Follow on em 2021, vendas online e foco na classe emergente: como a RNI, da Rodobens, planeja virar o jogo

SÃO PAULO — A incorporadora RNI Negócios Imobiliários (RDNI3), do grupo Rodobens, tem algumas apostas para virar o jogo e “sair da sombra do mercado“: atuação regionalizada em lugares onde o agronegócio é forte, reforço das vendas online para fazer frente à demanda da pandemia (a modalidade já correspondeu a 10% das vendas no segundo trimestre), foco em clientes emergentes (faixa três do Casa Verde e Amarela e faixa Supereconômica) e, se o cenário permitir, uma oferta de ações (follow on) ainda em 2021.

A estratégia tem mostrado resultado: no primeiro trimestre deste ano, ela registrou lucro líquido de R$ 5,4 milhões, ante prejuízo de R$ 7,3 milhões no mesmo período de 2020; já no segundo trimestre, houve lucro de R$ 1,3 milhão, revertendo prejuízo de R$ 6,2 milhões um ano antes. Sem o desconto da participação dos minoritários, o resultado líquido da empresa ficou em R$ 3 milhões no período.

Leia também:

“O cliente do supereconômico é um cliente emergente. Quem é ele? É alguém que comprou algum produto dentro do programa [Casa Verde e Amarela] e ele depois quis ter algo um pouco melhor. Aí eu tenho para oferecer para ele um produto que é imediatamente após. No Brasil, essa faixa era desassistida: ou as empresas operavam dentro do programa ou operavam no SBPE, em torno de R$ 380 mil, R$ 450 mil. Pelo menos na macroregião onde nós atuamos, é uma demanda real e a gente consegue fazer conversão [de venda]”, disse Carlos Bianconi, CEO da RNI, em live do InfoMoney.

A live faz parte do projeto Por Dentro dos Resultados, em que o InfoMoney entrevista CEOs e diretores de importantes companhias de capital aberto, no Brasil ou no exterior. Eles falam sobre o balanço do segundo trimestre de 2021 e sobre perspectivas. Para acompanhar todas as entrevistas da série, se inscreva no canal do InfoMoney no YouTube.

Henrique Ravazzi, gerente de relações com investidores da companhia e que também participou da live, destacou o forte landbank da companhia no segundo trimestre, de R$ 5,6 bilhões, com os terrenos em permuta. “Eu faço menção ao primeiro semestre de 2019 porque foi quando a companhia iniciou a revisão do seu planejamento estratégico e consequentemente a mudança do seu landbank [banco de terrenos]. Já tivemos um crescimento de 144%”, disse.

Os executivos comentaram ainda sobre o aumento da Selic, que, segundo eles, não assusta (a empresa considerou em seu plano estratégico uma taxa de juros entre 5% e 8% neste ano), falaram também sobre repasses nos preços da inflação de materiais de construção e revisão de contratos trocando indexador IGP-M por IPCA, além de investimentos em inovação. Assista à entrevista completa acima, ou clique aqui.

Quer atingir de uma vez por todas a consistência na Bolsa? Assista de graça ao workshop “Os 4 Segredos do Trader Faixa Preta” com Ariane Campolim.

PUBLICIDADE

Como a força do agronegócio ajudou a RNI Rodobens na pandemia: “o ano que mais conseguimos crescer”

SÃO PAULO – A temporada de resultados do quarto trimestre mostrou que muitas empresas brasileiras, mesmo com a pandemia do coronavírus, conseguiram entregar bons resultados em 2020, mas no caso da RNI (RDNI3), incorporadora do grupo Rodobens, o ano passado foi o de maior desenvolvimento da companhia.

E boa parte desse bom resultado no ano passado se deu por conta do setor de atuação da companhia, que é voltada para a baixa renda — em especial o programa do governo Casa Verde Amarela —, e também no interior do país, em regiões com maior atuação do agronegócio.

“Crescemos e nos desenvolvemos no interior do Brasil, onde existe uma resiliência de renda […] A pandemia trouxe muitas preocupações, mas foi o ano que mais conseguimos desenvolver a empresa, tivemos recorde em tudo”, disse Carlos Bianconi, CEO e diretor de Relações com Investidores da RNI, em live do InfoMoney nesta segunda-feira (29)..

Segundo o executivo, por estar longe dos grandes centros do país, a companhia consegue explorar mais esse setor da economia que “emprega o ano todo”, que seria a agropecuária. “[Nos segmentos] de supereconômico e baixa renda, nós temos um déficit habitacional importante, e o cliente assalariado ou com capacidade de renda acaba buscando sempre trocar o valor do aluguel pela parcela da casa própria, e é aí que nós atuamos”, explica.

Bianconi ressalta ainda as curvas crescentes de lançamentos e vendas da companhia em 2020 e que deve se manter este ano. Já Henrique Ravazzi, gerente de relações com investidores da companhia, destaca ainda que a estratégia da RNI no lado digital para driblar os impactos da pandemia tem tido bons resultados e foi bem aceita pelos clientes.

A entrevista faz parte do projeto Por Dentro dos Resultados, no qual CEOs e outros executivos importantes de empresas da Bolsa comentam os balanços do quarto trimestre de 2020 e o desempenho anual das companhias, e falam também sobre perspectivas. Para não perder as próximas lives, que acontecem até o início de abril, se inscreva no canal do InfoMoney no YouTube.

Por Dentro dos Resultados
Participe do evento e baixe um ebook gratuito para aprender a identificar as melhores empresas da Bolsa:

O CEO da empresa também relembrou a live que fez com o InfoMoney em novembro do ano passado, em que dizia que a RNI estava “na sombra do mercado”, dizendo que sente que o cenário ainda é o mesmo porque a ação da companhia ainda não tem subido forte.

“A gente sabe que o principal motivo é a falta de liquidez”, destaca. Neste cenário, ele afirma que a companhia estava pronta para realizar uma oferta de ações (follow on), o que ajudaria a aumentar a liquidez, mas o plano foi adiado por conta do mau humor do mercado neste início de ano.

PUBLICIDADE

Segundo Bianconi, porém, os planos para a oferta continuam: “dentro de casa estamos fazendo a lição e cuidando da companhia […] vamos esperar que a Bolsa volte para um cenário mais positivo para retomar [a oferta]”.

Sobre as perspectivas, o executivo destaca que mantém o otimismo que tinha desde o ano passado, mesmo com a pressão da pandemia e das contas públicas do País. Os dois pontos que eles estão mais atentos e que podem gerar alguns desafios nos próximos meses são a alta dos juros e o custo dos materiais de construção, mas que a empresa está preparada para lidar com isso. Assista à live completa acima.

Por Dentro dos Resultados
Participe do evento e baixe um ebook gratuito para aprender a identificar as melhores empresas da Bolsa:

“Vamos ter rentabilidade fortíssima e vamos sair da sombra do mercado”, diz CEO da RNI Rodobens

SÃO PAULO — Com foco na baixa renda, a construtora RNI Rodobens (RDNI3) registrou lucro líquido de R$ 2,2 milhões no terceiro trimestre deste ano, uma queda de 40% na comparação anual, reduzindo o prejuízo acumulado no ano para R$ 10,8 milhões. Segundo o CEO e diretor de relações com investidores da companhia, Carlos Bianconi, ela fez a lição de casa e deve continuar expandindo rentabilidade no último quarto deste ano e, principalmente, a partir de 2021.

“O volume de negócios está crescendo e a execução de obras e rentabilidade. Então, no quarto trimestre de 2020, com certeza nós vamos ter a geração consistente de resultado. Então, deveremos ter sim uma condição melhor de resultado”, disse. “Estamos abaixo do book value. Uma companhia que não vinha lançando volume de negócios que vem fazendo agora e estamos entregando, com certeza nós vamos ter rentabilidade fortíssima nos próximos períodos”, completou.

Ele participou nesta sexta-feira (13) de uma live no InfoMoney da série Por Dentro dos Resultados, onde executivos de importantes empresas da Bolsa apresentam os principais destaques financeiros do terceiro trimestre, comentam os números e falam sobre perspectivas.

Por Dentro dos Resultados
CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:

Bianconi explicou que a empresa divide seus resultados em duas fases: uma que considera a estratégia atual da empresa, adotada em 2018, de focar em empreendimentos para a classe baixa, e outra que inclui na conta os empreendimentos da fase anterior, com obras destinadas a outros públicos.

“Estamos com o estoque da fase anterior praticamente zerados e ampliando as obras novas. Nós não vamos mudar nossa estratégia. Vamos seguir com foco no Minha Casa Minha Vida, mesmo com as mudanças propostas pelo governo no novo Casa Verde-Amarela. Trabalhamos principalmente em regiões com avanço do agronegócio, com potencial forte”, destacou.

Ele afirmou que a companhia vai “sair da sombra do mercado” e continuar crescendo. “A palavra é: nós estamos saindo da sombra do mercado. A RNI sempre foi uma empresa muito low profile, de não se mostrar muito ao mercado. Então nós estamos vindo até vocês para mostrar que realmente nós temos uma possibilidade de ganho para quem quiser entrar no papel. Ainda dá para entrar. A gente vê lá que tem muita proposta na Bolsa de compra, mais de compra do que de venda, mas ainda não reflete a realidade do papel. Então, tem espaço sim, e os números estão vindo e virão muito mais fortes”, disse.

O CEO da RNI Rodobens falou ainda sobre as perspectivas para a taxa Selic e os efeitos de uma alta dos juros no setor imobiliário, o patamar da inadimplência na pandemia, o desenvolvimento de uma plataforma de e-commerce e a intenção de crescer com baixo endividamento, utilizando o funding de clientes que compram na planta. Assista à live acima.

Treinamento gratuito do InfoMoney mostra como encontrar oportunidades de investimentos escondidas nos gráficos e fazer a primeira operação. Assista aqui!

PUBLICIDADE