Lula venceria Bolsonaro no 1º e 2º turnos, mostra pesquisa CNT/MDA

PR - SEGUNDA INSTÂNCIA/STF/LULA/SOLTURA - POLÍTICA - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, discursa após deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, na tarde desta sexta-feira, 08. A ordem de soltura do petista foi dada pelo juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal de Curitiba, menos de 24 horas depois de o Supremo Tribunal Federal declarar inconstitucional a prisão após condenação em segunda instância-caso de Lula. Lula estava preso desde 7 de abril do ano passado, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. O petista está inelegível e responde a outros processos, situação que por enquanto não muda, mesmo que ele seja libertado. 08/11/2019 - Foto: JASON SILVA/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO (JASON SILVA/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO)

BRASÍLIA (Reuters) – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vence o presidente Jair Bolsonaro nas simulações de primeiro e segundo turnos da eleição presidencial do ano que vem, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada nesta segunda-feira, que também indicou uma forte rejeição a Bolsonaro.

No primeiro turno, em uma pesquisa estimulada, Lula (PT) tem 41,3% das intenções de voto, Bolsonaro (sem partido) aparece com 26,6%, Ciro Gomes (PDT) e o ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro (sem partido) somam 5,9% cada um, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fica com 2,1%, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) registra 1,8%, votos brancos e nulos somam 8,6% e indecisos 7,8%.

Num eventual segundo turno, Lula bateria Bolsonaro por 52,6% a 33,3%. Ciro também venceria o atual presidente em um eventual segundo turno, por 43,2% a 33,7%. Bolsonaro aparece numericamente à frente, mas dentro da margem de erro num confronto com Doria, 36,3% a 33,5%.

O levantamento, feito pelo instituto MDA para a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), também questionou os entrevistados sobre o que é mais importante para as eleições para presidente da República em 2022, e 45,1% dos ouvidos disseram que o mais importante seria Bolsonaro não ser reeleito. Outros 27,7% afirmaram que o mais relevante seria Lula não ser eleito e 21,2% disseram que não é nenhuma das duas opções.

A pesquisa indagou ainda qual o preferência dos entrevistados para a eleição presidencial, e 40,3% disseram que é Lula vencer e voltar a ser presidente, 30,1% afirmaram que preferem que um candidato que não seja ligado nem a Lula nem a Bolsonaro vença e 25,1% optaram pela reeleição do atual presidente.

Além disso, apontou o levantamento, 61,8% dos entrevistados afirmaram que não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum. Outros 22,8% disseram que votariam nele com certeza e ainda 11,6% poderiam votar nele.

A sondagem apontou que Lula tem o menor nível de rejeição entre os nomes colocados, com 44,5% dizendo que não votaria no petista de jeito nenhum. Ao mesmo tempo, a pesquisa apontou 56,7% de rejeição a Moro, 52,4% a Ciro, 57,9% a Doria e 51,5% a Mandetta.

Urna eletrônica

A pesquisa também questionou os entrevistados sobre o sistema de urnas eletrônicas, e 32,9% manifestaram confiança elevada no sistema, ao passo que 30,8% disseram ter confiança moderada, 15,8% confiança baixa e 18,7% nenhuma confiança.

Além disso, 58% dos entrevistados disseram ser a favor das urnas com impressão do voto, alegando que a iniciativa iria gerar maior confiança nos resultados. Outros 34,9% afirmaram serem contra a prática, porque o sistema atual já funciona bem. Outros 7,1% não souberam ou não responderam.

PUBLICIDADE

Bolsonaro tem defendido a adoção do voto impresso na eleição do ano que vem, em meio a frequentes acusações sem fundamentos de que existem fraudes no sistema atual.

O presidente, que afirma de maneira errada que a votação eletrônica não é auditável, diz ter provas de fraude na eleição presidencial de 2018, alegando tê-la vencido ainda no primeiro turno. Ele, no entanto, jamais apresentou as provas que alega possuir e, na semana passada, diz que as apresentará “se quiser”.

A eventual adoção do voto impresso – em discussão no Congresso Nacional – tem enfrentado resistências de partidos políticos, inclusive aliados do governo.

O instituto MDA realizou 2.002 entrevistas nos dias 1º e 3 de julho e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país

TSE abre novo prazo para licitação de urnas eletrônicas; Positivo e Smartmatic terão outra oportunidade

Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu um prazo de oito dias úteis para que as duas empresas participantes da licitação para compra de novas urnas eletrônicas apresentem novos projetos.

As empresas Positivo (POSI3) e Smartmatic do Brasil foram desclassificadas do certame por não cumprirem especificações técnicas, mas terão nova oportunidade. A decisão foi tomada pelos ministros do TSE em sessão extraordinária realizada na tarde de hoje (8).

Os ministros rejeitaram recurso das empresas, e deram a elas, conforme Artigo 48 da Lei 8.666, que disciplina o procedimento licitatório, a chance de apresentar novas propostas.

PUBLICIDADE

O TSE se encontra em recesso, mas a presidente do tribunal, ministra Rosa Weber, convocou uma sessão administrativa em caráter extraordinário apenas para apreciação do recurso.

A presidente da Corte mostrou bom humor com os colegas, convocados para ir ao tribunal durante o recesso. “Eu só tenho a agradecer a vossas excelências por terem atendido à minha convocação com a presteza necessária. Estava com tantas saudades que resolvi chamá-los para me fazerem um pouco de companhia”, disse Rosa Weber antes de encerrar a sessão.

As duas empresas têm até o dia 20 para entregar as novas propostas de projeto. Os testes técnicos deverão ocorrer entre os dias 21 e 26, com entrega dos resultados no último dia. Segundo o TSE, a publicação do resultado ocorrerá ainda em janeiro, no dia 27.

O TSE pretende introduzir um novo modelo de urna eletrônica no Brasil. Esse novo modelo terá um design diferente, mais ergonômico, com a tela e o teclado em uma única visão. “A medida tende a agilizar a votação, uma vez que o eleitor terá mais controle e menos possibilidade de cometer erros ou equívocos no momento da digitação”, afirma o TSE.