Goldman Sachs: prata segue como metal preferido, apesar de pressões no mercado

(Bloomberg) — O rali da prata na segunda-feira nunca seria suficiente para liquidar as posições vendidas, uma vez que estas são garantidas por estoque físico, segundo o Goldman Sachs. Ainda assim, a prata continua sendo o metal precioso preferido do banco.

A prata atingiu a maior alta em oito anos impulsionada por investimentos em fundos de índice em detrimento de operadores de varejo.

O metal desde então devolveu a maior parte dos ganhos à medida que investidores realizavam lucro, mas os limites das posições e a ampla oferta física significam o tipo de pressão como a que aconteceu com as ações da varejista de videogames GameStop nunca daria resultado, disseram analistas do Goldman liderados por Jeffrey Currie.

“Embora algumas posições vendidas sejam especulativas e exijam cobertura antes do vencimento, a maioria é guiada por produtores industriais que fazem hedge de seus resultados futuros”, escreveram os analistas em relatório.

“Quando as posições vendidas de commodities são amplamente garantidas por estoques físicos reais, não haverá compra subsequente e nem ‘short squeeze’”, disse o banco sobre a pressão compradora para a liquidação de posições vendidas, ou que apostam na baixa.

Saiba mais:
Prata é último mercado atingido por furor de daytraders

O declínio da prata na terça-feira ecoa a queda em outras apostas populares entre usuários do Reddit, mas o Goldman mantém sua visão otimista para o metal precioso. O banco prevê que os preços subam para até US$ 33 a onça se o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, investir pesado em energia solar.

A recuperação da prata também destaca a crescente importância do populismo nos mercados e na política, disse o Goldman. Isso deve incentivar políticas mais expansionistas à medida que os governos abordam “necessidades sociais”, uma tendência que sustenta a perspectiva otimista do banco para as commodities.

PUBLICIDADE

Quer ser trader e tem medo de começar? O InfoMoney te ajuda a chegar lá: participe do Full Trader, o maior projeto de formação de traders do Brasil e se torne um faixa preta em 3 meses – inscreva-se de graça!

Prata é último mercado atingido por furor de daytraders

Silver (alexis84/ Getty Images)

(Bloomberg) — Os investidores do fórum Reddit descobriram a prata e mineradoras de prata, ETFs e o preço real do metal físico dispararam nesta quinta-feira.

A prata à vista subiu até 6,8%, o maior salto desde agosto. O IShares Silver Trust, maior instrumento negociado em bolsa lastreado no metal, subiu até 7,2%, o maior ganho intradiário desde agosto.

“A mania GameStop/AMC/Reddit está se espalhando para a prata e impulsionando o ouro”, disse Bob Haberkorn, estrategista sênior de mercado da RJO Futures, por telefone. “Isso não se baseia em nenhum evento global, são apenas pessoas trocando mensagens e colocando todas as suas armas nos mercados de metais preciosos.”

A First Majestic Silver Corp., citada como alvo no fórum, disparou até 39% em Nova York em meio a um frenesi de investidores alimentado em salas de bate-papo da internet.

Os mercados de opções subiram, com os operadores vendo amplos spreads de compra/venda nos contratos de ETF e Comex.

Os investidores estão procurando comprar opções de prata por meses, de acordo com Haberkorn. “Estamos vendo aumentos de preços inacreditáveis em opções que normalmente não valeriam nada neste momento”, disse ele.

Quer ser trader e tem medo de começar? O InfoMoney te ajuda a chegar lá: participe do Full Trader, o maior projeto de formação de traders do Brasil e se torne um faixa preta em 3 meses – inscreva-se de graça!

2021 marca início de novo boom das commodities, mas risco político no Brasil é ameaça, dizem analistas

SÃO PAULO — O ano passado foi um pesadelo para algumas delas, mas para 2021 há uma expectativa de uma volta por cima das commodities no cenário global. Pelo menos é o que dizem analistas, que apostam suas fichas na retomada dos preços diante do cenário de maior demanda e menor oferta.

Um levantamento da gestora Crescat Capital apontou que a relação entre as commodities e o mercado de ações globais está em seu menor nível desde a década de 1970 (veja o quadro abaixo) — e, na visão do gestor Otávio Costa, o início de uma trajetória ascendente é iminente.

“Há oportunidades na área de commodities. A gente achou que o início desse movimento seria principalmente nos metais preciosos e mineradoras. No gráfico, vimos recentemente as commodities começando a quebrar uma resistência de 12 anos”, disse.

O gestor da Crescat afirmou que será um “ponto de inflexão” para o mercado. “Vai mudar bastante as coisas, principalmente as ações com valorização absurda como as do setor de tecnologia, por exemplo. As commodities continuam sendo a bola da vez este ano. Um movimento que começou no fim do ano passado.”

Em 2020, a pandemia de coronavírus reduziu a produção de metais preciosos diante da queda da demanda global. Com isso, houve uma redução dos estoques e um posterior aumento de preços, que segundo analistas deve se manter nos próximos anos já que a demanda vai voltar rapidamente conforme as pessoas forem vacinadas contra a Covid-19 e o ritmo de aumento de produção é mais lento que isso.

Onde Investir 2021
Baixe de graça o ebook do InfoMoney com tudo o que você precisa saber para investir no ano da retomada:

O preço do ouro negociado na B3 subiu cerca de 56% em 2020 (veja o ranking das aplicações financeiras no ano passado), enquanto isso o da prata subiu em torno de 45% no mesmo período. Já o barril de petróleo Brent, negociado em Londres, caiu 24%, enquanto o petróleo WTI, cotado em Nova York, cedeu em torno de 21% no período.

Os contratos futuros de petróleo chegaram a ter preço negativo nos Estados Unidos ao longo do ano — conforme os produtores praticamente pagavam para não terem que estocar mais commodity. Vale lembrar que a demanda global por petróleo afundou no auge da pandemia, em meados de março e abril de 2020, conforme as medidas de restrição de circulação de pessoas foram adotadas no mundo todo, causando cancelamento de voos e fechamento de fronteiras.

PUBLICIDADE

“O petróleo pode ser um dos melhores ativos do ano em investimentos”, disse Costa. “O que a gente viu em 1919 depois da Peste Negra foi também um problema em que as commodities se tornaram praticamente uma raridade. Houve uma força inflacionária por causa do aumento nos preços das commodities”, completou.

“Com essa liderança democrata nos Estados Unidos isso deve dar ainda mais suporte para o mercado de commodities. (…) A demanda por commodities vai voltar com a oferta restrita. Isso vai causar uma explosão nos preços, principalmente metais preciosos e petróleo. A gente viu ouro subindo já, prata subindo também, mas a gente ainda não viu o petróleo subindo ainda. Vai acontecer”, concluiu.

Luiz Eduardo Portella, sócio da Novus Capital, acredita que o mundo pode entrar num ciclo de alta de commodities e emergentes, como vimos entre 2001 até 2009. “Nos últimos dez anos, tivemos só Bolsas americanas outperformando e os emergentes patinaram nesse período. Vemos uma inversão dessa tendência agora nos próximos anos”, disse.

“Essa crise da Covid fez com que o excesso de capacidade que tinha em alguns mercados zerasse. Todo mundo vai ter que recompor os estoques, iniciar um ciclo de produção industrial forte no mundo que vai durar ainda bastante tempo. Com a introdução da vacina, o setor de serviços, que puxou muito a atividade para baixo, vai voltar a andar”, avaliou.

Portella ponderou, no entanto, o risco político. Ele citou a votação para presidência da Câmara e que ambos os candidatos são reformistas. “Até as próximas eleições em 2022, estamos tranquilos com o teto. Fazendo reformas, a gente consegue surfar essa onda positiva global. Podemos fechar o ano de 2021 com o Ibovespa acima dos 140 mil”, finalizou.

Na visão de Felipe Taylor, gestor de ações da MAG Investimentos, em 2021 vai haver uma troca de liderança importante nos setores que puxaram as economias, conforme a população global vai sendo vacinada e a vida vai voltando “ao normal”, criando espaço para crescimento de lucros de empresas que estão mais expostas à retomada econômica.

“Em 2020, quem cresceu foram os negócios que conseguiram desempenhar bem mesmo na crise, como o setor de tecnologia, que se beneficiou de mais pessoas ficando em casa e trabalhando de casa. As empresas de tecnologia, de internet, que foram destaque em 2020, não têm valuations que gerem desconforto, devem continuar performando bem, mas não devem voltar a ser destaque em 2021”, disse.

“Esse papel deve ficar com as empresas de commodities de maneira geral, o setor petroleiro, que foi uma indústria que apanhou bastante no ano passado, e tudo relacionado a turismo, como empresas aéreas. Vão entregar nos próximos dois anos crescimento de lucro expressivo, especialmente porque a base de comparação ficou baixa”, completou.

PUBLICIDADE

No acumulado de 2021, até o momento, o barril de petróleo Brent já subiu 10,5% em Londres, enquanto o barril WTI registra alta de 10,3% em Nova York.

PROCURA-SE: Profissionais de todas as formações estão migrando para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Entenda como fazer o mesmo nesta série gratuita do InfoMoney!