Ações de B3 caem 7%, Via tem baixa de 8%, Ultrapar desaba mais de 10% e outras reações a balanços; Qualicorp segue em forte queda

SÃO PAULO – A temporada de balanços segue sendo destaque entre as principais reações na sessão desta quinta-feira (12).

Entre as ações do Ibovespa, Hapvida (HAPV3) avança mais de 3% após o resultado, enquanto Locaweb (LWSA3) zerou os ganhos após abrir em alta.

Já as baixas são mais expressivas, com Ultrapar (UGPA3) caindo mais de 10% depois de resultados considerados fracos, enquanto Via Varejo (VVAR3) tem baixa de cerca de 8%.

A B3 (B3SA3) tem queda de cerca de 7% de suas ações. O resultado foi considerado positivo, com lucro recorrente de R$ 1,23 bi (versus R$ 1,15 bilhão do consensus Eikon), mas algumas contingências desagradaram o mercado.

A companhia informou que, de acordo com a recomendação de seus consultores jurídicos, revisou de “remoto” para “possível” o prognóstico de perda de uma contingência legal. Ele se refere ao caso oriundo da BM&F, relacionado a supostos prejuízos por conta de transações realizadas pelo Banco Central em janeiro de 1999 no mercado futuro de dólar. O valor atual da contingência é de R$ 31,212 bilhões, “que possivelmente poderá ser deduzido dos ganhos que o Banco Central obteve em razão da não utilização de reservas internacionais e dos seus efeitos tributários”.

Os ativos da Copel (CPLE6) também caem forte, mais de 4%, após o balanço, enquanto JBS (JBSS3) tem perdas menos significativas, por volta de 2%, e Azul (AZUL4) cai 1,5%.

Fora do Ibovespa, Aeris (AERI3) reage mal ao pós-balanço, caindo cerca de 8%, enquanto Simpar (SIMH3) avança cerca de 2%. A Iochpe-Maxion (MYPK3), por sua vez, avança cerca de 4% na esteira de resultados positivos.

Já a Qualicorp (QUAL3), que divulgou seus resultados na véspera e viu as ações caírem mais de 15%, segue em baixa, de mais de 6%. A ação companhia teve a recomendação reduzida pelo Credit Suisse para neutra. Nesta manhã, ela anunciou a aquisição da totalidade do Grupo Elo por R$ 129,5 milhões.

A companhia também assinou um acordo de direitos de comercialização com a Seguros Unimed e a Central Nacional Unimed (CNU), pelo qual pagará R$ 45 milhões e possibilitará a venda de diversos produtos das duas operadoras de saúde. Para o Credit Suisse, a compra foi prematura, uma vez que a companhia teve fluxo de caixa negativo.

PUBLICIDADE

Depois do fechamento, a temporada segue bastante movimentada. Entre outros balanços, serão divulgados os do Magazine Luiza (MGLU3), Americanas (AMER3), Renner (LREN3), BRF (BRFS3) e Cyrela (CYRE3).

Além da temporada, atenção para a Americanas (AMER3). As ações sobem entre 1% e 2% após anunciar um acordo para comprar 100% da rede de hortifruti Natural da Terra por um total de R$ 2,1 bilhões. Esse é mais um avanço do grupo em um segmento considerado estratégico por impulsionar a recorrência de compras online.

Ainda no radar, a Minerva (BEEF3) prestou esclarecimentos ao mercado e negou que pretende fechar capital. As ações caem forte, chegando a ter baixa de mais de 8%. Confira os destaques:

O frigorífico JBS registrou lucro líquido de R$ 4,4 bilhões no segundo trimestre deste ano, uma alta de 29,7% em relação ao mesmo período de 2020, o maior lucro trimestral da história da companhia.

O desempenho no período foi impulsionado, segundo a empresa, pelo desempenho das operações na América do Norte.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado também foi recorde, em R$ 11,7 bilhões, uma alta de 10,3% na comparação anual.

Já a receita líquida consolidada teve alta de 26,7%, para R$ 85,6 bilhões entre abril e junho deste ano.

O Credit Suisse mantém uma visão positiva sobre a JBS, afirmando que seu ritmo operacional deve continuar sólido. A USA Beef da JBS deve se beneficiar da oferta favorável de gado, diz o banco. O Credit mantém preço-alvo de R$ 45, frente à cotação de quinta de R$ 33,01.

PUBLICIDADE

Veja mais sobre o balanço clicando aqui.

A operadora da Bolsa brasileira, B3 apresentou lucro líquido recorrente de R$ 1,231 bilhão no segundo trimestre, uma alta de 21,6% sobre os R$ 1,012 bilhão de lucro registrados um ano antes. Na comparação com o primeiro trimestre houve uma queda de 7,9%.

O resultado foi puxado pela forte atividade dos mercados brasileiros de ações e de dívida, fazendo com que a companhia superasse as projeções dos analistas consultados pela Refinitiv, que, na média, esperavam lucro de R$ 1,19 bilhão.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) recorrente registrou alta de 30,6% em um ano, para R$ 1,853 bilhão entre abril e junho deste ano, com a margem Ebitda indo para 80,9%, avanço de 6,58 pontos percentuais.

Enquanto isso, a receita líquida da companhia ficou em R$ 2,417 bilhões, valor 26,7% maior que os R$ 2,129 bilhões apresentados no segundo trimestre de 2020, e praticamente estável na comparação trimestral.

O Itaú BBA comentou os resultados divulgados pela B3, que revisou o risco de classificação de uma contingência legal como entre remoto para possível. A contingência está ligada a um processo em que a B3 é acusada de supostamente causar perdas ao Tesouro brasileiro em operações no mercado futuro em dólar conduzidas pelo Banco Central em 1999. O Itaú ressalta que a empresa recebeu em 2012 uma decisão desfavorável do STJ. E recentemente o MPF apresentou uma opinião adversa que deverá ser considerada pela decisão do STJ, o que levou a B3 a reclassificar o risco. O banco diz que o valor atualizado da contingência é de R$ 31,2 bilhões.

O banco avalia que essa questão não estava no radar dos investidores, e diz que busca mais detalhes junto à gestão. Assim, o banco espera que o anúncio pese sobre a cotação da empresa nesta quinta, apesar de bons resultados trimestrais, mas manteve a recomendação em outperform e o preço-alvo para 2021 em R$ 22.

Clique aqui para ver outros detalhes do balanço.

PUBLICIDADE

A companhia de papel e celulose Suzano registrou lucro líquido de R$ 10,036 bilhões no segundo trimestre deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 2,052 bilhões apresentados um ano antes.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado, por sua vez, teve uma alta de 42% na comparação anual, para R$ 5,941 bilhões. Segundo a companhia, o resultado foi recorde nessa linha.

Analistas, porém esperavam que a Suzano reportasse Ebitda de R$ 6,66 bilhões, em média, segundo dados da Refinitiv.

Já a receita líquida de vendas da empresa ficou em R$ 9,844 bilhões entre abril e junho, um avanço de 23% ante os R$ 7,995 bilhões registrados um ano antes.

Para ver mais do resultado, clique aqui.

Via Varejo (VVAR3)

A Via Varejo registrou alta de 103% em seu lucro líquido do segundo trimestre na comparação com o mesmo período de 2020, para R$ 132 milhões, sustentada pelo forte crescimento no comércio eletrônico por conta do isolamento social.

A companhia, dona das redes Casas Bahia e Ponto, teve receita bruta no conceito GMV de R$ 11,4 bilhões, um avanço de 51% ante o segundo trimestre do ano passado.

Segundo a empresa, cerca de 65% do GMV deveu-se às vendas digitais, que corresponderam a cerca de R$ 7,5 bilhões, incremento de 35,7% na base anual.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado ficou em R$ 485 milhões, queda de 12,6% em um ano, com a margem recuando 4,4 pontos, para 6,2%.

O Itaú BBA avalia os resultados da Via Varejo, dona da Casas Bahia, como sólidos e dentro do esperado. O volume bruto de mercadorias (GMV em inglês) cresceu impulsionado pela reabertura de lojas físicas e forte desempenho das vendas on-line. A empresa teve alta de 47% em gastos gerais, administrativos e com serviços, por conta de maior esforço com marketing. O banco mantém recomendação outperform e preço-alvo para 2022 de R$ 16,50.

O Bradesco BBI apontou que a Via mostra um momento de crescimento em várias áreas de negócios, incluindo 3P, logística e serviços financeiros, bem como pontuações de atendimento ao cliente. A principal conclusão positiva é que a GMV de mercado está agora se acelerando e isso tem um papel estratégico importante – preencher a lacuna de variedade em relação aos concorrentes.

O crescimento em “novas” categorias será fundamental para que a Via continue a ganhar participação no mercado, e
ter uma operação de mercado escalável é claramente um elemento-chave disso. Na área de logística, 65% das entregas estão sendo feitas em 48 horas, o que coloca a Via em linha com seus três principais concorrentes no Brasil, mostrando que houve um catch up (redução do gap) significativo nos últimos dois anos.

“O único ponto fraco nos resultados foi a margem Ebitda, que veio 0,80 p.p abaixo do estimado pelo BBI e 1,00 p.p abaixo do consenso da Bloomberg. Parece que um dos motivadores disso foram as provisões mais altas no setor de serviços financeiros”, avaliam os analistas, que possuem recomendação neutra antes de uma revisão completa.

Veja mais sobre o resultado clicando aqui.

A Locaweb registrou lucro líquido ajustado de R$ 23,7 milhões no segundo trimestre, alta de 87,7% ante o mesmo período de 2020, com aumento de receita e melhora do resultado financeiro.

A receita operacional líquida da empresa especializada em hospedagem de sites e computação em nuvem somou R$ 184,3 milhões, alta de 57,1%, com o segmento commerce registrando um salto de 159,3% na receita, para R$ 84,8 milhões.

O resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 900 mil, montante bem abaixo da despesa líquida de R$ 3,9 milhões um ano antes, beneficiado pela receita financeira com o follow-on em meados de fevereiro.

O Ebitda ajustado cresceu 28,8%, para R$ 41,3 milhões, mas a margem Ebitda ajustada caiu de 27,3% para 22,4% na mesma comparação.

A companhia atribuiu o declínio na margem, principalmente, à consolidação dos resultados das empresas adquiridas, que possuem margem Ebitda inferior às apresentadas no grupo.

O Bradesco BBI destacou que a composição dos resultados está acima de sua expectativa, com o segmento de comércio ganhando relevância em um ritmo mais rápido do que o esperado. O banco acredita que o mercado tomará os resultados da Locaweb como positivos, por conta da continuidade do crescimento das receitas e novas aquisições indicando sinais positivos.

O Bradesco reforçou sua avaliação outperform (perspectiva de crescimento acima da média do mercado) para a empresa, que é sua escolha preferida no setor de tecnologia, e preço-alvo para 2022 de R$ 37.

A Oi apresentou lucro líquido de R$ 1,139 bilhão no segundo trimestre de 2021, revertendo o prejuízo de R$ 3,409 bilhões em igual intervalo de 2020.

O Ebitda de rotina somou R$ 1,284 bilhão, recuo de 5,5% na mesma base de comparação. A margem Ebitda baixou 0,6 ponto porcentual, para 29,3%. A receita líquida totalizou R$ 4,389 bilhões, queda de 3,4%.

O encolhimento do Ebitda foi explicado principalmente pela redução da receita, em especial no segmento móvel pré-pago, que compõe as receitas de operações descontinuadas (estão sendo vendidas para o grupo Vivo, Claro e TIM), e no segmento corporativo.

O que ajudou a Oi a voltar para o azul de fato foi o efeito do resultado financeiro no balanço, ficando positivo em R$ 1,199 bilhão ante um dado negativo de R$ 3,127 bilhões um ano antes.

Segundo a operadora, esse resultado positivo veio graças à valorização do real sobre o dólar no trimestre, o que ajudou turbinar as linhas de “resultado cambial líquido” e “amortização do ajuste a valor justo”. Já nos trimestres anteriores, houve desvalorização do real, afetando negativamente o balanço.

Ainda dentro do resultado financeiro, a companhia reportou uma queda expressiva, de 85%, nas suas despesas financeiras, que nos trimestres anteriores havia sido maior devido ao aditamento do processo de recuperação judicial.

Ultrapar (UGPA3)

A Ultrapar registrou lucro líquido ajustado de R$ 290 milhões no segundo trimestre, resultado que não inclui o efeito de uma baixa contábil realizada na rede de farmácias Extrafarma, que teria levado a um prejuízo de R$ 18 milhões.

A companhia afirmou no balanço que baixa contábil na Extrafarma registrada no segundo trimestre foi de R$ 395 milhões, sem efeito caixa. O grupo acertou a venda da rede de farmácias para a Pague Menos em maio, por R$ 700 milhões.

Analistas, em média, esperavam que a Ultrapar apurasse lucro ajustado de R$ 329,6 milhões, segundo dados da Refinitiv.

O resultado operacional recorrente medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou em R$ 898 milhões no segundo trimestre.

O valor recorrente, que não inclui o impairment da Extrafarma, representa um crescimento de 50% sobre o segundo trimestre do ano passado. Incluindo o efeito, o Ebitda cai para R$ 503 milhões, recuo de 18% ano a ano.

Após o resultado, considerado fraco pelo BBI, o banco reduziu a recomendação para neutra, cortando o preço-alvo de R$ 26 em 2021 para R$ 21 para 2022.

“Embora a indústria tenha sido impactada pelas medidas de restrição e aumento do preço do combustível da Petrobras no trimestre, a perda na Ipiranga foi significativamente maior quando comparada ao segundo trimestre de 2021 do seu concorrente. Como resultado, não acreditamos mais que nossa curva de margem anterior para a Ipiranga seja alcançável, por isso reduzimos as margens futuras e aproveitamos para incorporar taxas de juros mais altas no Brasil. No geral, nossa perspectiva de lucro diminuiu”, avaliam.

Além do resultado abaixo do esperado, os analistas veem direcionadores limitados de curto prazo. Embora a venda da Oxiteno seja amplamente esperada pelo mercado, uma potencial aquisição da REFAP pode representar um fluxo de notícias negativo.

A construtora MRV fechou o segundo trimestre deste ano com lucro líquido de R$ 203 milhões, uma alta de 86,1% sobre o mesmo período de 2020 e 48,5% maior que os três primeiros meses deste ano.

Segundo a companhia, a melhora do lucro refletiu o mercado imobiliário ainda aquecido no Brasil, além de uma melhora na linha “outras receitas (despesas) operacionais”, que ficou positiva em R$ 56 milhões, ante R$ 31 milhões negativos um ano antes.

Já a receita líquida da companhia ficou em R$ 1,82 bilhão, uma alta de 9,7% na comparação anual. Por outro lado, a margem bruta caiu 2,8 pontos percentuais, para 25,4%, o que a companhia atribuiu ao forte aumento de custo com matérias-primas.

Clique aqui e veja outros números do resultado.

Moura Dubeux (MDNE3)

A Moura Dubeux teve lucro líquido de R$ 26 milhões no segundo trimestre de 2021, ante prejuízo líquido de R$ 95 milhões registrado no segundo trimestre de 2020.

Já a receita líquida teve alta de 167%, para R$ 155 milhões.

A Hapvida informou na quarta lucro líquido ajustado de R$ 269,8 milhões de abril a junho, queda de 29,5% ante a mesma etapa de 2020.

Já o lucro líquido foi de R$ 104,6 milhões no segundo trimestre de 2021, queda de 62,5% ante o mesmo período do ano passado.

A receita líquida do Hapvida atingiu R$ 2,402 bilhões no intervalo entre abril e junho, alta anual de 15,7%. A sinistralidade total atingiu 70,7% no trimestre, representando avanço de 16,2 pontos porcentuais em relação ao período em 2020. A sinistralidade caixa atingiu 66,6%, crescimento de 14,2 pontos porcentuais.

O número de beneficiários de planos de saúde ao fim do junho apresentou crescimento de 16,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior, totalizando 4,084 milhões. Entre os planos odontológicos, houve crescimento de 12,5%, para R$ 3,113 milhões.

O Itaú BBA avaliou os resultados da Hapvida no segundo trimestre como neutros, com Ebitda ajustado de R$ 312 milhões, queda de 49% na comparação anual, e 9% abaixo da expectativa do banco. As adições líquidas de usuários ficaram levemente acima da expectativa do Itaú, e as receitas, em linha com as expectativas. A margem Ebitda contraiu 7,1 pontos percentuais no trimestre e 16,3 pontos percentuais no ano. O banco mantém avaliação outperform para a Hapvida, e preço-alvo para 2021 de R$ 17.

SulAmérica (SULA11)

A SulAmérica registrou lucro líquido das operações continuadas de R$ 29,6 milhões no segundo trimestre, queda de 92,6% em relação ao mesmo período do ano passado, por conta da maior sinistralidade nos segmentos de saúde e vida, refletindo o número ainda elevado de casos de Covid e mais procedimentos eletivos.

A sinistralidade consolidada subiu para 85,8% no período de abril a junho, de 69,1% um ano antes, com a taxa em vida e acidentes pessoais passando de 55,8% para 90,6%.

Tal resultado, segundo a SulAmérica, refletiu o ainda elevado volume de casos de Covid-19 e frequência de procedimentos eletivos mais próxima à normalidade no segmento de saúde, além do maior número de óbitos relacionados à pandemia.

As receitas operacionais totais cresceram 8,6% ano a ano, para R$ 5,2 bilhões, enquanto o Ebitda ajustado ficou negativo em R$ 32,5 milhões, ante resultado positivo de R$ 610,8 milhões um ano antes.

No trimestre, houve adição de mais de 503 mil beneficiários em planos coletivos de saúde e odonto (+13,6%) na comparação com o segundo trimestre de 2020, atingindo 4,2 milhões de segurados.

Caixa Seguridade (CXSE3)

A Caixa Seguridade, holding de seguros da Caixa Econômica Federal, registrou lucro líquido recorrente de R$ 426,6 milhões no segundo trimestre deste ano, cifra 8,3% maior em relação há um ano. Se comparado com os três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi recorde para o período, foi identificada baixa de 1,2%.

O crescimento observado no comparativo ano a ano foi ancorado sobretudo na elevação das receitas de corretagem. No acumulado do primeiro semestre, o crescimento foi de 6,2% frente ao mesmo período do ano anterior. “O resultado reflete a recuperação das receitas operacionais, que foram expressivamente impactadas no primeiro semestre de 2020 pela primeira onda da Covid-19 e pelo foco da rede Caixa no pagamento do auxílio emergencial naquele período”, explicou a companhia, em nota.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês) da Caixa Seguridade foi de 38,7% no segundo trimestre contra 42,9% no primeiro. Há um ano, quando ainda tinha capital fechado, sua rentabilidade era de 30,7%. “A variação entre 2020 e 2021 é devida à performance positiva do lucro líquido do primeiro trimestre, que reforça o numerador do indicador, e à redução do patrimônio líquido, proveniente do pagamento de dividendos, sensibilizando o denominador do ROE”, pontuou a empresa.

A receita operacional da Caixa Seguridade foi a R$ 541,5 milhões no segundo trimestre deste ano, avanço de 16,5% na comparação com a cifra vista em idêntico intervalo de 2020. O desempenho dos negócios de distribuição, formado pelas receitas de acesso à rede e uso da marca (BDF), e agora também pelas receitas da Caixa Corretora, somou R$ 214,3 milhões neste trimestre, crescimento de 36,4% comparativamente ao segundo trimestre de 2020.

O grupo Simpar, que controla empresas como JSL e Movida, registrou lucro líquido recorde de R$ 391,8 milhões no segundo trimestre, alta de 186,4% na comparação anual.

Assim como o resultado líquido, o Ebitda também foi recorde de abril a junho, alcançando R$ 965 milhões, avanço de 105,1% sobre igual intervalo do ano passado. A margem Ebitda foi de 39,6% no segundo trimestre de 2021, aumento de 4,3 pontos porcentuais na mesma base de comparação.

No segundo trimestre, a receita líquida do grupo atingiu R$ 3,14 bilhões, aumento de 43,3% sobre o mesmo período do ano passado. Do total reportado no período, R$ 2,43 bilhões foram provenientes de serviços e, o restante, de venda de ativos.

O Itaú BBA avaliou os resultados relativos ao segundo trimestre divulgados pelo Itaú BBA como sólidos. O banco ressalta que a relação entre dívida líquida e lucro Ebitda foi reduzida de 3,7 vezes no primeiro trimestre para 3,3 vezes no segundo.

Na divisão CS Brasil o Ebitda subiu 14% no trimestre e 24% na comparação anual, impulsionado por desempenho forte nas divisões de Seminovos e GTF. A receita líquida cresceu 7% no trimestre e 74% na comparação anual. O banco diz que fusões e aquisições e novos contratos fazem com que o grupo mantenha uma visão positiva sobre as perspectivas no futuro. O banco mantém avaliação outperform para a Simpar e preço-alvo para 2021 de R$ 12,80.

A petroleira Enauta reportou na noite de quarta-feira lucro líquido de R$ 635,7 milhões no segundo trimestre de 2021, salto de 464,2% na comparação anual e maior resultado da história da companhia, puxado pela incorporação de uma fatia adicional de 50% no Campo de Atlanta, no valor de 542,1 milhões de reais.

O lucro líquido obtido no período, que também reverte prejuízo de R$ 15,8 milhões visto no primeiro trimestre deste ano, ainda refletiu aumento do resultado operacional, principalmente no Campo de Atlanta, disse a companhia.

Segundo a empresa, o Ebitda alcançou R$ 1,067 bilhão no período, alta de 241,7% em relação à mesma etapa de 2020, também influenciado pela incorporação da participação adicional em Atlanta.

A receita líquida da Enauta no segundo trimestre apresentou aumento de 43,3% em comparação anual, a R$ 349,4 milhões, puxada por um salto de 300% na receita do Campo de Manati e pela alta do petróleo Brent, enquanto a posição de caixa líquido avançou em 27,3%, para 2,03 bilhões de reais.

A dívida líquida da empresa cresceu 35,1%, para R$ 1,84 bilhão, com a alavancagem medida pela relação entre dívida líquida e Ebitdax (Ebitda + despesas de exploração com poços secos ou subcomerciais) atingindo 1,2 vez, versus 1,4 vez ao final do segundo trimestre do ano passado.

Em termos operacionais, a Enauta reportou produção total de 1,56 milhão de barris de óleo equivalente, alta de 8,7% no ano a ano, com um salto de 211,4% na produção de gás compensando queda de 42,1% no bombeamento de petróleo.

A empresa ainda comunicou revisão na projeção de produção do Campo de Atlanta em 2021, que passou de 7 mil para 10 mil barris de óleo por dia, com margem de variação positiva ou negativa de 10%, após a incorporação dos 50% adicionais da Enauta em Atlanta.

O Morgan Stanley destaca que o Ebitda da Enauta no segundo trimestre ficou 7,5% acima de sua expectativa por conta de preços maiores do petróleo, que foram apenas parcialmente ofuscados por custos mais altos e despesas gerais e administrativas (SG&A na sigla em inglês).

O banco diz que está monitorando com as operações em Atlanta, nos Estados Unidos, que deve se tornar o único ativo operacional da Enauta após a Barra Energia não conseguir encontrar compradores de sua participação de 50% no campo. O Morgan Stanley mantém recomendação equal-weight (perspectiva de valorização dentro da média do mercado) e preço-alvo de R$ 17,50.

Aliansce Sonae (ALSO3)

A administradora de shoppings Aliansce Sonae registrou lucro atribuível aos acionistas controladores de R$ 56,7 milhões, alta de 58,7% na base de comparação anual. Levando em conta os resultados a acionistas não controladores, o lucro líquido foi de R$ 68,3 milhões, alta de 22,6%.

A receita líquida subiu 25,6%, para R$ 216,4 milhões. A receita bruta de aluguel e serviços teve alta de 25,4%, para R$ 227,4 milhões.

A Azul reportou nesta quinta-feira lucro líquido de R$ 1,16 bilhão para o segundo trimestre, revertendo prejuízo de R$ 1,62 bilhão sofrido um ano antes, ajudado pela aceleração da vacinação no Brasil e efeito cambial.

A receita líquida total cresceu quatro vezes no período, para R$ 1,7 bilhão, enquanto o total de custos e despesas operacionais subiu 72,1%, para 2,1 bilhões de reais, refletindo a retomada de voos conforme medidas de isolamento social são retiradas.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou negativo em R$ 50,9 milhões, ante resultado negativo de R$ 324,3 milhões um ano antes.

A Azul registrou um ganho não-monetário em moeda estrangeira de R$ 2,3 bilhões no período, principalmente devido à apreciação do real em relação ao dólar, resultando em uma diminuição nas dívidas denominadas em moeda estrangeira.

Iochpe-Maxion (MYPK3)

A Iochpe-Maxion teve lucro de R$ 214,8 milhões no segundo trimestre deste ano, ante prejuízo de R$ 352,3 milhões registrado no mesmo período de 2020.

A receita líquida teve forte alta de 171,7% no comparativo trimestral, para R$ 3,18 bilhões.

O Itaú BBA avaliou os resultados apresentados pela Iochpe Maxion como positivos. O crescimento do Ebitda ajustado ficou em 9% na comparação trimestral.

A relação entre dívida líquida e lucro Ebitda foi de 5,7 vezes no primeiro trimestre para 2,7 vezes.

O banco diz que os volumes parecem estar se recuperando junto com a demanda global, mas a falta de componentes na indústria automotiva prejudica a produção o que, junto a um câmbio menos favorável, contribui para explicar o faturamento bruto estável na comparação trimestral. O banco mantém recomendação market perform (perspectiva de valorização dentro da média do mercado), com preço-alvo para 2021 em R$ 19.

Banco Inter (BIDI11)

O Banco Inter mais do que dobrou sua carteira de empréstimos no segundo trimestre, refletindo o foco do banco em expansão enquanto avança nos planos de listagem na Nasdaq até o início de 2022.

O grupo, que mescla operações de banco e marketplace, anunciou nesta quarta-feira que fechou junho com estoque de crédito ampliado de R$ 13,3 bilhões, 118% maior em 12 meses.

Ano a ano, as receitas com crédito evoluíram 87,1%, para R$ 331,4 milhões, representando cerca de 50% das receitas totais. O índice de inadimplência acima de 90 dias ficou em 2,82%, queda de 1,4 ponto percentual contra um ano antes.

A receita bruta total de vendas (GMV) no trimestre cresceu 531%, para R$ 774,4 milhões, alcançando R$ 1,45 bilhão no semestre. A previsão do Banco Inter é de que no acumulado de 2021, o GMV atinja R$ 3,5 bilhões.

O banco teve lucro líquido de R$ 18,2 milhões de abril a junho, alta de 579% sobre um ano antes. No entanto, a rentabilidade sobre o patrimônio líquido ficou em apenas 0,8%, diante do foco do banco no momento de crescimento.

A elétrica paranaense Copel registrou lucro líquido de R$ 1 bilhão no segundo trimestre, queda de 37% na comparação anual, principalmente pelos efeitos da decisão judicial que excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins no mesmo período do ano passado.

O resultado líquido divulgado na noite de quarta-feira inclui efeitos de operações descontinuadas, como a Copel Telecom. Sem ele, teria caído mais, para R$ 957 milhões.

No período, a Copel registrou a conclusão do desinvestimento da Copel Telecom, no valor de R$ 2,5 bilhões, que já foi transferido para a companhia, mas que será reconhecido contabilmente no terceiro trimestre, no montante de R$ 1,2 bilhão.

O indicador de geração de caixa Ebitda ajustado (excluídos os itens não recorrentes) atingiu R$ 1,43 bilhão no segundo trimestre, montante 47,1% superior ao visto no mesmo período do ano passado, principalmente pela comercialização de 507 GWh de energia produzida pela UTE Araucária.

Incluindo todos os fatores, o Ebitda caiu 12,1%, para R$ 1,5 bilhão.

A Copel ainda viu aumento da receita de disponibilidade da rede elétrica (TUSD/TUST), com o crescimento de 12,2% do mercado fio da distribuidora e do aumento na remuneração sobre ativos de transmissão decorrente da maior inflação e da revisão tarifária periódica aplicada aos contratos de transmissão.

A transmissora de energia Taesa registrou lucro líquido de R$ 697,9 milhões no segundo trimestre de 2021, alta de 50,3% ante igual período do ano passado, impulsionado principalmente pelo aumento de índices maecroeconômicos como o IGP-M.

A companhia, que tem a mineira Cemig e a colombiana Isa entre os principais acionistas, também reportou Ebitda regulatório de R$ 331,1 milhões, avanço de 4,5% na comparação anual.

Segundo a empresa, os maiores índices macroecônomicos no período, com destaque para a inflação medida pelo IGP-M, tiveram efeito positivo de 363,1 milhões de reais, refletindo na receita de correção monetária, além disso de terem levado a um aumento de 89,5% na equivalência patrimonial.

Equatorial Energia (EQTL3)

A Equatorial Energia, informou na quarta-feira lucro líquido ajustado de R$ 447 milhões no segundo trimestre de 2021, alta de 15,4% em relação a igual período do ano passado.

O Ebitda ajustado somou R$ 1,223 bilhão no período, avanço de 42,7% na comparação anual, impulsionado pelo segmento de distribuição.

Guararapes (GUAR3)

A Guararapes, dona da Riachuelo, teve lucro líquido de R$ 46,1 milhões no segundo trimestre, ante o prejuízo de R$ 296,2 milhões um ano antes.

O Ebitda ajustado foi a R$ 204,3 milhões no segundo trimestre, ante prejuízo operacional de R$ 291 milhões em igual intervalo de 2020.

Já a receita líquida consolidada no trimestre subiu  88,8% na base de comparação anual, para R$ 1,6 bilhão.

O Itaú BBA classificou os resultados da Guararapes como em linha com suas estimativas. A divisão de varejo continuou a se recuperar, diz o banco, que ressalta que a margem Ebitda continua abaixo do nível pré-pandemia por conta de investimentos na operação digital. As vendas em mesmas lojas (SSS na sigla em inglês) subiram 8,3% em julho em relação ao mesmo período de 2019, antes dos efeitos da pandemia, e a receita líquida de R$ 1,3 bilhão no segundo trimestre representa alta de 2,4% frente ao mesmo período de 2019.

A Eletrobras obteve lucro líquido de R$ 2,5 bilhões no segundo trimestre do ano, alta de 439% na comparação anual. O lucro líquido recorrente, que considera ajustes não mencionados nos destaques, teve alta de 601% no período, para R$ 4,5 milhões na mesma base de comparação.

Segundo a estatal, o resultado foi impactado positivamente pelo segmento de transmissão em decorrência da revisão tarifária periódica, com efeitos a partir de julho de 2020, e pela melhora nos resultados da geração.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) no segundo trimestre somou R$ 3,3 bilhões, alta de 64% ante igual período do ano anterior.

A receita operacional líquida atingiu R$ 7,9 bilhões no período, 49% superior à observada no mesmo intervalo de 2020.

O Credit Suisse avaliou os resultados da Eletrobras como moderados, com lucro Ebitda ajustado pior do que o esperado, principalmente por conta de custos maiores de compra de energia e combustíveis gastos maiores com pessoal, material, serviços de terceiros e outros (PMSO em inglês) e provisões. Em uma base anual, o negócio se beneficiou de impactos da revisão tarifária e ajustes anuais, diz o Credit. O banco diz avaliar que os investidores manterão mais atenção ao processo de privatização. O Credit mantém preço-alvo de R$ 45 e recomendação neutra (perspectiva de valorização dentro da média do mercado).

A Aeris teve lucro líquido de R$ 18,7 milhões no segundo trimestre, 23,6% abaixo na comparação anual.

Já a receita líquida operacional foi de R$ 591,9 milhões, alta de 27,6%.

d1000 (DMVF3)

A rede de farmácias, que tem as marcas Drogasmil, FarmaLife, Rosário e Tamoio no portfólio, teve prejuízo de R$ 2,9 milhões no segundo trimestre, queda de 78% na base anual. A receita líquida foi R$ 274,8 milhões, alta de 27,5%.

Allpark Estapar (ALPK3)

A Allpark teve prejuízo de R$ 60,7 milhões no segundo trimestre, alta de 7,3% na base anual. A receita cresceu 104%, para R$ 175,6 milhões.

Veja mais resultados clicando aqui.

Americanas (AMER3)

A Americanas anunciou um acordo para comprar 100% da rede de hortifruti Natural da Terra por um total de R$ 2,1 bilhões. Esse é mais um avanço do grupo em um segmento considerado estratégico por impulsionar a recorrência de compras online.

A Americanas afirmou em comunicado que o preço da aquisição equivale a 9 vezes o múltiplo do valor da empresa sobre o lucro antes juros, impostos, depreciações e amortizações (EV/Ebitda) estimado do Natural da Terra para 2021.

No comunicado, a Americanas afirma que a rede Natural da Terra é a maior varejista especializada em produtos frescos com foco em frutas, legumes e verduras do Brasil, possuindo uma rede de 73 lojas em 4 Estados (RJ, SP, MG e ES) e sendo referência digital do setor no país, com as vendas online representando 16% do total.

Veja mais detalhes da operação clicando aqui.

A Minerva foi questionada pela B3 e CVM sobre a forte oscilação de suas ações. Na reta final da Bolsa na véspera, as ações BEEF3 saltaram e fecharam com ganhos de quase 14,65%, após o Valor noticiar que os controladores da empresa começaram a discutir a possibilidade de fechar o capital da companhia. 

A companhia esclareceu em comunicado que não há nenhum ato ou fato relevante passível de divulgação e que poderia justificar as oscilações na cotação e no volume de negociação das ações de sua emissão.

“A companhia ressalta, contudo, ter tomado conhecimento de notícia veiculada na mídia nesta data sobre supostas discussões envolvendo seu possível fechamento de capital, podendo esses rumores ter contribuído para afetar as negociações e dado ensejo às oscilações verificadas. Nesse contexto, a companhia reforça que não há qualquer informação passível de divulgação sobre o assunto objeto dos rumores e que não pretende fechar o seu capital”, afirmou.

A Minerva destacou que manterá os seus acionistas e o mercado em geral informados a respeito deste e de qualquer outro assunto relevante.

Qualicorp (QUAL3)

O Credit Suisse reduziu a recomendação para a Qualicorp de outperform (desempenho acima da média do mercado) para neutra, com o preço-alvo sendo reduzido de R$ 34 para R$ 27.

“Acompanhando os resultados do segundo trimestre, estamos revisando nossas projeções para a Qualicorp, incorporando as incertezas em torno das adições líquidas causadas pelo persistente alto churn (taxa de cancelamento)”, destacam os analistas do banco suíço. Na véspera, as ações caíram mais de 15% na esteira dos resultados do segundo trimestre.

A Sendas Distribuidora, detentora da marca Assaí, informou que acionistas reunidos em Assembleia Geral Extraordinária da companhia realizada na véspera aprovaram a proposta de desdobramento da totalidade das ações ordinárias de emissão da companhia na proporção de um para cinco, sem a modificação do valor do capital social.

Com o Desdobramento, o capital social permanece no montante de R$ 786,73 milhões e passa a ser dividido em 1.346.499.295 ações ordinárias.

A data-base do desdobramento na B3 será 11 de agosto de 2021, sendo que as ações serão negociadas ex-desdobramento na B3 a partir desta quinta-feira, informou.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

Qualicorp anuncia compra do Grupo Elo por R$ 129,5 milhões

SÃO PAULO – A administradora de planos de saúde Qualicorp (QUAL3) anunciou nesta quinta-feira (12) a aquisição da totalidade do Grupo Elo por R$ 129,5 milhões.

A companhia também assinou um acordo de direitos de comercialização com a Seguros Unimed e a Central Nacional Unimed (CNU), pelo qual pagará R$ 45 milhões e possibilitará a venda de diversos produtos das duas operadoras de saúde.

“A aquisição do Grupo Elo fortalece a posição da Quali como principal player de comercialização e administração de planos de saúde com atuação relevante em todo o território nacional’, diz Bruno Blatt, CEO da Qualicorp, em nota.

“A assinatura dos acordos com a Seguros Unimed e a CNU representa um importante marco no relacionamento comercial entre a Quali e o sistema Unimed, um dos mais relevantes parceiros comerciais da Companhia e um dos principais players na saúde suplementar no Brasil”, completou.

Leia também:
Ação da Qualicorp fecha com derrocada de 15,57% após o resultado: o que decepcionou tanto e o que esperar daqui para frente?

Com o fechamento da transação, a Qualicorp será a única sócia do Grupo Elo, que atua com foco nas operadoras Seguros Unimed, CNU, Bradesco e Amil e possui um tíquete médio no segmento de saúde de R$ 730 mensais.

Segundo comunicado, a aquisição permitirá à Qualicorp adicionar 52 mil novos clientes ao seu portfólio de adesão e empresarial, sendo cerca de 42 mil novas vidas de saúde (com 30 mil no segmento coletivo por adesão) e 10 mil dental.

Além disso, com o acordo com a Seguros Unimed, a Qualicorp poderá voltar a comercializar os planos de saúde coletivos por adesão ofertados pela seguradora.

O acordo garante ainda a distribuição do PME Estipulado da Seguros Unimed, pelo qual a Qualicorp poderá comercializar planos de saúde para Pequenas e Médias Empresas (PME) atuando como a estipulante de tais planos juntamente à operadora de planos de saúde.

PUBLICIDADE

Adicionalmente, os acordos comerciais garantirão à companhia o direito de distribuição de outros produtos do portfólio da Seguros Unimed, como os planos dentais e o Seguro de Renda por Incapacidade Temporária (SERIT) – seguro voltado a profissionais liberais, que buscam a garantia de renda mensal, em caso de afastamento do trabalho por acidente ou doença.

Ainda segundo o comunicado, o acordo permite à Qualicorp a distribuição com exclusividade de um produto da CNU na Bahia.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

Ação da Qualicorp despenca mais de 10% após o resultado: o que decepcionou tanto e o que esperar daqui para frente?

Qualicorp (Foto: Divulgação)

SÃO PAULO – Em um dia negativo para o mercado, quem se destaca ainda mais negativamente nesta sessão é a ação da Qualicorp (QUAL3). Na mínima do dia, os papéis chegaram a cair 11,45%, a R$ 21,50, na esteira dos números do segundo trimestre de 2021. Às 12h25 (horário de Brasília), a baixa era de 10,91%, a R$ 21,63.

A empresa líder no Brasil na comercialização, administração e gestão de planos de saúde coletivos por adesão e empresariais teve queda no lucro do segundo trimestre, refletindo maiores despesas financeiras e com campanhas de vendas. O lucro de abril a junho somou R$ 90,3 milhões, queda de 28,4% contra um ano antes.

Embora tenha tido crescimento de 6,9% ano a ano da receita líquida, a R$ 517,2 milhões, isso veio às custas de maiores despesas com itens como marketing.

O lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) recuou 19,9%, para R$ 234 milhões (também refletindo maiores iniciativas para acelerar vendas e investimentos em inovação e marketing).

A margem Ebitda ajustada foi de 38,9%, queda de 9,4 pontos percentuais, “abaixo do patamar que consideramos justo para nosso negócio no longo prazo”, afirmou a companhia no release de resultados.

De acordo com o Credit Suisse, os resultados ficaram abaixo das estimativas. Houve um aumento no portfólio de adesão Médico-Hospitalar, com alta de 7,3% na base anual, ainda que em queda de 0,5% versus o primeiro trimestre, com a companhia destacando novo recorde de 132,1 mil vidas em adições brutas entre abril e junho, atingindo a meta de 40-45 mil vidas em vendas mensais.

O desempenho é resultado de diversas iniciativas implementadas ao longo dos últimos trimestres, que incluem: i) novas parcerias comerciais; ii) lançamento de novos produtos e extensões de portfólio; iii) melhoria no relacionamento e no canal de vendas; e iv) importantes canais de distribuição via fusões e aquisições.

Porém, para tanto, houve o já citado aumento de despesas.

Além disso, Mauricio Cepeda e William Barranjard, analistas do Credit, destacaram que o índice de cancelamento dos clientes (churn), foi bastante alto, com estimativa de 10,6%, mas dado efetivo de 11,6%. Esse, por sinal, é o destaque do relatório dos analistas, que apontam no título “o churn sem fim” da companhia.

PUBLICIDADE

A companhia destacou em seu release de resultados que fechou o trimestre com 138,3 mil cancelamentos no segmento de adesão, apresentando uma melhora de 7,9% sobre o trimestre anterior, mas ainda em um nível elevado e pior do que as expectativas iniciais da própria companhia.

“Nossa análise indica que este alto churn é conjuntural, ainda impactado pelo reajuste de planos de saúde aplicado no começo deste ano após a suspensão em 2020, e que resultou em aumento de preços médio de 23% para nossa base de clientes”, apontou.

No release de resultados, a Qualicorp destacou que tem trabalhado em diversas frentes para minimizar este impacto no segundo semestre, uma vez que o reajuste regular que estão aplicando no terceiro trimestre é menor, na faixa de dois dígitos baixos.

“Deste modo, nossos modelos preditivos na área de relacionamento com clientes já indicam evolução nos indicadores de retenção. Contudo, conforme já antecipado, o mercado de planos de saúde está tendo um ano atípico em termos de cancelamentos devido ao ineditismo de dois reajustes de preços com intervalo de apenas 6 meses e acumulando aumento em torno de 35% no ano aos nossos clientes”, reforçou a companhia.

O Credit ainda ressalta que o tíquete médio diminuiu, sendo explicado majoritariamente pela incorporação da carteira de clientes da Muito Mais Saúde (MMS) em março (que possui tíquete significativamente menor que o da Qualicorp), além de novas vendas, de rebaixamento de planos e também com a incorporação das carteiras da Plural.

O aumento do esforço comercial está refletindo nas despesas com vendas. As despesas gerais e administrativas foram 17% maiores na base trimestral e em 50% na base anual. O BBA ressalta ainda que elas atingiram 16% da receita (versus 11% no segundo trimestre de 2020).

“Conforme apontado sua última análise do modelo, este efeito não é transitório e decorre da nova operação comercial, necessária para potencializar crescimento. A empresa também menciona ter feito intensificação de campanhas de marketing. No cenário atual de adições líquidas, as despesas comerciais aumentaram (e alguns adicionais administrativas, como fusões e aquisições e remuneração variável) traduzindo-se diretamente em lucro líquido mais baixo”, aponta o Credit.

O BBA ressalta que a lucratividade também ficou 21% abaixo do esperado pelos analistas e o que é considerado ser a margem de longo prazo. Mas uma recuperação gradual da lucratividade deve ocorrer nos próximos trimestres, avaliam.

PUBLICIDADE

Em suma, “os resultados da Qualicorp no segundo trimestre foram mais fracos do que nossas expectativas, uma vez que despesas acima do esperado prejudicaram a empresa durante o trimestre, enquanto o desempenho em adições líquidas já estava em nossas estimativas”, destaca o BBA.

É hora de comprar? 

Os analistas do BBA afirmam estarem ansiosos para ver como os esforços renovados da empresa em iniciativas comerciais e de retenção gerarão resultados e também vão monitorar a dinâmica de adição em busca de tendências claras e sustentáveis. Dessa forma, mantiveram no momento a recomendação outperform (desempenho acima da média) para os ativos, com preço-alvo de R$ 39 por ação, “até revisitarem o modelo”. O preço-alvo representa um potencial de valorização de 60% em relação ao fechamento de terça-feira.

O Bank of America reiterou recomendação de compra para a Qualicorp com preço-alvo de R$ 40 (upside de 65%), pois acredita que a maioria dos impactos negativos já está precificada. Além disso, as adições brutas permanecendo fortes podem abrir caminho para o crescimento, uma vez que o churn seja contido.

Na avaliação do Credit Suisse, a empresa tem corretamente perseguido melhores adições brutas, incorrendo nas necessárias maiores despesas comerciais.

“O alto churn é a principal limitação do case, que está impactando crescimento e lucratividade. Acreditamos que as despesas administrativas voltarão a níveis anteriores, mas as comerciais atingiram um ‘novo normal’. O equilíbrio econômico
para a empresa depende da resolução do churn, voltando para o seu case de geração de caixa alta”, destacam os analistas do banco suíço, que seguem com recomendação outperform para o papel, com preço-alvo de R$ 34 (upside de 40%).

Por outro lado, de forma a incorporar os resultados piores do que o esperado e as projeções até o fim de 2021, o BTG Pactual reduziu o preço-alvo para as ações da Qualicorp de R$ 30 para R$ 27 (potencial de alta de 11%) e manteve a recomendação neutra.

“Conforme percebido pela queda nos resultados do segundo trimestre, a estratégia da Qualicorp ainda precisa ser comprovada e validada. Embora o valuation atual possa parecer atrativo, seguimos neutros devido à falta de um ponto de inflexão claro no curto prazo”, avaliam os analistas do banco.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

PUBLICIDADE

Ações de BR Distribuidora e Qualicorp caem forte, Allied e Positivo saltam e mais reações a balanços; Vale estável apesar de minério

SÃO PAULO – A repercussão dos resultados do segundo trimestre segue sendo destaque nesta quarta-feira (11).

Na véspera, foram divulgados os números de BR Distribuidora (BRDT3), C&A (CEAB3),  Marfrig (MRFG3), NotreDame Intermédica (GNDI3), Porto Seguro (PSSA3), Taurus Armas (TASA4), Qualicorp (QUAL3), Randon (RAPT4) e Raia Drogasil (RADL3), entre outras companhias.

O maior destaque de queda fica para Qualicorp, com baixa de mais de 8%, seguida por BR Distribuidora, com os ativos caindo mais de 4% após o balanço e também com a última tendo no radar a no radar a MP sobre venda direta de etanol e nova regra para postos. Alguns analistas apontaram o balanço como levemente abaixo da expectativa. A ação da NotreDame Intermédica também cai, cerca de 1,5%, após o resultado, enquanto RD tem baixa de cerca de 4%, intensificando as perdas da abertura, apesar dos números do segundo trimestre terem sido vistos com bons olhos pelos investidores. Fora do Ibovespa, C&A também tem queda de cerca de 4% das ações.

Já entre as altas, Marfrig avança cerca de 1% após um resultado considerado forte, enquanto que, fora do Ibovespa, Allied e Positivo (POSI3) sobem, respectivamente, mais de 5% e 8%, na esteira de resultados considerados bons.

Serão divulgados nesta quarta-feira os resultados de Aeris (AERI3), Aliansce Sonae (ALSO3), B3 (B3SA3), Banco Inter (BIDI11), Copel (CPLE6), Eletrobras (ELET6), Enauta (ENAT3), Guararapes (GUAR3), Hapvida (HAPV3), Helbor (HBOR3), JBS (JBSS3), Locaweb (LWSA3), LPS (LPSB3), Moura Dubeux (MDNE3) e MRV (MRVE3).

Também serão revelados os números de Oi (OIBR4), Simpar (SIMH3), Sul América (SULA11), Suzano (SUZB3), Taesa (TAEE11), Ultrapar (UGPA3), Valid (VLID3), Via Varejo (VVAR3), Wilson Sons (WSON33).

Fora do noticiário da temporada de balanços, as ações de Vale (VALE3) operam perto da estabilidade, apesar do dia de ganhos para o minério.

O contrato mais negociado minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para entrega em janeiro de 2022, fechou em alta de 3,7%, a 871,50 iuanes (US$ 134,33) por tonelada, depois de ter atingido o menor patamar desde 26 de março na sessão anterior. Assim, interrompeu sequência de cinco sessões de perdas, acompanhando os futuros do aço em meio a temores relacionados à oferta diante de restrições de produção impostas pela China.

Confira mais destaques:

PUBLICIDADE

A Raízen, em conjunto com sua controlada Raízen Energia, informou que concluiu a aquisição da totalidade das ações de emissão da Biosev. Como parte da transação, a Hédera Investimentos e Participações exerceu o bônus de subscrição emitido por ocasião da Assembleia Geral da Raízen realizada em 1º de junho de 2021, e passou a ser titular de 330.602.900 ações preferenciais de emissão da Companhia, representativas de 3,22% do seu capital.

“A conclusão desta operação consolida aposição de liderança da Raízen no processo de transição energética através da ampliação da oferta de energia mais eficiente, limpa e renovável, passando a contar com 35 parques de bioenergia e uma capacidade de processamento de 105 milhões de toneladas de cana por safra, proporcionando uma matriz energética cada vez mais limpa e sustentável”, disse a empresa, em nota.

BR Distribuidora (BRDT3)

A BR Distribuidora informou lucro líquido de R$ 382 milhões no segundo trimestre de 2021, alta de 103,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando a companhia foi impactada pelas medidas restritivas impostas em função da pandemia da Covid-19.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 1,018 bilhão no trimestre, alta de 24,8% na comparação anual.

Para o Morgan Stanley, os resultados da BR Distribuidora ficam levemente abaixo da expectativa. O Ebitda recorrente ficou 8% abaixo da expectativa do banco e 11% abaixo do consenso do mercado, o que o banco atribui a margens menores de comercialização no segmento de varejo, que foram parcialmente compensadas por margens de comercialização menores em aviação. A margem Ebitda consolidada de R$ 97 por metro cúbico é classificada pelo banco como forte para um trimestre desafiador.

O banco mantém avaliação overweight (perspectiva de valorização acima da média do mercado), e diz esperar que a ação continue a propor uma remuneração atrativa para acionistas, ao mesmo tempo em que a nova gestão começará a lidar com questões de longo prazo ligadas à transição energética. O banco mantém preço-alvo de R$ 33, frente à cotação de R$ 28,58 de terça.

A varejista C&A lucrou R$ 69,2 milhões no segundo trimestre deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 192,1 milhões reportados em igual período de 2020.

O resultado foi impactado pelo reconhecimento de créditos não recorrentes. Excluindo o efeito, a C&A teria tido prejuízo de R$ 83,8 milhões entre abril e junho.

PUBLICIDADE

A receita líquida subiu 299% no comparativo anual, para R$ 1,175 bilhão; a empresa aponta a base ruim de comparação em meio ao fechamento das lojas por conta da pandemia de covid-19 no segundo trimestre do ano passado.

De acordo com o Bradesco BBI, há vários pontos positivos no que foi um trimestre difícil para a C&A (e para todos os varejistas baseados em shoppings).

“Em primeiro lugar, a declaração de perspectiva da administração é otimista e sugere (salvo quaisquer circunstâncias imprevistas) um final de ano positivo no importante quarto trimestre. Em segundo lugar, o desempenho no comércio eletrônico parece bom, com GMV [volume bruto de mercadorias] acima de 34% na base anual, embora tenha havido uma base de comparação elevada (crescimento de quase 300% no segundo trimestre de 2020)”, avaliam os analistas do banco.

O comércio eletrônico representou 17% da receita do varejo. Finalmente – e talvez o mais importante – a administração colocou por escrito (pela primeira vez, acreditam os analistas) que espera resolver as questões pendentes com seu parceiro de serviços financeiros, o Bradesco, neste ano.

Além desses pontos, a empresa também está abrindo novas lojas mais uma vez e continua investindo em sua cadeia de suprimentos e implementando uma infraestrutura de distribuição mais sofisticada. “Isso nos deixa otimistas e portanto, mantemos nossa recomendação outperform. Nosso preço-alvo caiu ligeiramente para R$ 17 (esperado para 2022) de R$ 18 (esperado para 21) devido a revisões de estimativas”, avaliam.

A RD, dona das redes de drogarias Raia e Drogasil, teve lucro líquido de R$ 266,4 milhões no segundo trimestre, um salto de 342,5% ano a ano. Em termos ajustados, o lucro somou R$ 232 milhões de abril a junho, crescimento de 276% em relação a igual etapa de 2020.

De acordo com a XP, a RD reportou sólidos resultados referentes ao segundo trimestre de 2021, com Ebitda 5% acima do esperado pelos analistas e forte lucro líquido, beneficiado por créditos fiscais não recorrentes de R$ 58 milhões.

A forte performance de vendas mesmas lojas de alta de 26% na base anual, beneficiadas pela fraca base de comparação e pelo reajuste de preços de medicamentos, ganhos de participação de mercado em todas as regiões e a rentabilidade sólida foram os principais destaques.

PUBLICIDADE

“A companhia reportou fortes resultados e expansão de margens apesar dos investimentos na construção de sua plataforma de saúde. Além disso, a RD anunciou a aquisição de uma plataforma digital focada no aumento da aderência à tratamentos de doenças crônicas e uma pequena recompra de 3 milhões de ações (0,3% do float)”, avaliam.

A Marfrig Global Foods informou na terça lucro líquido recorde de R$ 1,738 bilhão no segundo trimestre, alta de 9% em relação ao mesmo período do ano anterior, impulsionado pelo bom desempenho da operação norte-americana da empresa.

O Ebitda do frigorífico ficou em R$ 3,9 bilhões, o que representa uma queda de 3,6% ante o segundo trimestre de 2020.

A receita líquida, por sua vez, totalizou R$ 20,6 bilhões, valor 9% superior ao reportado de abril a junho do ano passado.

O Credit Suisse diz que mantém uma visão positiva em relação à Marfrig, e diz acreditar que o ritmo operacional deve continuar forte. O banco afirma que o braço National Beef deve se beneficiar da oferta favorável de gado nos Estados Unidos e os spreads fortes da indústria nos próximos meses. Na América do Sul, o banco diz avaliar que não há espaço para valorização do gado. O Credit também ressalta iniciativas da gestão visando eficiência, que podem levar a um endividamento e a um fluxo livre de caixa mais favoráveis. O banco diz que vê a Marfrig como uma das empresas mais atrativas dentro de sua cobertura, e mantém a recomendação outperform, com preço-alvo de R$ 26, frente à cotação de R$ 19,56 de terça.

NotreDame Intermédica (GNDI3)

A NotreDame Intermédica teve prejuízo no segundo trimestre, refletindo forte alta das despesas com procedimentos médicos, que haviam sido represados durante os períodos de isolamento para conter a pandemia.

A companhia anunciou na noite de terça-feira que seu prejuízo entre abril e junho somou R$ 48 milhões, ante lucro de R$ 223,4 milhões um ano antes. Em termos ajustados, a companhia passou de lucro de R$ 303,9 milhões para prejuízo de R$ 9,9 milhões.

Embora tenha tido receita líquida 22,7% maior ano a ano, a R$ 3,2 bilhões, a companhia viu a linha contas médicas caixa, seu item mais relevante dos custos de serviços prestados, dar um salto de 56,9%, a R$ 2,64 bilhões, o que aumentou em 18 pontos percentuais a sinistralidade, para 82,7%.

Diante disso, o resultado operacional da Notre Dame medido pelo Ebitda ajustado somou R$ 131,6 milhões, queda de 75%. A margem Ebitda ajustada teve um tombo de 16 pontos percentuais, para 4,1%.

A XP apontou em relatório que o GNDI postou resultados ruins com pressão de sinistralidade mais alta (alta de 18 pontos na base anual e  4 pontos acima das expectativas dos analistas) levando a uma queda do Ebitda a um número 33% abaixo da projeção da XP, que compensou o crescimento robusto da receita devido a um aumento sólido no número de beneficiários de planos de saúde.

“No entanto, vemos esse impacto como transitório (causado principalmente pela Covid, número maior de procedimentos eletivos e a sinistralidade mais alta dos ativos recém adquiridos) e não estrutural e acreditamos que a empresa deve continuar crescendo organicamente e deve ser capaz de reduzir estruturalmente a sinistralidade uma vez que o impacto da Covid e de procedimentos eletivos deve reduzir e a sinistralidade dos ativos recém adquiridos deve convergir para os níveis históricos do GNDI”, apontam Vitor Pini e Matheus Soares, analistas da XP.

Santos Brasil (STBP3)

A Santos Brasil teve lucro líquidode R$ 60,4 milhões, ante resultado negativo, de R$ 9,4 milhões no segundo trimestre de 2020.

A receita líquida subiu 68,8% quando comparada ao mesmo período em 2020, totalizando R$ 379,5 milhões.

Os principais fatores responsáveis por impulsionar esta alta foram o crescimento nos volumes dos terminais portuários (+ 31% no ano contra ano) e o crescimento da receita em operações de armazenamento (+ 53% no ano contra ano), destaca a Levante Ideias de Investimentos

A movimentação de contêineres em Vila do Conde cresceu 13,1% no ano contra ano, estimulada pelas exportações de commodities minerais e agropecuárias.

Destaque também para o Tecon Imbituba, com crescimento na movimentação de contêineres de 12,7% no ano contra ano, devido à recuperação do fluxo de cabotagem.

Além disso, o Ebitda da companhia exibiu um avanço de 250,0% no ano contra ano, a R$ 147,7 milhões no trimestre. Sua margem Ebitda também apresentou avanço de 20,1 pontos percentuais, a 38,9% no trimestre.

A linha foi impulsionada pelos maiores volumes e maior ticket médio nos terminais portuários, além de melhoria nas suas operações logísticas e em terminais de veículos.

Vulcabras (VULC3)

A Vulcabras teve R$ 91,5 milhões no segundo trimestre, ante prejuízo de R$ 75,4 milhões no mesmo período de 2020. A receita saltou 305%, a R$ 399 milhões.

Porto Seguro (PSSA3)

A Porto Seguro teve lucro líquido de R$ 658,6 milhões no segundo trimestre de 2021, quase estável em relação ao mesmo período de 2020, com alta anual de 0,3%. Na comparação com o período entre janeiro e março deste ano, o avanço foi de 122%.

A Allied teve lucro líquido de R$ 152,3 milhões, 1.719% acima dos R$ 8,4 milhões registrados no mesmo período de 2020. O lucro líquido recorrente – sem levar em conta os efeitos extraordinários – foi de R$ 74,3 milhões, avanço de 786,3%.

A XP destaca que a empresa teve um trimestre muito forte e bastante acima das expectativas. A empresa atingiu uma receita líquida de R$ 1,5 bilhão, com alta de 84% na base anual e cerca de 60% acima das estimativas da XP, impulsionada pelo crescimento surpreendente nas linhas de distribuição e varejo digital – mesmo diante da forte base comparativa com o segundo trimestre de 2020 – que mais do que compensaram a piora no varejo físico.

O forte crescimento também veio acompanhado de melhores margens, mesmo com o menor resultado do varejo físico, o qual possui margens maiores, reflexo da maior eficiência nas despesas operacionais. Com isso, o lucro líquido recorrente de ficou duas vezes acima da estimativa da XP.

“Os resultados reforçam a nossa visão construtiva para a Allied e com isso reiteramos nossa recomendação de compra e preço alvo de R$ 38 por ação” apontam.

Positivo (POSI3)

A Positivo registrou lucro de R$ 51 milhões no segundo trimestre, revertendo assim o prejuízo de R$ 8,6 milhões.

A XP aponta que a companhia reportou resultados sólidos no segundo trimestre, acima das estimativas dos analistas.

A companhia continua tendo forte demanda em todas as suas unidades de negócios, avaliam, com forte desempenho da receita líquida (alta de 88,5% na base anual) sendo impulsionado (i) pelo crescimento das vendas de notebooks e produtos de tecnologia nos segmentos de varejo e corporativo (ii) maior mix de produtos e (iii) aumento do ticket médio.

O lucro bruto foi de R$ 204 milhões (alta de 241% na base anual) e  32,2% acima das estimativas da XP, enquanto a margem bruta foi de 25,9%, versus 14,3% em igual período no segundo trimestre.

“Após um primeiro trimestre marcado por números históricos e crescimentos nos principais indicadores operacionais e financeiros da companhia, a empresa reforçou sua confiança na continuidade dessa tendência para o segundo semestre já que historicamente cerca de 55% da receita anual está concentrada no segundo semestre”, aponta a XP, que mantém recomendação de compra e preço-alvo de R$ 16 por ação para POSI3.

Aura Minerals (AURA33)

A mineradora Aura lucrou US$ 21 milhões no segundo trimestre deste ano,  cinco vezes acima do apurado em igual período de 2020, enquanto a receita líquida foi a US$ 112 milhões.

O Itaú BBA avalia os resultados divulgados pela Aura Minerals como mais fracos do que o esperado. O Ebitda de US$ 40,2 milhões ficou 13% abaixo de sua estimativa, e 23% menor do que no trimestre anterior, apesar de mais do que o dobro na comparação anual.

O banco diz que o desempenho abaixo do esperado pode ser atribuído a exportações 6% menores no trimestre, de 66,8 mil onças equivalentes de ouro (kGEO na sigla em inglês), que ofuscam os preços mais altos do cobre e do ouro. O custo do dinheiro aumentou 15% na comparação trimestral, a US$ 922 por onça. A posição de caixa caiu a US$ 7 milhões por conta de pagamento extraordinário de dividendos.

O banco mantém avaliação outperform para a Aura Minerals, com preço-alvo para 2021 de R$ 80 para os papéis AURA33.

No embalo da demanda vinda do transporte da safra agrícola que, somada a aquisições, levou a empresa ao melhor resultado trimestral de sua história em receita líquida, o grupo Randon reportou lucro de R$ 122,1 milhões no segundo trimestre, mais do que o dobro (alta de 121%) se comparado ao mesmo período de 2020.

Na mesma base comparativa, a receita líquida também mais do que dobrou, marcando crescimento de 126,6% e a cifra recorde de R$ 2,11 bilhões nos três meses. Já o resultado operacional medido pelo Ebitda marcou R$ 322,6 milhões: alta de 109,6%.

A fabricante de implementos rodoviários e autopeças também elevou na terça suas estimativas de faturamento bruto para R$ 12 bilhões neste ano, ante expectativa anterior de R$ 9,6 bilhões. A reavaliação ocorre em meio a um mercado crescente de caminhões e investimentos em rodovias. A previsão de investimento orgânico foi elevada de R$ 250 milhões para R$ 320 milhões.

O Itaú BBA avaliou os resultados da Randon como positivos. O banco diz que a empresa continua a se beneficiar de um bom momento em suas divisões de caminhões e partes de carros. O BBA também ressalta que a Randon revisou suas diretrizes para 2021 e mantém avaliação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) para a Randon, com preço-alvo para 2021 de R$ 18,5 para os papéis RAPT4, negociados na terça por R$ 13,32.

Qualicorp (QUAL3)

A empresa de planos de saúde Qualicorp teve queda no lucro do segundo trimestre, refletindo maiores despesas financeiras e com campanhas de vendas.

A companhia anunciou que seu lucro de abril a junho somou R$ 90,3 milhões, queda de 28,4% contra um ano antes.

Embora tenha tido crescimento de 6,9% ano a ano da receita líquida, a R$ 517,2 milhões, isso veio às custas de maiores despesas com itens como marketing.

O Ebitda recuou 19,9%, para R$ 234 milhões, refletindo maiores iniciativas para acelerar vendas e investimentos em inovação e marketing.

A margem Ebitda ajustada foi de 38,9%, queda de 9,4 pontos percentuais, “abaixo do patamar que consideramos justo para nosso negócio no longo prazo”, afirmou a companhia no relatório.

A Qualicorp fechou junho com 2,58 milhões de vidas, crescimento de 11,3% em 12 meses.

Taurus Armas (TASA4)

A Taurus Armas lucrou R$ 193,6 milhões no segundo trimestre de 2021, número que corresponde a um crescimento de 395,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.

O Ebitda da fabricante de armas ficou em R$ 224,4 milhões, o que representa uma expansão de 106,3% ante o segundo trimestre de 2020.

A receita líquida, por sua vez, totalizou R$ 651,1 milhões, em um avanço de 48,8% na base anual.

A Eletrobras informou que obteve resultado desfavorável em recurso impetrado no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) em uma ação de cobrança relativa a empréstimo compulsório sobre energia elétrica. Segundo a estatal, o processo está provisionado pelo montante de R$ 1,47 bilhão, acrescido de multas e honorários advocatícios. A companhia disse que aguardará a publicação do acórdão para avaliar potenciais medidas cabíveis.

Santander Brasil (SANB11)

Já o Santander Brasil informou na terça-feira a obtenção de registro de companhia aberta para seu braço de pagamentos, Getnet, além de aprovação da B3 para listagem e negociação de ações e units. Segundo fato relevante, a Getnet aguarda aprovação da Securities and Exchange Comission (SEC, CVM dos EUA) para negociação de suas ações na Nasdaq.

A Bloomberg destaca que o plano da JBS para comprar a australiana Huon Aquaculture pode estar sob ameaça com o aumento da participação do magnata da mineração Andrew Forrest na produtora de salmão para um nível que poderia bloquear o negócio.

Forrest e seu family office elevaram a fatia na Huon, negociada em Sydney, de 7,3% para 18,5%, segundo documento regulatório divulgado na quarta-feira. O investimento destaca os avanços da Huon na melhoria das práticas ambientais em uma indústria com uma reputação “terrível”, disse Forrest em entrevista.

(com Bloomberg, Reuters e Estadão Conteúdo)

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

Lucro da Qualicorp cai 28% no 2º trimestre, para R$ 90,3 milhões, com maiores despesas

A empresa de planos de saúde Qualicorp (QUAL3) teve queda no lucro do segundo trimestre, refletindo maiores despesas financeiras e com campanhas de vendas.

A companhia anunciou na noite de terça-feira que seu lucro de abril a junho somou R$ 90,3 milhões, queda de 28,4% contra um ano antes.

Embora tenha tido crescimento de 6,9% ano a ano da receita líquida, a R$ 517,2 milhões, isso veio às custas de maiores despesas com itens como marketing.

Seu resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) recuou 19,9%, para R$ 234 milhões, refletindo maiores iniciativas para acelerar vendas e investimentos em inovação e marketing.

A margem Ebitda ajustada foi de 38,9%, queda de 9,4 pontos percentuais, “abaixo do patamar que consideramos justo para nosso negócio no longo prazo”, afirmou a companhia no relatório.

A Qualicorp fechou junho com 2,58 milhões de vidas, crescimento de 11,3% em 12 meses.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

Qualicorp faz digitalização e mira liderança no segmento para pequenas e médias empresas

A Qualicorp (QUAL3), administradora de planos de saúde, espera que o segmento de pequenas e médias empresas (PME) ganhe relevância e a empresa se transforme na principal plataforma de vendas para esse público. Na avaliação de Bruno Blatt, CEO da companhia, a estratégia de crescimento da companhia contempla a oferta de multiprodutos e multicanal para dessa forma atender o cliente em diferentes estágios.

“Sempre tem uma oportunidade. Se o cliente tem um CNPJ, então posso oferecer um plano PME. Vamos ser a maior corretora de PME do Brasil”, destacou, durante evento “Melhores Empresas da Bolsa 2021”.

A companhia foi a vencedora da categoria saúde do prêmio, realizado pelo InfoMoney com base em ranking exclusivo elaborado pela provedora de serviços financeiros Economatica e pela escola de negócios Ibmec.

A Qualicorp contabilizava em março 52.275 vidas no segmento PME. Embora pequeno, o número representa um crescimento 19,1% em relação a igual período de 2020, a maior variação percentual entre todos os segmentos da administradora.

De acordo com Blatt, o objetivo de aumentar a carteira de PME não irá prejudicar o desempenho do segmento de planos por adesão – o maior e mais relevante da empresa. O executivo reforça que a Qualicorp está pronta para oferecer produtos de acordo com a especificidade de cada cliente.

“Estamos protegidos na distribuição de planos em todas as linhas de clientes. Mapeamos as oportunidades e estamos seguindo cada uma delas”, disse.

Para Blatt, a pandemia da Covid-19 aumentou a percepção de que é importante ter um plano de saúde. O envelhecimento da população também é outro fator que contribui para as vendas do setor. Ao todo, o portfólio da Qualicorp contava ao final do primeiro trimestre com 2,57 milhões de vida. Dados da Agência Nacional de Saúde (ANS) mostram que 47,8 milhões de brasileiros possuem planos de saúde.

A Qualicorp registrou uma receita líquida de R$ 523 milhões no primeiro trimestre do ano, uma alta de 4,1% na comparação com igual período do ano passado.

Digitalização dos canais de venda

PUBLICIDADE

O crescimento da companhia, segundo o CEO, levará em conta as demandas regionais. Ele cita, por exemplo, que um morador de uma cidade do interior não precisa de um plano de saúde com uma rede tão ampla. Para ele, a oferta de uma operadora local pode ser a ideal – a Qualicorp trabalha na distribuição de planos de saúde e possui parcerias com 102 operadoras.

Todo o crescimento esperado também será feito com o uso de digitalização. Na semana passada, a Qualicorp anunciou uma parceria com o Banco Inter (BIDI11) para a comercialização de planos de saúde no aplicativo da instituição financeira, que conta com 11 milhões de clientes.

A aceleração de vendas no canal digital também contemplou a compra de uma participação na Escale, startup especializada na aquisição de novos clientes. Para Blatt, o uso de dados será cada vez mais relevante na distribuição dos produtos. O negócio foi anunciado em março.

“Nossa estratégia utilizando esse marketing digital terá um extenso uso de dados. Tudo isso vai abastecer a nossa distribuição”, explicou.

A Qualicorp comprou 35% da Escale com uma opção de elevar para 40%, além de 5% da holding. Segundo o executivo, a negociação durou mais de um ano.

Para Thiago Sallum, analista do setor de saúde da XP Asset, a visão para o setor e a Qualicorp é positiva. No caso da administradora, a mudança da gestão, que se deu com a chegada de Blatt ao final de 2019, e a entrada da Rede D’Or (RDOR3) no capital da empresa contribuíram para o viés positivo.

“Antes da Rede D’Or e da chegada do Bruno a visão era mais negativa. A Qualicorp poderia não se perpetuar se continuasse com a gestão anterior. Com a mudança, tiramos um risco de governança. Hoje, vemos a Qualicorp como uma empresa bem posicionada e preparada para crescer no médio e longo prazo”, disse o analista.

A Qualicorp foi fundada pelo empresário José Seripieri Filho, que vendeu sua participação para a Rede D’Or e foi substituído por Blatt no comando da empresa em novembro de 2019. O fundador teve seu nome citado em denúncias sobre doações ilegais para campanhas políticas.

PUBLICIDADE

O ranking Melhores Empresas da Bolsa adotou critérios quantitativos e qualitativos para analisar as companhias de capital aberto. A análise considerou um período de três anos, de 31 de dezembro de 2017 a 31 de dezembro de 2020. Os dados quantitativos foram avaliados pela Economatica e os qualitativos, pelo Ibmec (veja a metodologia completa).

Quer trabalhar como assessor de investimentos? Entre no setor que paga as melhores remunerações de 2021. Inscreva-se no curso gratuito “Carreira no Mercado Financeiro”.

CEOs da Localiza, Qualicorp e Totvs falam sobre o impacto da reforma tributária nas companhias

SÃO PAULO – A reforma tributária está sendo acompanhada de perto pelas empresas de capital aberto e por seus acionistas. Para os CEOs de empresas como Localiza (RENT3), Qualicorp (QUAL3) e Totvs (TOTS3), a conclusão da reforma ainda é incerta. Mesmo assim, o foco das três companhias está mais em crescimento e menos em distribuição de dividendos.

A reflexão veio de um painel realizado durante o evento Melhores da Bolsa 2021. O evento celebra o ranking das empresas de capital aberto mais relevantes do país. O Melhores da Bolsa analisa critérios quantitativos e qualitativos das empresas de capital aberto num período de três anos – o objetivo de escolher um período superior a um ano é valorizar a consistência de resultados.

Veja as premiadas em todos os setores e se inscreva para acompanhar os próximos painéis do evento. A Totvs foi eleita a melhor empresa do setor de tecnologia no Melhores da Bolsa 2021. Já a Localiza foi considerada a melhor empresa do setor de consumo. Por fim, a Qualicorp foi a ganhadora entre as empresas do setor de saúde.

Os CEOs dessas empresas participaram de uma mesa redonda durante o Melhores da Bolsa 2021. Dennis Herszkowicz, Bruno Lasansky e Bruno Lasansky falaram sobre a reforma tributária; sobre adaptação das companhias à pandemia de Covid-19; e sobre tendências como movimento ESG entre as companhias de capital aberto.

Reforma tributária e impacto em dividendos e JCP

A segunda fase da proposta de reforma tributária, enviada ao Congresso pelo Ministério da Economia na sexta-feira (25), propôs medidas como a tributação de 20% sobre os dividendos pagos pelas empresas e a extinção do pagamento de proventos na forma de JCP (Juros Sobre o Capital Próprio).

A XP destacou que a medida dará um incentivo para empresas reterem lucros e reinvestirem em crescimento. Além disso, como ocorreu nos EUA, as empresas terão também um incentivo a fazer mais recompras de ações ao invés de pagar dividendos.

Essa análise foi corroborada pelos CEOs de Localiza, Qualicorp e TOTVS. “Fazemos uso sim de JCP, que está sendo discutido, e teremos de reavaliar em um cenário de mudança. Mas entendemos que ainda tem bastante discussão pela frente nessa reforma”, disse Lasansky.

O CEO destacou a Localiza como empresa em expansão. “Usamos o caixa gerado pela operação para apostar em avenidas de crescimento. O segmento de mobilidade é uma opção segura em um contexto de pandemia. A penetração de aluguel de carros no país como um todo ainda tem bastante espaço. Nossa política tem sido majoritariamente alocar capital, por geração de caixa e por geração de dívida, para tais avenidas.”

PUBLICIDADE

Já Blatt destacou que houve recentemente uma distribuição “bastante agressiva” de dividendos na Qualicorp. Foram mais de R$ 570 milhões no ano, equivalendo a quase R$ 2 por ação. Agora, o CEO destacou que os ganhos da companhia serão mais focados em crescimento – seja pela operação atual ou por fusões e aquisições (M&As).

“Somos uma empresa geradora de receita e asset light. Essas características da companhia vão perdurar. Crescemos organicamente e existem diversos M&As que fazem sentido. Termos caixa para seguir consolidando e expandindo regionalmente, buscando oportunidades que vão agregar valor ao cliente e ao setor, está como prioridade em comparação com a distribuição de dividendos.”

Já a Totvs destacou que já não costumava fazer distribuição agressiva de dividendos. “O impacto na Totvs não é gigantesco porque não somos uma grande pagadora de dividendos, porque temos um múltiplo alto. O yield é proporcionalmente baixo, girando em cerca de 1% a 1,5% ao ano. Já temos um uso grande da rentabilidade gerada em crescimento orgânico e aquisições”, concordou Herszkowicz.

Leia mais
CEO da RD Station: venda à Totvs mostra que sucesso na tecnologia vai além das empresas “pops”, como Facebook

Os executivos ressaltaram que a proposta ainda deve passar por mudanças, então mudanças na política de distribuição de dividendos em suas companhias ainda não estão fechadas. O CEO da Totvs, porém, ressaltou que é preciso se aprofundar na discussão para não levar a um aumento de carga tributária para as empresas.

“Tudo que desonere pessoas e companhias é muito bem-vindo, mas temos que tomar cuidado para ver se o efeito será neutro e para não prejudicar empresas que vão bem. Quando você taxa de determinada maneira, pode eventualmente beneficiar empresas que usam dívidas versus empresas que usam capital próprio, como no caso [da extinção de] JCP.”

O governo propôs a redução do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica dos atuais 15% para 12,5% no próximo ano e para 10% a partir de 2023. Paulo Guedes, ministro da Economia, ressaltou que a alíquota poderia cair para 10% já em 2022.

Contextos diferentes, resultados fortes

Dennis Herszkowicz, CEO da Totvs, creditou a resiliência da empresa frente à pandemia ao fato de a Totvs fornecer serviços críticos para as companhias atendidas. A Totvs é focada em softwares de gestão empresarial e atende 40 mil negócios em 13 segmentos. “Se pararmos de funcionar, o cliente vai ter dificuldade de operar no dia seguinte. É um momento complexo, mas conseguimos uma performance muito importante. A companhia conseguiu crescer forte no ano passado e segue crescendo forte no começo deste ano”, disse Herszkowicz.

PUBLICIDADE

Leia mais
25% do PIB do Brasil passa pela Totvs (TOTS3); como a empresa usa isso para crescer

Já Bruno Lasansky, CEO da Localiza, desenhou um contexto diferente para o setor de mobilidade: a mobilidade foi bastante afetada pela pandemia de Covid-19. Lasansky afirma que a Localiza se organizou em quatro frentes: tarifas especiais para clientes; trabalho remoto, telemedicina e eventuais carros de locomoção para os funcionários; operação ajustada para devolução simultânea de diversos veículos; e reforço no caixa.

A maior companhia de aluguel de veículos e gestão de frotas do país divulgou que teve lucro líquido de R$ 482,3 milhões no primeiro trimestre, mais que o dobro (108,9%) do desempenho do mesmo período do ano passado.

Bruno Blatt, CEO da Qualicorp, também afirma que o setor de saúde foi afetado pela pandemia de Covid-19. A empresa de planos de saúde suplementares investiu R$ 16 milhões especificamente no combate à pandemia, por meio da criação de hospitais de campanha e de mais leitos. Blatt também reforçou adaptações internas, como troca de lideranças e foco em áreas como atendimento ao consumidor e crescimento.

A Qualicorp tem hoje 40 mil corretores de seguros. No painel, Blatt destacou o potencial do mercado de planos de saúde suplementares. “Dos 210 milhões brasileiros, apenas 48 milhões tem algum tipo de proteção”, disse o CEO.

Esforços em ESG

Uma tendência entre as companhias de capital aberto é o movimento ESG. A sigla se refere a adotar práticas que sustentam as esferas ambiental, social e de governança – e recentemente foi mais incorporada por gestores de ativos e de empresas.

Segundo Herszkowicz, o ESG é uma tendência “imprescindível e sem volta”. “Não faz sentido você imaginar que existem empresas que não se preocupam com governança, transparência, inclusão, diversidade e meio ambiente num ambiente de Bolsa. É impensável. Não tenho dúvidas de que a relevância do ESG só vai aumentar. Quem demorar também vai ser atropelado, como na tecnologia”, disse Herszkowicz. O CEO exemplifica que a Totvs ajuda seus cerca de 40 mil clientes a reduzirem a pegada de carbono.

“Temos que fazer porque é o certo, mais do que para agradar investir ou cumprir regras de ESG. Estamos fazendo isso há pouco tempo na companhia, estamos passando por uma grande transformação nos últimos 17 meses”, completa Blatt, referindo-se ao tempo desde que assumiu como CEO da Qualicorp. Blatt afirma que mais de 70% da Qualicorp são mulheres, 55% delas em cargo de liderança. 30% dos funcionários se reconhecem como pretos ou pardos, e 20% deles estão em cargos de liderança.

PUBLICIDADE

Lasansky afirma que o cenário atual só reforçou a preocupação com o ESG. “A pandemia trouxe uma oportunidade de mostrar a diferença que as empresas podem ter num cenário como esse. Elas têm um papel que vai além de gerar valor aos clientes, colaborar e acionistas”, afirmou o CEO da Localiza. Lasansky ressaltou iniciativas da companhia na esfera ambiental, como neutralização da pegada de carbono, tratamento de resíduos, lavagem a seco, uso de painéis solares nas agências e educação no trânsito.

Melhores da Bolsa

InfoMoney premia anualmente as melhores empresas da Bolsa, com base num ranking exclusivo feito pela provedora de serviços financeiros Economatica e pela escola de negócios Ibmec.

O ranking analisa critérios quantitativos e qualitativos das empresas de capital aberto num período de três anos – o objetivo de escolher um período superior a um ano é valorizar a consistência de resultados (leia mais sobre a metodologia abaixo). Com base nesses critérios, são premiadas as melhores empresas entre os principais setores da Bolsa, e também a melhor companhia do mercado.

A pesquisa indica ainda qual é a grande revelação do mercado: a empresa que se destacou entre as que abriram capital há menos de três anos. Essa companhia ainda será revelada no evento do Melhores da Bolsa 2021.

As estratégias dos melhores investidores do país e das melhores empresas da Bolsa, premiadas num ranking exclusivo: conheça os Melhores da Bolsa 2021

Simpar propõe fusão de operações de aluguel de veículos; Ultrapar vende fatia da ConectCar, parceria Qualicorp-Banco Inter e mais

SÃO PAULO – Além de seguir repercutindo os impactos da proposta de reforma tributária enviada pelo governo ao Congresso na última sexta-feira (25) para o mercado acionário, o noticiário também conta com o movimento de reorganização societária na Movida e na Simpar, a venda de fatia da ConectCar pela Ultrapar à Porto Seguro, parceria entre banco Inter e Qualicorp, entre outros destaques. Confira no que ficar de olho:

O BofA elevou a recomendação para as ações da CVC de underperform (desempenho abaixo da média do mercado) para compra, com preço-objetivo de R$ 33.

Simpar (SIMH3) e Movida (MOVI3)

A Simpar informou em fato relevante na noite desta sexta-feira que os Conselhos de Administração da Movida e da CS Participações aprovaram os documentos finais da reorganização societária, com o objetivo de integrar os negócios da Movida e da CS Frotas, conforme divulgado no dia 3 de fevereiro de 2021.

A incorporação de ações e documentos correlatos serão submetidos à aprovação dos acionistas da Movida e da CS Participações em assembleias convocadas para o próximo dia 26 de julho.

De acordo com o documento, a reorganização representa a possibilidade de a Movida atuar no mercado de gestão de frotas (GTF) leves no setor público, atualmente explorada pela CS Frotas no âmbito do grupo Simpar.

“A Movida, se implementada a reorganização, se tornaria a segunda maior companhia de GTF leves do Brasil”, diz o fato relevante.

“Embora já esperada (a intenção de incorporação foi anunciada em 21 de fevereiro), damos as boas-vindas à transação potencial, pois: (i) faz sentido estratégico para Simpar e Movida; e (ii) o valuation implícito parece justo também para ambos os grupos de acionistas”, destaca a XP, que reitera a visão positiva (e recomendações de Compra) para Simpar e Movida.

Ultrapar (UGPA3)

O conglomerado industrial Ultrapar anunciou na sexta-feira (25) a venda de sua participação de 50% na empresa de meios de pagamento eletrônico ConectCar, que atua na abertura de cancelas de pedágios e estacionamentos. A fatia foi vendida para a Portoseg, unidade da Porto Seguro, por R$ 165 milhões, valor sujeito a ajustes. Trata-se da segunda venda de ativos por parte da Ultrapar, que está se consolidando nos segmentos de distribuição de combustíveis e petróleo e gás. Em meados de maio, a Ultrapar anunciou a venda de sua rede de drogarias Extrafarma para a Pague Menos por R$ 700 milhões.

PUBLICIDADE

A Equatorial Energia venceu na sexta-feira o leilão de privatização da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), responsável pela distribuição de energia no Estado do Norte do país. Como vencedora, a Equatorial deverá responder por R$ 3 bilhões de investimentos pelo período de 30 anos. No certame, a companhia fez a única oferta pela CEA, que foi adquirida por um valor simbólico. O novo controlador, porém, terá de assumir passivos precificados em cerca de R$ 1 bilhão

Qualicorp (QUAL3) e Banco Inter (BIDI11)

A Qualicorp Consultoria e Corretora de Seguros comunicou o lançamento de uma parceria com o Banco Inter e Inter Digital Corretora de Seguros para comercialização de planos de saúde coletivos por adesão.

“A iniciativa, inédita no setor, permitirá aos mais de 11 milhões de clientes do Inter a contratação de produtos do portfólio da Quali de forma 100% digital, facilitando e ampliando o acesso a planos de saúde. Por meio do aplicativo do Inter, os correntistas interessados na contratação do plano poderão, de maneira simples, escolher um dos diversos produtos oferecidos na plataforma da Quali por mais de 20 operadoras de saúde, como Amil, Bradesco, Grupo NotreDame Intermédica, Hapvida, SulAmérica e empresas do sistema Unimed, entre outras”, afirma o comunicado.

A Qualicorp destaca que, caso não seja filiado a nenhuma entidade profissional, o cliente poderá realizar digitalmente sua filiação a uma associação de classe. Inicialmente, será possível se filiar, por meio do aplicativo, a sete entidades ligadas a profissionais liberais, servidores públicos, estudantes, consultores empresariais, administradores, advogados e bacharéis
em Direito. A filiação às demais categorias profissionais, por enquanto, vai requerer suporte fora do aplicativo.

“Sem perder o foco no principal canal de distribuição da Quali, que conta hoje com mais de 40 mil corretores de seguros, o acordo com o Inter representa mais um passo importante na transformação da Companhia em uma empresa multiplataforma e multicanal. Desta maneira, a Quali passa a ter mais um importante parceiro em sua missão de ampliar o acesso à saúde de boa qualidade”, destacou a Qualicorp.

Já o banco BR Partners ganhou a licitação para fazer a avaliação do grupo Eletrobras em seu processo de capitalização. A seleção ocorreu após o envio, pelos bancos contatados de propostas, que foram posteriormente analisadas pela companhia.

A avaliação econômico-financeira é um dos primeiros passos para que a estatal caminhe para sua privatização. Na última semana, a Câmara dos Deputados aprovou o parecer da Medida Provisória que permite a saída da União do controle da empresa de energia elétrica.

Ainda em destaque, a Ambipar fechou  a compra de 100% da Disal Ambiental Holding, atuante há 40 anos com soluções de gestão ambiental no Chile, Peru e Paraguai, com foco na gestão de resíduos industriais, com tratamento e coleta de sólidos e líquidos perigosos.

Enauta ([ativo-ENAT3])

PUBLICIDADE

A Enauta informou que foi assinado o aditivo ao contrato de concessão, concluindo o processo de cessão dos 50% de participação da Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás no Bloco BS-4, onde está localizado o Campo de Atlanta, para a Enauta Energia,, subsidiária integral da Companhia. A partir da assinatura, a companhia passa a reconhecer 100% dos resultados de Atlanta em suas demonstrações financeiras, ante os 50% de participação detidos anteriormente.

Atualmente, o Campo de Atlanta opera por meio de dois poços. Nas próximas semanas, um terceiro poço retornará à produção. A produção reportada pela companhia aumenta de aproximadamente 9.000 para 18.000 barris de óleo por dia imediatamente, sendo ampliada para cerca de 22.500 barris de óleo por dia após a entrada do terceiro poço, volumes que representam recordes de produção de petróleo para a Enauta.

“Adicionalmente, estão em andamento atividades para ampliar a capacidade de tratamento de água no FPSO e aumentar a produção de óleo, com a conclusão da primeira etapa prevista até o final deste ano. Além disso, a Enauta avalia a possibilidade de antecipar a perfuração do quarto poço no Campo”, informou a empresa.

O montante de US$ 43,9 milhões devido pela Barra Energia à Enauta Energia, referente às operações de abandono futuro dos três poços e ao descomissionamento das facilidades existentes no Campo de Atlanta, será pago ainda em junho de 2021.

A Cielo anunciou na sexta que Mauro Ribeiro Neto renunciou ao cargo de presidente do Conselho de Administração, deixando de fazer parte também do conselho. O conselheiro Gustavo de Souza Fosse também apresentou carta de renúncia.

Também na sexta, foi aprovada a eleição de José Ricardo Fagonde Forni e Ênio Mathias Ferreira, indicados pelo BB Elo Cartões para substituir Mauro Ribeiro Neto e Gustavo de Souza Fosse, respectivamente.

A Petrobras informou que iniciou nesta segunda-feira licitação internacional, na modalidade EPC (engenharia, suprimento e construção), para implantação de uma nova unidade de hidrotratamento de diesel e os sistemas auxiliares necessários, visando à adequação e modernização do parque de refino de Paulínia (SP), onde está a maior refinaria da empresa.

Com o projeto, a Replan será capaz de produzir 100% de óleo diesel de baixo teor de enxofre (S-10) e aumentar a produção de querosene de aviação (QAV), visando o atendimento das especificações e quantidades demandadas pelo mercado.

PUBLICIDADE

A refinaria de Paulínia é uma das unidades que não integra o plano de desinvestimento.

A nova unidade de hidrotratamento de diesel terá capacidade de produção de 10.000 m³/dia de diesel S-10 e sua entrada em operação está prevista para ocorrer em 2025, em linha com o Plano Estratégico 2021-2025.

Inaugurada em maio de 1972, a Replan tem capacidade de processamento de carga de 69 mil m³/dia, o equivalente a 434 mil barris por dia.

A CCR divulgou dados da última semana, indicando que as estradas com pedágio indicaram tráfego estável em comparação com o mesmo período de 2019, ano anterior à pandemia, com redução de 0,3% em relação à semana imediatamente anterior. O tráfego de passageiros em concessões urbanas caiu 35% em relação a 2019, mas subiu 7,7% em relação à semana imediatamente anterior. E o tráfego em aeroportos caiu 46% em relação a 2019 mas subiu 0,2% em relação à semana anterior.

O Bradesco BBI mantém avaliação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) para a CCR, e preço-alvo de R$ 18, frente aos R$ 13,34 negociados na sexta.

O Morgan Stanley publicou uma avaliação sobre a Suzano, em que afirma que a empresa fez progresso em relação a métricas de ESG. O banco diz que a empresa tem metas claras em relação a diversidade, inclusão e mudanças climáticas, com oportunidades de monetizar tendências de ESG, como expansão em produtos renováveis e venda de crétidos de carbono.

O banco destaca que entre as metas de diversidade e inclusão estão aumento da parcela de mulheres e funcionários negros em posições de liderança, de 19% e 21% em 2020 respectivamente para 30% em 2025. E alcançar um ambiente de trabalho 100% inclusivo em 2025, com base em metodologia de pesquisa adotada pela empresa. A empresa também tem a meta de retirar 200 mil pessoas da pobreza até 2030.

O Morgan Stanley também ressalta que a Suzano pretende reduzir de 0,21 tonelada de CO2 emitido por tonelada de produção em 2015 para 0,18 tonelada em 2030, com uso de tecnologia, como inteligência artificial para calcular rotas de logística, uso de caminhões elétricos, uso de energia renovável e substituição de gás natural por biomassa nas caldeiras. Além disso, a empresa tem a meta de capturar 40 milhões de toneladas de carbono da atmosfera em dez anos, frente ao sequestro líquido de 15 milhões de toneladas em 2020.

O banco diz que a gestão pretende monetizar a tendência de ESG por meio de novos produtos renováveis e soluções para substituir plástico por papel no mercado. Também vê oportunidades em explorar a bio-óleo, lignina e o setor têxtil. A meta da gestão é vender 10 milhões de toneladas em produtos renováveis até 2030

A gestão também afirma que identificou 22 milhões de toneladas de CO2 equivalente em créditos de carbono potenciais, e está negociando com possíveis compradores. As vendas de crédito podem, possivelmente, representar cerca de 2% da atual participação de mercado da Suzano.

Além disso, o Morgan Stanley diz que títulos atrelados a sustentabilidade vêm ganhando importância na estrutura de financiamento da Suzano. A empresa levantou US$ 2,8 bilhões por meio de títulos ligados a sustentabilidade, que representam 20% da dívida total da Suzano.

O banco mantém avaliação equal-weight (perspectiva de valorização dentro da média do mercado) e preço-alvo de R$ 85, frente aos R$ 58,41 negociados na sexta.

Mais ESG

O Morgan Stanley publicou uma avaliação sobre a governança ambiental e social (ESG na sigla em inglês) na América Latina, com um crescimento de 250% em investimentos sustentáveis em um ano, a US$ 2,4 bilhões.

O banco avalia que a penetração da ESG em apenas 0,2% dos ativos na América Latina indica o potencial de crescimento, levando em consideração o patamar de 1% nos Estados Unidos e de 20% na Europa.

Em sua análise, o banco lista empresas da América Latina cujos produtos e serviços podem contribuir para solucionar desafios de sustentabilidade. Entre empresas que avalia como overweight (perspectiva de valorização acima da média do mercado), ressalta Cesp, Traxion, Eletrobras e Ienova como com potencial para abordar questões ligadas a mudança climática. Copasa, Sanepar e Orbia são citadas como empresas capazes de lidar com gestão de recursos. Intermédica, Hapvida e Hypera são capazes de lidar com saúde e bem-estar. America Movil, Yduqs, Arco e PagSeguro podem lidar com inclusão.

Ensino superior

O Credit Suisse realizou uma reunião com o fundador e diretor da Educa Insights, especializada em ajudar empresas a aumentarem a matrícula de estudantes, a partir da qual realizou uma avaliação sobre o setor de ensino superior no Brasil.
O Credit diz que ainda há incertezas sobre a matrícula de novos alunos em ensino presencial para o segundo semestre de 2020, já que, segundo pesquisa da Educa, 43% dos potenciais alunos atrasaram a matrícula para 2022. Outros 26% estão aguardando a resolução da situação da pandemia.

O Credit avalia que restrições e incertezas ocasionadas pela pandemia devem atrasar a volta à normalidade da indústria para 2022. A demanda reprimida pode impulsionar os dados do ano que vem.

A Educa avalia que descontos têm sido a estratégia comercial mais eficaz para atrair e reter novos alunos, e diz que este fenômeno, junto ao ensino a distância e e hibridização, deve reduzir o tíquete médio por algum tempo. Também avalia que a oferta de financiamento privado continuará a cair.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

As estratégias dos melhores investidores do país e das melhores empresas da Bolsa, premiadas num ranking exclusivo: conheça os Melhores da Bolsa 2021

As melhores empresas da Bolsa: conheça as premiadas no ranking InfoMoney de 2021

SÃO PAULO – O InfoMoney premia anualmente as melhores empresas da Bolsa, com base num ranking exclusivo feito pela provedora de serviços financeiros Economatica e pela escola de negócios Ibmec.

O ranking analisa critérios quantitativos e qualitativos das empresas de capital aberto num período de três anos – o objetivo de escolher um período superior a um ano é valorizar a consistência de resultados (leia mais sobre a metodologia abaixo).

Com base nesses critérios, são premiadas as melhores empresas entre os principais setores da Bolsa – e também a melhor companhia do mercado.

A pesquisa indica ainda qual é a grande revelação do mercado: a empresa que se destacou entre as que abriram capital há menos de três anos.

Neste ano, as premiadas por setores são:

BR Distribuidora: melhor empresa do setor de petróleo, gás e biocombustíveis

Localiza: melhor empresa do setor de consumo

Taesa: melhor empresa do setor de utilidade pública

Totvs: melhor empresa do setor de tecnologia

Qualicorp: melhor empresa do setor de saúde

Unipar: melhor empresa do setor de materiais básicos

WEG: melhor empresa do setor de bens industriais

A vencedora do prêmio de melhor empresa da Bolsa e também a ganhadora do prêmio revelação do mercado serão conhecidas no evento online Melhores da Bolsa 2021, organizado em parceria pelo InfoMoney e pelo podcast Stock Pickers.

Durante o evento, que acontece de 29 de junho a 1 de julho, haverá painéis com os CEOs das empresas premiadas e também com grandes gestores e economistas do país.

Entre os confirmados, estão André Jakurski, sócio da gestora JGP, Dorio Ferman, sócio e gestor do banco Opportunity, Monica Saggioro, cofundadora da Maya Capital, Paulo Passoni, responsável por investimentos do Softbank na América Latina, e Cassiana Fernandez, economista-chefe para o Brasil do JP Morgan.

O InfoMoney e o Stock Pickers também farão entrevistas exclusivas com os CEOs das empresas premiadas, em que eles falarão sobre o que explica os bons resultados e quais são as perspectivas agora.

Entre os entrevistados, estão Wilson Ferreira Jr. (BR Distribuidora), Bruno Lasansky (Localiza), Dennis Herszkowicz (Totvs) e André Moreira (Taesa).

Saiba mais sobre o evento e inscreva-se aqui para receber os detalhes da programação e as entrevistas exclusivas com os CEOs.

Como o ranking foi feito

O ranking Melhores Empresas da Bolsa adota critérios quantitativos e qualitativos para analisar as companhias de capital aberto.

A parte quantitativa, feita pela Economatica, avaliou a rentabilidade e o desempenho das ações das empresas. Para a análise das ações, foi considerado o retorno absoluto e também o número de vezes que a ação teve um desempenho melhor que o do Ibovespa. O objetivo foi premiar as empresas cujos papéis tiveram um comportamento mais consistente.

A avaliação qualitativa, conduzida pelo Ibmec, considerou pontos como a composição do conselho de administração, a existência e a transparência de códigos de ética e de conduta, além do envolvimento da empresa em condenações e investigações

A análise considerou um período de três anos, de 31 de dezembro de 2017 a 31 de dezembro de 2020.

A pesquisa traz ainda um ranking revelação, que avaliou as companhias que têm capital aberto há menos de três anos (veja a metodologia completa).

BR Properties compra galpões em SP por R$ 156,5 mi, baixa de 6% do minério, Pátria eleva fatia na Qualicorp e mais notícias

SÃO PAULO – O noticiário corporativo tem como destaque o noticiário sobre BR Properties, que anunciou na véspera a compra de galpões comerciais, com uma área total de 62,7 mil metros quadrados em Jarinu (SP), por R$ 156,5 milhões.

A Qualicorp comunicou que a Pátria Investimentos elevou novamente sua participação na companhia, de 10% para 15,06% das ações ordinárias de emissão da empresa.

Os futuros do aço e do minério de ferro na China caíram nesta quarta-feira após a bolsa de futuros de Xangai ter alertado que avaliará “transações anormais” no mercado. O minério de ferro na bolsa de Dalian recuou 6,1%. Confira mais destaques:

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties anunciou na véspera a compra de galpões comerciais, com uma área total de 62,7 mil metros quadrados em Jarinu (SP), por R$ 156,5 milhões. Segundo a companhia, já foram pagos R$ 18,3 milhões e o restante será pago de acordo com o cronograma de construção. O empreendimento deve ser concluído até o segundo trimestre de 2022 e já está 100% pré-locado por 10 anos, disse a empresa.

O imóvel faz parte do complexo Brazilian Business Park, onde a BR Properties já tem outros quatro galpões e o contrato prevê a possibilidade de aquisições adicionais pela companhia.

O Credit Suisse elogiou a estratégia de arbitragem da empresa, e abertura para explorar diferentes formas de adicionar valor para os acionistas por meio do mercado de capitais, através de uma oferta pública do fundo. O banco mantém avaliação neutra para a BR Properties e preço-alvo de R$ 10.

O Itaú BBA destacou a notícia como positiva, dado o valuation decente e os drivers de crescimento sólido para o segmento industrial e de logística, que incluem maior penetração do comércio eletrônico.

As tarifas da unidade de distribuição de energia da Cemig ficarão estáveis para consumidores residenciais, enquanto subirão em média 1,2% se considerados todos clientes da companhia, segundo decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em reunião de diretoria de terça.

O movimento brando no reajuste tarifário da empresa foi possível principalmente devido ao uso de créditos tributários decorrentes da cobrança em contas de luz no passado de tributos depois considerados ilegais pela Justiça, destacaram representantes do regulador.

PUBLICIDADE

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais comunicou que enviou à Arsae-MG suas contribuições referentes à consulta pública que trata da terceira e última fase da segunda revisão tarifária da Copasa e a terceira revisão tarifária da Copanor. SOs resultados das revisões tarifárias devem ser divulgados no início de julho, com aplicação das novas tarifas no início de agosto.

A Copasa também informou que fez contribuições à consulta pública para a minuta de anteprojeto de lei que institui as Unidades Regionais de Saneamento Básico do Estado de Minas Gerais, encerrada em 21 de maio. A empresa abordou aspectos que poderão causar impacto em seus negócios, em especial sobre a indenização de ativos não amortizados, sobre a formação das Unidades Regionais e as questões societárias mais relevantes.

Qualicorp (QUAL3)

A Qualicorp comunicou que a Pátria Investimentos elevou novamente sua participação na companhia, de 10% para 15,06% das ações ordinárias de emissão da empresa. A Rede D’Or tem 25% de participação na Qualicorp.

“Acreditamos que o aumento contínuo da participação de investidores estratégicos serve como um catalisador para as ações (…).  É possível uma futura interferência na gestão da empresa”, afirma o Credit Suisse.

Vale (VALE3) e minério

Os futuros do aço e do minério de ferro na China caíram nesta quarta-feira após a bolsa de futuros de Xangai ter alertado que avaliará “transações anormais” no mercado, que somou-se a tentativas anteriores do governo de controlar a alta das commodities por meio de avisos.

O vergalhão de aço para construção na bolsa de Xangai encerrou o pregão diurno com queda de 6%, a 4.667 iuanes (US$ 729,79) por tonelada, após ter chegado a tocar mais cedo 4.661 iuanes, o menor nível desde 24 de março.

O minério de ferro na bolsa de Dalian recuou 6,1%, para 994,50 iuanes por tonelada, pouco acima da mínima do dia de 992 iuanes, menor nível desde 12 de abril.

A queda nos mercados de aço se intensificou durante a tarde e derrubou matérias-primas, depois que o presidente do conselho da bolsa de Xangai disse em um evento que a bolsa “acompanhará de perto as mudanças no mercado e investigará vigorosamente transações anormais”. Na bolsa de Cingapura, o minério de ferro caiu quase 6%.

PUBLICIDADE

A sessão há havia começado com pressão no mercado devido à chegada da época de chuvas no sul da china e as altas temperaturas no norte, que desaceleram atividades de construção e podem afetar negativamente a demanda por aço e minério de ferro.

BR Distribuidora (BRDT3)

O Bradesco BBI comentou o impacto da transição para a energia renovável para a BR Distribuidora, uma prioridade para a empresa, que atualmente está exposta a combustíveis fósseis.

Na avaliação do banco, para manter a dívida líquida abaixo de 2,5 vezes o Ebitda, o nível ótimo de pagamento de dividendos da empresa após 2025 será de 60%. Isso deverá permitir à empresa mudar para energias mais limpas, mantendo um rendimento de 5,4% até 2050, diz o banco.

O Bradesco mantém avaliação outperform (expectativa de valorização acima da média do mercado) para a empresa, e preço-alvo de R$ 31.

PagSeguro (NYSE: PAGS)

O Bradesco BBI elevou a avaliação da PagSeguro de underperform (expectativa de valorização abaixo da média do mercado) para outperform, devido a opcionalidades do PagBank. O banco também revisou o preço-alvo de US$ 25 para US$ 56, frente a US$ 46,77 de fechamento na terça para os papéis PAGS, na Bolsa de Nova York.

O banco acredita que o primeiro semestre desafiador em 2021 já está precificado nas expectativas do mercado. E que os indicadores da PagSeguro no segundo semestre devem ser mais encorajadores.

Banco do Brasil (BBAS3)

A Previ, caixa de previdência dos empregados do Banco do Brasil, anunciou na véspera que seu presidente, José Maurício Pereira Coelho, renunciou ao cargo na véspera. A entidade não informou se um substituto foi nomeado para substituir Coelho, que deve ficar no cargo até 14 de junho.

As ações do BB, que já operavam em queda na sessão de terça, intensificaram as perdas por volta das 16h, conforme as primeiras notícias a respeito da mudança no fundo de pensão foram publicadas na imprensa. No fim da sessão, os papéis encerraram com queda de 1,3%, negociados a R$ 32,44 – saiba mais clicando aqui.

PUBLICIDADE

Na véspera, as ações da Cielo lideraram a alta do Ibovespa ao subirem 7,63% depois de reportagem do portal Neofeed de que a Alelo terá uma plataforma própria de adquirência. Assim, a empresa de fidelidade deixará de usar a maquininha de cartão da Cielo. A notícia mais uma vez levantou a possibilidade de cisão entre o Bradesco e o Banco do Brasil, sócios controladores da companhia, que também controlam a Alelo.

Embora a notícia seja negativa para a líder do mercado das maquininhas e serviços financeiros relacionados, ela trouxe à tona — mais uma vez — a possibilidade de cisão entre os sócios controladores da Cielo – Bradesco e o Banco do Brasil – que também são controladores da Alelo. A empresa de benefícios e serviços financeiros faz parte do grupo Elopar, uma holding controlada pelos dois bancos.

Em esclarecimento à CVM e à B3, a Cielo afirmou que desconhece ato ou fato relevante não divulgado a respeito de suas atividades que possa ter dado causa às oscilações das ações e destacou ainda que consultou seus executivos, que registraram desconhecer atos ou fatos relevantes que deveriam ser divulgados ao mercado.

Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e Latam Brasil

O noticiário sobre consolidação das aéreas também segue no radar: reportagem do jornal Valor afirma que a Azul iniciou uma estratégia para tentar comprar a operação da Latam no Brasil. Segundo o jornal, a empresa aérea tenta costurar um acordo com empresas de leasing de credoras da concorrente e, a partir desse apoio, impulsionar a proposta de compra da empresa dentro do processo de recuperação judicial, que corre nos Estados Unidos.

Contudo, o grupo Latam não pretende se desfazer de sua operação brasileira, de acordo com o presidente da empresa no Brasil, Jerome Cadier. “Não há nenhuma intenção de separar a operação Brasil do grupo. A força da Latam está na complementaridade das operações (nos diferentes países). Separar não faz sentido econômico para o grupo”, disse o executivo.

Ainda no radar do setor, a Gol anunciou suas perspectivas preliminares gerais e projeções financeiras para o segundo semestre de 2021. A empresa diz que observou em maio “uma melhora significativa nas suas vendas de viagens aéreas no mercado doméstico”, e diz acreditar que o avanço na vacinação está contribuindo para o tráfego aéreo.

A empresa elevou sua expectativa para o segundo trimestre sobre a taxa de ocupação de 79% para 81%. E diz esperar que custos unitários recorrentes sejam 40% inferiores em comparação com os do segundo trimestre de 2020. A estimativa anterior era de que fossem 27% inferiores.

A Gol diz que a aquisição da participação minoritária na Smiles deve ser concluída em 23 de junho. A Gol espera realizar até o final do segundo trimestre quase R$ 3 bilhões de novas emissões de capital. Isso inclui aumento de capital de até R$ 512 milhões pelo acionista controlador, R$1,5 bilhão por meio do Programa Garantido da Companhia, e a emissão de ações pela Gol para compra da participação minoritária na Smiles.

A aérea também ressaltou que quitou empréstimo de curto prazo de US$ 250 milhões, que recebeu em agosto de 2020. A empresa diz que prevê estar bem posicionada para se beneficiar do crescimento do mercado doméstico brasileiro de transporte aéreo, cujo início prevê para junho de 2021.

Banco Inter (BIDI11)

As units do Banco Inter vão começar a ser negociadas ex-desdobramento, na proporção de um para três, na sessão desta quarta-feira.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Aprenda a identificar os produtos financeiros para blindar seu patrimônio contra o “Risco Brasil”. Inscreva-se no curso gratuito.