EUA retiram Xiaomi de lista que impedia investimentos e ação da empresa salta em Hong Kong

O Departamento de Defesa dos EUA decidiu retirar a Xiaomi de uma lista negra que impedia investimentos do país na gigante de tecnologia chinesa, após uma corte federal conceder meses atrás liminar que suspendeu a proibição temporariamente, em resposta a um processo judicial iniciado pela empresa.

Advogados de ambos os lados avaliaram que a remoção da Xiaomi da lista negra é apropriada, após a vitória judicial da empresa, em março.

A Xiaomi entrou com ação judicial em janeiro, negando o argumento dos EUA de que a empresa teria laços com militares na China.

Na Bolsa de Hong Kong, a ação da Xiaomi fechou em alta de 6,1% nesta quarta-feira. Fonte: Dow Jones Newswires.

Série gratuita ensina na prática como identificar ativos com excelente potencial de valorização. Clique aqui para se inscrever.

Inclusão da Xiaomi em lista de Trump encolhe fortuna de CEO

Lai Xiaomin (Foto: Wikimedia Commons)

(Bloomberg) — A surpreendente inclusão da Xiaomi pelo governo Trump na lista de empresas com proibições custou muito caro aos principais executivos.

Lei Jun, CEO que cofundou a fabricante de smartphones há cerca de uma década, perdeu quase US$ 3 bilhões com a queda recorde de 10% das ações, segundo o Índice de Bilionários da Bloomberg. Lin Bin, vice-presidente da empresa, perdeu US$ 1,5 bilhão, e a fortuna de pelo menos cinco outros acionistas bilionários também encolheu.

Enquanto o setor de tecnologia da China era atingido pelo crescente escrutínio do país asiático e outros vetos de Trump, a Xiaomi prosperava.

A empresa de Pequim superou as vendas de smartphones da Apple no terceiro trimestre e ganhou participação de mercado da Huawei Technologies, que foi prejudicada pelas sanções dos EUA. As ações da Xiaomi fecharam em alta recorde na semana passada e, em dezembro, o valor de mercado da empresa ultrapassou US$ 100 bilhões e finalmente atingiu a meta da abertura de capital em 2018.

Mas a mais recente investida do governo Trump em seus dias finais rapidamente levou a empresa abaixo daquele nível. A mudança surpreendeu investidores, porque as proibições anteriores se concentraram em empresas chinesas com laços militares e valor estratégico para o crescimento do setor de tecnologia. A Xiaomi disse que não pertence e nem é controlada por militares da China.

Lei, dono de mais de 25% da Xiaomi, agora tem fortuna de US$ 28,2 bilhões em comparação a US$ 33,2 bilhões quando as ações atingiram uma máxima na semana passada, enquanto o patrimônio de Lin soma US$ 10,1 bilhões.

Lei começou o ano como o quarto magnata de tecnologia mais rico da China, logo atrás de Jack Ma, cuja fortuna diminuiu cerca de US$ 10 bilhões desde o final de outubro em meio ao maior escrutínio do governo sobre seu império.

Quer fazer da Bolsa sua nova fonte de renda em 2021? Série gratuita do InfoMoney mostra o passo a passo para se tornar um Full Trader – clique para assistir!