Marc Lemann compra US$ 1 milhão em ações da QSR, controladora do Burger King, diz site

franquia burger king Escolha por uma marca de alimentação é entendida por especialistas como uma boa estratégia.

SÃO PAULO – Marc Lemann, filho do bilionário e empresário sócio da 3G Capital Jorge Paulo Lemann, comprou US$ 1 milhão em ações da Restaurant Brands International. A rede é dona das redes de restaurantes Burger King, Popeyes e Tim Horton. As informações são do site da revista americana Barron’s.

De acordo com a publicação, Lemann comprou 15 mil ações da companhia – a maior compra por um corporate insider em muitos anos – em 18 de junho, dia em que foi eleito membro do conselho da companhia.

O preço médio por ação foi de US$ 67,15 e a compra foi feita por meio de uma companhia da qual ele é o único beneficiário, segundo documento entregue à Securities and Exchange Commission (SEC, a CVM americana).

Vale lembrar que a 3G Capital é dona de 30,8% do capital da QSR.

Negociada na Bolsa de Valores NYSE, em Nova York (EUA), a ação da Restaurant Brands International (QSR) apresenta alta de 6,1% em 2021, ante ganhos de 15,9% do S&P no mesmo período.

No Brasil, os papéis do Burger King Brasil (BKBR3) sobem 8,6% no ano até 2 de julho, enquanto o Ibovespa tem valorização de 6,9%.

De acordo com a Barron’s, Marc, como membro do conselho da empresa, não precisava ter feito uma compra tão grande, nem tão rápido.

As regras da QSR exigem que membros do conselho comprem ações da companhia no valor de cinco vezes sua remuneração fixa anual em um prazo de cinco anos após a eleição.

Quer trabalhar como assessor de investimentos? Entre no setor que paga as melhores remunerações de 2021. Inscreva-se no curso gratuito “Carreira no Mercado Financeiro”.

PUBLICIDADE

Lemann, sobre AB Inbev: depois da pandemia, que nos freou, vamos voltar a crescer

O empresário Jorge Paulo Lemann, acionista da AB Inbev, mostrou confiança na recuperação da empresa após o choque da covid-19.

“Depois da pandemia, que nos freou, vamos voltar a crescer”, declarou Lemann neste domingo, 7, em live com empresários. Ele ressaltou que a companhia vive processo de mudanças no conselho, como a substituição do CEO Carlos Brito. “Pessoas mais novas e modernas vão entrar”.

Lemann, contudo, fez uma espécie de mea culpa durante o evento virtual e evitou atribuir a perda de mercado da AB Inbev exclusivamente à crise econômica trazida pela covid-19.

“Nós ficamos confortáveis na posição em que estávamos. Não tínhamos as pessoas certas e não prestamos atenção ao mundo consumidor que se formava, com mais opções de escolha”, reconheceu. “Estamos em fase de adaptação a uma nova realidade. Empresas com muito sucesso tem dificuldades de se adaptar”, completou.

O ex-presidente Michel Temer participou da live e elogiou a atuação de Lemann dentro do empresariado brasileiro, que retribuiu o enaltecimento.

“Saudades do seu governo. As coisas funcionavam naquela época”, declarou o empresário, que hoje mora na Suíça.

Profissão Broker: série do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais estimulantes e bem remuneradas do mercado financeiro em 2021. Clique aqui para assistir

Trio da 3G reforça aposta de quarenta anos no varejo brasileiro

Carlos Alberto Sicupira, Jorge Paulo Lemann e Marcel Herrmann Telles (Divulgação)

(Bloomberg) — Jorge Paulo Lemann orquestrou algumas das maiores transações no setor de consumo de todos os tempos. Para sua próxima cartada, o bilionário volta à varejista que está no início dessa trajetória.

O trio por trás da 3G Capital Partners – Lemann e os sócios Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira – concordou em injetar mais recursos na Lojas Americanas (LAME4), que foi adquirida pelos três em 1982.

Lemann, Telles e Sicupira possuem participação de 40% na Lojas Americanas por meio de vários veículos de investimento, de acordo com documentos regulatórios. A varejista utilizará os recursos para investimentos em sua carteira digital Ame Digital e para capitalização da B2W (BTOW3). A expectativa é de que a oferta levante até cerca de R$ 8 bilhões. Lemann e os sócios vão acompanhar.

PUBLICIDADE

Nos níveis atuais, eles investiriam cerca de R$ 2 bilhões, mas a soma final dependerá dos resultados do processo de formação de preço que termina na terça-feira.

Lemann é a 60ª pessoa mais rica do mundo, com patrimônio líquido de US$ 18,4 bilhões, segundo o Índice de Bilionários Bloomberg. Mas o império de varejo do empresário sofreu alguns golpes nos últimos anos, já que a fusão que criou a Kraft Heinz não trouxe os resultados esperados. Até Lemann admitiu que seu “sonho grande” para a empresa acabou. O estilo de gestão da 3G, baseado mais em redução de custos do que em construção de marcas, não funcionou para a gigante de alimentos dos EUA.

A Lojas Americanas também enfrentou problemas nos últimos anos. A empresa possui participação de 61,4% na B2W, que não tem conseguido dar lucro e luta para competir com as rivais Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VVAR3). Ainda assim, investidores têm apostado nas ações da varejista na expectativa de uma virada: os papéis da B2W subiram 92% desde janeiro, o melhor desempenho no Ibovespa.

A Lojas Americanas disse que pode injetar até R$ 3 bilhões na B2W após a oferta, de acordo com o prospecto. Inicialmente, a Lojas Americanas planeja vender 80 milhões de ações com direito a voto e 100 milhões de papéis preferenciais, com a possibilidade de um lote suplementar de até 28 milhões de ações ordinárias e 35 milhões de preferenciais.

Lemann e outros acionistas controladores da empresa se comprometeram a subscrever a quantidade mínima da oferta de 65,7 milhões de ações com direito a voto, segundo os documentos. É uma estrutura semelhante a uma transação em 2017, quando Lemann também investiu na Lojas Americanas e, indiretamente, na B2W.

Os recursos da oferta “abririam o caminho para potenciais oportunidades de aquisições estratégicas para as duas companhias”, disse Pedro Fagundes, analista da XP Investimentos, em relatório na semana passada.

PUBLICIDADE

Os bancos que coordenam a oferta de ações são BTG Pactual, Bank of America, Itaú BBA, Bradesco BBI, Santander Brasil, Banco Safra, Goldman Sachs e Morgan Stanley.

Inscreva-se na EXPERT 2020 e acompanhe o maior evento de investimentos – Online e gratuito