos-base a 7,20%.

Voltando ao exterior, dados oficiais publicados na sexta indicam queda de 9,9% na economia do Reino Unido em 2020, a maior retração desde o início dos registros modernos. Mas os números indicam que, nos últimos três meses de 2020, o PIB do Reino Unido teve alta de 1%, apesar da imposição de novas medidas de lockdown em um esforço para desacelerar a propagação do coronavírus.

Já nos Estados Unidos, parlamentares democratas que conduzem o processo de impeachment contra o ex-presidente, Donald Trump, encerraram suas falas concluindo que o ataque ao Capitólio, sede do poder Legislativo americano, seria a culminação de uma Presidência marcada por mentiras e por uma retórica violenta.

Eles afirmam que Trump continuaria a ser uma ameaça a política americana, caso não sofra impeachment e perca o direito de manter um cargo político.

Nesta sexta, mercados na China e na maior parte do Sudeste Asiático estão fechados por conta do feriado do Ano Novo Lunar. Os mercados chineses de títulos, comércio exterior, commodities futuras devem continuar fechados até 17 de fevereiro.

Bolsonaro e auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro demonstrou irritação com o mercado financeiro, que apresenta instabilidade nos últimos dias com o temor de que a prorrogação do auxílio emergencial e os planos de reduzir impostos sobre combustíveis desrespeitem pilares macroeconômicos como o teto de gastos, a regra de ouro e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Nós queremos tratar da diminuição dos impostos num clima de tranquilidade e não num clima conflituoso no Brasil. E o pessoal do mercado, qualquer coisa que se fala aqui, vocês ficam aí irritadinhos na ponta da linha, né. Sobe dólar, cai a bolsa”, afirmou, em sua live semanal nas redes sociais.

“Pessoal, se o Brasil não tiver um rumo, todo mundo vai perder. Vocês também, pô. Então vamos deixar de ser irritadinhos que não vai levar a lugar nenhum. A gente está buscando soluções. Uma das maneiras de nós diminuirmos o preço do combustível é se o dólar cair aqui dentro. Mas qualquer negocinho, qualquer boato na imprensa, está aí esse mercado nosso, irritadinho. Aí sobe o dólar. Todo mundo perde com isso, pessoal”, acrescentou.

PUBLICIDADE

Mais cedo, na véspera, Bolsonaro afirmou que o governo estuda renovar o auxílio emergencial por três ou quatro meses a partir de março, e voltou a defender a necessidade de se fazer isso com “responsabilidade fiscal”.

“Está quase certo, ainda não sabemos o valor, com toda certeza, a partir… com toda certeza, pode não ser, né, a partir de março, 3, 4 meses, isso está sendo acertado, com o Executivo, e com o Parlamento também, porque temos que ter responsabilidade fiscal”, disse Bolsonaro em rápida entrevista após evento em Alcântara (MA).

Coronavírus e fala de Pazuello ao Senado

O consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil divulgou, às 20h de quinta (11), o avanço da pandemia em 24 h no país.

A média móvel de mortes em 7 dias foi de 1.073, alta de 1% frente ao patamar registrado 14 dias antes. Em apenas um dia houve 1.452 mortes, o terceiro maior registro de mortes em 24 horas desde o início da pandemia.

A média móvel de casos confirmados em 7 dias foi de 45.504, queda de 13% frente ao período encerrado 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 53.993 casos.

Até o momento, 4.584.338 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a covid no Brasil, o equivalente a 2,16% da população brasileira. A segunda dose foi aplicada em 108.735 pessoas, ou 0,05% da população, em Amazonas, Alagoas, Minas Gerais, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e no Distrito Federal.

Na quinta-feira, o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que o Instituto Adolfo Lutz, vinculado a sua pasta, já confirmou seis casos de contaminação com a nova variante brasileira do coronavírus, encontrada inicialmente no Amazonas, conhecida como P1. Outros três casos foram confirmados por laboratórios privados, totalizando, portanto, nove casos.

Também na quinta, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello falou ao Senado, prestando esclarecimentos sobre o colapso no sistema de Saúde do Amazonas e outras questões ligadas à pandemia.

PUBLICIDADE

Em pronunciamento inicial no plenário, o general afirmou que análise realizada por técnicos de sua pasta indica que a variante amazônica do coronavírus é ao menos três vezes mais contagiosa do que o vírus original.

Ele alegou que “as vacinas têm resultado com essa variante”, sem detalhar, no entanto, quais imunizantes teriam demonstrado eficácia ou quais testes teriam sido realizados. Na segunda (8), o Instituto Butantan afirmou que ainda está testando a vacina CoronaVac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, contra a nova variante encontrada no Amazonas.

O general Pazuello também prestou esclarecimentos sobre a atuação do governo federal sobre a crise de saúde no estado. Ele afirmou que relatórios da Força Nacional do SUS de 8 de janeiro não teriam indicado falta de oxigênio, mas de “rede de gases” em Manaus.

Pazuello afirmou: “Rede de gases são os tubos de gases e não o oxigênio que vai dentro. Pressurização entre o município e o estado é regulação entre um e outro”.

Em resposta, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) afirmou: “Desculpe-me, esse relatório que falou de rede pressurizada entre município e estado com relação a oxigênio —essa rede não existe, ministro, essa rede não existe. Portanto, não é possível dizer que a falta de oxigênio no Amazonas foi em função de falta de pressão entre redes inexistentes. Isso não é verdade”.

Radar corporativo

A temporada de resultados segue no radar dos investidores. Em destaque, o Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,695 bilhões no quarto trimestre do ano passado, queda de 20,1% ante igual período de 2019. Em relação ao trimestre anterior, contudo, houve expansão de 6,1%. A melhora no fim do ano, porém, não foi suficiente para evitar que a instituição terminasse 2020 com queda no lucro acumulado, de 22,2%, para R$ 13,884 bilhões.

Maiores altas

Ativo Variação % Valor (R$)
CVCB3 5.57029 19.9
BRKM5 3.03444 30.22
PRIO3 2.92254 79.59
TOTS3 2.33383 34.64
RAIL3 1.86774 20.18

Maiores baixas

Ativo Variação % Valor (R$)
CIEL3 -6.63265 3.66
HAPV3 -2.38365 17.2
BPAC11 -2.32975 109
CPLE6 -1.90561 65.89
BRDT3 -1.766 22.25

Já a varejista de moda Lojas Renner teve queda no lucro do quarto trimestre, uma vez que suas vendas seguiram afetadas por restrições para conter um repique na pandemia de Covid-19. A companhia anunciou nesta quinta-feira que seu lucro líquido de outubro a dezembro somou 354 milhões de reais, queda de 31% no comparativo com igual etapa de 2019. Cesp, Multiplan, Biosev, Sanepar e Engie também apresentam seus números do quarto trimestre.

Além da temporada de resultados, a Vale informou que seu conselho de administração aprovou propostas de incorporação pela empresa da Companhia Paulista de Ferro Ligas e da Valesul Alumínio. Também foi aprovada a cisão parcial da Minerações Brasileiras Reunidas (MBR), com incorporação da parcela cindida pela Vale, acrescentou a companhia, em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários.

A sexta-feira ainda marca o início da negociação das ações da Oceanpact e a precificação de IPO da CSN Mineração.

(Com Reuters, Agência Estado e Bloomberg)

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

Governo não pode ser “escravo do mercado”, diz Mourão

Após o presidente da República, Jair Bolsonaro, demonstrar irritação com o mercado financeiro, o vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira, 12, que o governo não pode ser “escravo do mercado”. Sobre uma nova rodada do auxílio emergencial, Mourão opinou que o chefe do Executivo é “obrigado a decidir” alguma forma de auxiliar a parcela da população mais prejudicada por conta da pandemia da covid-19.

“Em linhas gerais, ou você faz empréstimo extraordinário, aí seria tal do orçamento de guerra, ou corta dentro do nosso orçamento para atender as necessidades. Não tem outra linha de aço fora disso”, disse Mourão na manhã desta sexta na chegada à vice-presidência.

Questionado sobre como o mercado financeiro receberia a possibilidade de um novo Orçamento de Guerra, Mourão respondeu: “Minha gente, a gente não pode ser escravo do mercado. Tem que entender o seguinte: temos aí 40 milhões de brasileiros em uma situação difícil. A gente ainda continua com a pandemia.”

Na quinta-feira, durante transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro disse que representantes do mercado ficam “irritadinhos” com “qualquer coisa que fala”.

A fala remete a preocupação de investidores com medidas em análise pelo governo, como a retomada do auxílio emergencial, que possam comprometer o teto de gastos e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Conforme o jornal O Estado de S. Paulo mostrou, a equipe econômica considera mais três parcelas de R$ 200 do auxílio, desde que sejam aprovadas medidas de ajuste fiscal, como cortes de gastos com servidores, e uma base jurídica, como uma cláusula de calamidade ou uma nova versão do orçamento de guerra para permitir ao governo ampliar os gastos fora de amarras fiscais.

Segundo Mourão, dando aval ou não para novas parcelas do benefício, Bolsonaro será criticado. “Vamos lembrar, se ele disser que não vai auxiliar ele vai tomar pau, se diz que vai auxiliar vai tomar pau também. É uma situação difícil e julgo que ele vai buscar a melhor solução”, declarou.

O chefe do Executivo indicou na quinta que o benefício tem “pressa”e já deveria começar a ser pago a partir de março e por até quatro meses.

Na visão do vice-presidente, o País ainda deve levar três ou quatro meses para ter “uma produção de vacina capaz de começar um processo de imunização consistente”. E, enquanto isso, o governo segue em busca de alternativas para atender a população. “O presidente é obrigado a decidir alguma forma de auxiliar essa gente”, disse.

PUBLICIDADE

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.