Com resultados sólidos no 2º tri, analistas reforçam recomendação de compra para Hypera e miram sinergias após aquisições

SÃO PAULO – A farmacêutica brasileira Hypera Pharma (HYPE3) divulgou na última sexta-feira (23), após o fechamento do mercado, seus resultados referentes ao segundo trimestre de 2020.

No período, a companhia registrou lucro líquido de R$ 470,6 milhões, alta de 18,7% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

A receita da Hypera, por sua vez, subiu 43,5% no segundo trimestre ante 2020, para R$ 1,5 bilhão, puxada principalmente pela aquisição dos negócios da Takeda e da família Buscopan, além do crescimento orgânico de 23,3% das venda no varejo. Leia mais aqui.

Na avaliação de analistas do mercado financeiro, de casas como Credit Suisse, Morgan Stanley, Itaú BBA e XP, os resultados trimestrais vieram sólidos e reforçam a recomendação de compra para os papéis da companhia.

Entre os principais destaques no trimestre, o Morgan Stanley cita os produtos de prescrição, com vendas crescendo acima do mercado em meio ao aumento no número de medicamentos crônicos, dermatológicos e de Vitamina D.

O segmento de Consumer Health, que engloba vitaminas e suplementos, por exemplo, também segue ganhando participação de mercado, enquanto similares e genéricos continuam apresentando bons resultados, escrevem os analistas, em relatório divulgado nesta segunda.

Para o Morgan Stanley, Hypera negocia a um nível atrativo de 15 vezes o preço sobre lucro estimado para 2021, o que é perto de uma vez o desvio padrão abaixo dos níveis históricos. “A companhia tem apresentado bons resultados consistentemente, o que poderia suportar uma re-rating”, escrevem os analistas.

O banco tem recomendação overweight (acima da média do mercado) para os papéis HYPE3, com preço-alvo de R$ 38 – o que implica potencial de alta de 4,8% ante o fechamento de sexta-feira (23).

Sinergias após fusões e aquisições

Na avaliação do Itaú BBA, a continuação do crescimento de sell-out (comercialização direta ao cliente) acima da média do mercado e os sinais de sinergias das recentes fusões e aquisições são positivos para a Hypera.

PUBLICIDADE

O banco manteve sua recomendação outperform (acima da média do mercado) para os papéis da companhia, com preço-alvo estimado de R$ 41 por papel.

Segundo os analistas, os resultados da farmacêutica apresentaram uma boa combinação de crescimento e lucratividade acima do esperado, levando a uma queda de 13% do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ao excluir a linha de outras receitas.

A XP também vê resultados sólidos, principalmente no que diz respeito ao crescimento orgânico, com perspectiva positiva de margens ainda melhores com a integração da Takeda e com a aquisição anunciada recentemente do portfólio da Sanofi.

A casa tem recomendação de compra para os papéis HYPE3 e preço-alvo por ação estimado de R$ 48.

Já a Guide Investimentos escreve, em relatório, que a Hypera reportou um bom resultado no período em relação ao ano passado, mesmo com uma base comparativa forte, impulsionada pela pandemia, em especial, no segmento de Consumer Health.

“Acreditamos que a empresa esteja bem posicionada para manter o seu crescimento de maneira sustentável, além da aquisição da marca de dermocosméticos Bioage em julho, e conta com posição de liderança no mercado de estética brasileiro, fortalecendo assim o seu portfólio”, escrevem os analistas.

Gastos com marketing no radar

Em relatório, o Credit Suisse escreve que a Hypera possui um forte fluxo de caixa, reforçado pelo crescimento acima do mercado e aparente controle dos estoques na cadeia.

Segundo os analistas, apesar de os resultados trimestrais serem positivos para os papéis da companhia na Bolsa, o aumento das despesas de marketing foi um dado que surpreendeu negativamente.

PUBLICIDADE

Isso porque o número impactou a margem em 2 pontos percentuais no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior. “Mesmo que a base de comparação com o segundo trimestre de 2020 seja imperfeita (por conta da pandemia), o nível absoluto de gastos com publicidade atingiram um valor trimestral recorde”, escreve o time de análise.

“Continuaremos atentos às futuras otimizações de promoção médica, dadas as sinergias de um portfólio aprimorado e a eficácia das despesas de publicidade mais altas”, concluem.

O banco tem recomendação de outperform para os papéis HYPE3 e preço-alvo de R$ 40.

Nesta segunda-feira (26), os papéis HYPE3 operam próximos da estabilidade, entre perdas e ganhos na Bolsa brasileira, negociados na casa dos R$ 36,3 por volta das 12h. Na sexta antes da divulgação dos resultados, os papéis subiram 3,66%, após terem avançado 2,29% na sessão anterior.

Guilherme Benchimol revela os segredos de gestão das maiores empresas do mundo na série gratuita Jornada Rumo ao Topo. Inscreva-se já.

Hypera anuncia aquisição de marcas da Sanofi, como AAS e Cepacol, por US$ 190,3 milhões

SÃO PAULO – A farmacêutica brasileira Hypera Pharma (HYPE3) anunciou nesta terça-feira (13) um acordo para adquirir 12 marcas de medicamentos isentos de prescrição (“OTC”) e de prescrição da francesa Sanofi no Brasil, México e Colômbia por US$ 190,3 milhões.

De acordo com fato relevante, os produtos a serem adquiridos incluem, no segmento de “consumer health” no Brasil, o analgésico AAS, o fitoterápico Naturetti e o antisséptico Cepacol, além dos medicamentos de prescrição Buclina, para estímulo do apetite, e Hidantal, indicado para tratamento de epilepsia, entre outros.

Em 2020, o Brasil representou aproximadamente 67% da receita líquida desse portfólio.

Segundo a companhia, a transação está alinhada com a estratégia de fortalecer sua presença no mercado brasileiro por meio de produtos com alto potencial de crescimento.

“Com a conclusão dessa aquisição, a Hypera Pharma incrementará sua atuação nas categorias de ‘consumer health’ e ‘produtos de prescrição’, com destaque para sistema nervoso central e gastrointestinal”, escreveu a Hypera.

Ainda de acordo com o comunicado, a Hypera e a Sanofi assinarão acordo de fabricação e fornecimento, por meio do qual a Sanofi continuará a fornecer produtos à companhia pelo período de até três anos. A transação também está sujeita a certas condições precedentes, entre elas a aprovação pelas autoridades antitrustes competentes.

Na avaliação da XP, a aquisição de marcas da Sanofi pela Hypera foi um “movimento ousado” no mercado de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês).

Em comentário divulgado nesta terça, os analistas da XP escrevem que o portfólio da Sanofi teve vendas de R$ 250 milhões em 2020 e, portanto, o valuation implícito de valor da empresa sobre vendas (EV/Vendas) é de cerca de 4,0 vezes, em comparação com o EV/Vendas  de 2020 da Hypera de 6,5 vezes.

“Além das marcas, acreditamos que a companhia será capaz de aproveitar as sinergias de custos integrando a produção dos medicamentos da Sanofi, bem como as sinergias fiscais dos benefícios que a Hypera tem em Goiás”, escreve o time de análise.

PUBLICIDADE

Eles destacam ainda que a Hypera será capaz de diluir mais suas despesas operacionais, pois está apenas adicionando as marcas e produtos ao seu portfólio, tornando a transação altamente atrativa também na perspectiva de Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês).

A XP reitera a recomendação de compra para os papéis HYPE3, com preço-alvo de R$ 48 por ação – o que implica potencial de alta de 40% ante o fechamento do último pregão.

Já o Credit Suisse destaca em breve nota que as marcas adquiridas devem se beneficiar dos recursos comerciais da Hypera.

Quer trabalhar como assessor de investimentos? Entre no setor que paga as melhores remunerações de 2021. Inscreva-se no curso gratuito “Carreira no Mercado Financeiro”.

Novonor deve receber propostas por Braskem até dia 9, Credit eleva preço-alvo de BR Distribuidora, nova compra da Ambipar e mais

SÃO PAULO – O noticiário corporativo desta terça-feira (29) tem como destaque a notícia do Valor de que a Novonor (antiga Odebrecht) receberá propostas por Braskem até 9 de julho. Hypera e Neoenergia aprovaram pagamento de JCP, enquanto a A Ambipar comprou 50% remanescente da Suatrans Chile.

Segundo informações do jornal Valor Econômico, o prazo para recebimento das propostas iniciais de compra da Braskem, que se encerraria na próxima quarta-feira, foi estendido até o dia 9 de julho a pedido de potenciais compradores da petroquímica controlada pela Novonor (antiga Odebrecht). O novo prazo foi comunicado na segunda-feira (28) pelo Morgan Stanley aos participantes do processo. Pelo menos dois interessados pediram mais tempo para elaborar uma oferta não vinculativa, afirmou o jornal.

Vale (VALE3) e minério

Os contratos futuros do minério de ferro recuaram nesta terça-feira, pressionados por uma redução na demanda por aço na China devido ao clima desfavorável e a ameaças de intervenção no mercado por parte de autoridades do país asiático, que buscam conter os altos preços da commodity.

O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para setembro, fechou em queda de 2,7%, a 1.153 iuanes (US$ 178,57) por tonelada, interrompendo uma série de quatro sessões de ganhos.

Na bolsa de Cingapura, o contrato mais ativo da matéria-prima siderúrgica SZZFN1, para entrega em julho, recuava 2,3%, para US$ 207,75 a tonelada.

Os preços “spot” dos materiais de aço para construção voltaram a cair na segunda-feira, em razão da fraca demanda, de acordo com a consultoria chinesa Mysteel.

Os volumes diários de negociações do aço para construção – incluindo vergalhão, fio máquina e bobinas – entre 237 traders chineses compilados pela Mysteel encolheram em 17.608 toneladas na segunda-feira, somando 193.481 toneladas, por causa do tempo quente e úmido.

Os preços “spot” do minério com 62% de teor de ferro na China permaneceram acima dos US$ 200 por tonelada, mas já recuaram 5,2% em relação à máxima recorde apurada em 12 de maio, de US$ 232,50.

BR Distribuidora (BRDT3)

O Credit Suisse elevou o preço-alvo para as ações da BR Distribuidora de R$ 32 para R$ 39, um potencial de alta de 46% em relação ao fechamento de segunda.

PUBLICIDADE

Os analistas apontam que as ações da companhia têm apresentado um bom desempenho recentemente, principalmente após os resultados do primeiro trimestre.

Ainda em destaque, a Petrobras decidiu prosseguir com o desinvestimento de sua participação remanescente de 37,5% na BRDT, que deve ser concluída em 30 de junho. “Em nossa opinião, as ações da empresa devem continuar tendo um bom desempenho após a conclusão do negócio, uma vez que remove o overhang que pesava sobre as ações e remove o risco de empresa estatal. Em nossa opinião, a tese de investimento do BRDT3 se beneficia de (i) ventos favoráveis ​​do setor, (ii) vantagens específicas da empresa e (iii) avaliação ainda atrativa”, avaliam os analistas.

Infraestrutura

A XP iniciou a cobertura do setor de Infraestrutura do Brasil, vendo um forte conjunto de oportunidades para operadores listados: (i) pipeline grande e realista de novos projetos em todos os modais de transporte (especialmente rodovias); (ii) expansão da produção/exportação de grãos, principalmente no Centro-Oeste (área de influência da Rumo e Hidrovias); e (iii) recuperação econômica para fomentar a demanda por transporte.

A Hidrovias do Brasil (HBSA3) é a preferida da XP do setor (13,6% de TIR alavancada real), seguida por CCR (CCRO3) e Rumo (RAIL3), com recomendação de compra (10,0% e 9,4% de TIR alavancada real) e Ecorodovias (ECOR3 e Santos Brasil (STBP3) com recomendação neutra (7,9% e 7,5% de TIR alavancada real).

Bradesco (BBDC4), Banco do Brasil (BBAS3), Santander (SANB11), BTG (BPAC11) e Banco Pan ([ativo=BPAN3])

O Itaú BBA publicou uma avaliação sobre a perspectiva de resultados para grandes bancos no segundo trimestre, que espera-se que sejam positivas, impulsionadas por menos gastos com provisões e um patamar de comparação baixo para receitas com serviços.

O banco diz que a recuperação da margem com clientes continua a progredir, mas que não vê melhora material na margem líquida dos juros no segundo trimestre de 2021. E diz que a projeção é de que a receita líquida de investimento somada dos clientes em Bradesco, Banco do Brasil e Santander cresça 2% na comparação trimestral e 4% na comparação anual.

A inadimplência deve continuar a subir, com a redução de linhas de crédito renegociadas, redução da transferência de recursos sociais pelo governo. Mas que isso não deve exigir mais gastos com provisão, devido à taxa de cobertura recorde, que deve continuar a impulsionar o rendimento até o início ou meados de 2022. O banco diz que, até então, a campanha de vacinação deverá ter sido completamente executada, possivelmente impulsionando o faturamento.

O Itaú afirma que BTG e Banco Pan são suas top picks (escolhas favoritas) para o segundo trimestre de 2021 e depois deste período. O banco espera que ambos os bancos divulguem resultados fortes para o segundo trimestre. O lucro líquido de R$ 1,3 bilhão do BTG deve crescer mais 30%. O Banco Pan deve informar indicadores de performance fortes, com a adição de mais 2,5 milhões de clientes, atingindo 9 milhões, e mais 1 milhão de cartões de crédito, atingindo 3,5 milhões.

PUBLICIDADE

Entre os bancos grandes, o Itaú diz preferir o Bradesco. A avaliação é de que o Bradesco precisará de resultados fortes para continuar a crescer, mas espera que o segundo trimestre seja mais brando. A expectativa é de que a receita líquida de investimentos cresça apenas 3% na comparação anual, à medida que margens menores prejudicam os ganhos com o crescimento dos empréstimos.

AES Brasil (AESB3) e Cesp (CESP6)

O Credit Suisse comentou a Medida Provisória 1055 de 2021, que cria a câmara responsável pela crise hídrica e energética. O banco avalia que ela pode alterar o fluxo e níveis mínimos de certos reservatórios e bacias hidrográficas, requisitando informações e definindo prazos para a implementação dessas medidas, considerando o potencial de impacto sobre outros tipos de uso da água.

Os custos seriam calculados pela Aneel e reembolsados por meio de fundos relativos ao setor. O Credit diz que a medida era esperada, e que novas medidas devem ser anunciadas nesta semana, potencialmente incentivos a produtores e indústrias que geram energia própria, para que reduzam sua demanda e injetem mais energia na rede elétrica.

O banco também diz que há expectativa de que a Aneel eleve a bandeira tarifária nesta terça, incentivando consumidores a reduzirem seu consumo e contribuindo para obter recursos para gastos excepcionais para distribuidoras. O banco avalia que as mais afetadas devem ser AES e Cesp.

Ao comentar a criação da câmara especial e o anúncio do almirante de esquadra Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, o Itaú BBA ressaltou que o governo não mencionou os termos de incentivo para que grandes consumidores reduzam o consumo em horários de pico. Também ressaltou que Albuquerque não anunciou restrições no consumo de energia.

A Suzano atraiu forte demanda nesta segunda-feira para a sua segunda emissão de bônus vinculados a metas de sustentabilidade, com um registro de interesse três vezes acima da oferta.

A emissão de US$ 1 bilhão envolveu títulos de 10 anos a um spread de Treasuries mais 180 pontos básicos. A demanda chegou a US$ 3,2 bilhões de dólares, afirmaram fontes à Reuters.

A operação foi coordenada por BNP Paribas, BofA Securities, JP Morgan, Mizuho Securities, Rabo Securities e Scotiabank, além de Credit Agricole, Goldman Sachs, MUFG e SMBC Nikko, informou o IFR, serviço da Refinitiv.

PUBLICIDADE

A demanda pela emissão foi atribuída aos números sólidos da companhia e crédito em grau de investimento. Algumas das fontes também citaram apetite dos investidores por emissões vinculadas a metas de sustentabilidade (SLB).

“Creio que a demanda veio do fato de que se trata de mais uma emissão SLB”, disse um analista que acompanhou a transação. “Em conjunto com o título de 2031 que está no mercado, eles agora têm duas emissões SLB cobrindo métricas diferentes.”

O Conselho da Hypera aprovou R$ 194,8 milhões em juros sobre capital próprio, a R$ 0,30817 por ação ordinária.

O montante líquido a ser distribuído na forma de juros sobre capital próprio será imputado ao montante total de dividendos que vier a ser declarado pelos acionistas para o exercício social de 2021, na forma da legislação e da regulamentação aplicáveis.

O pagamento dos juros sobre capital próprio será realizado até o final do exercício social de 2022, em data a ser oportunamente definida pela Companhia, com base na posição acionária constante dos registros ao final de 22 de julho de 2021, sendo que as ações de emissão da Companhia serão negociadas “ex-juros sobre capital próprio” a partir de 23 de julho de 2021, inclusive. Entre a data deste aviso aos acionistas e a data do pagamento não incidirá qualquer atualização monetária sobre o montante declarado, destacou a empresa.

A Hapvida publicou um comunicado atualizando o mercado sobre os impactos da Covid-19 na companhia.

De acordo com a empresa, houve: (i) redução de internações após os picos de março e maio, com forte tendência de queda para os próximos meses; (ii) redução do número de leitos dedicados (queda de 39% versus o primeiro trimestre); (iii) redução de 1/3 dos profissionais contratados excepcionalmente; e (iv) SP (São Francisco) ainda parecido com o primeiro trimestre – indicação de outro trimestre difícil para NotreDame, já esperado – mas com tendência de redução/melhora.

“Os números indicam uma tendência positiva de redução das interações relacionadas a Covid-19, o que deve resultar em um segundo semestre de 2021 com custos médicos inferiores à primeira metade do ano. Desta forma, reiteramos a nossa recomendação de compra para HAPV3 com preço-alvo de 19 por ação”, destaca a XP.

Neoenergia (NEOE3)

A Neoenergia pagará cerca de R$ 170,7 milhões em juros sobre o capital próprio, a um valor por ação de R$ 0,1406397677. O acionista que tiver posição acionária em 1 de julho de 2021 terá direito ao pagamento; assim, as ações ficarão “ex-juros” a partir de 2 de julho.

O Conselho da CCR aprovou a emissão de R$ 1,6 bilhão em debêntures de concessionária.

A Ambipar comprou 50% remanescente da Suatrans Chile. A empresa atua há mais de 20 anos com foco no atendimento a emergências ambientais em todos os modais de transporte (marítimo, rodoviário, ferroviário, dutoviário e aéreo).

Somada a aquisição da Disal, a Ambipar irá capturar as sinergias administrativas, operacionais e comerciais dos segmentos Environment e Response na América Latina, assim como tem feito no Brasil, informou a empresa. A Suatrans passará a utilizar a marca Ambipar Response.

“Para a Ambipar, esta aquisição: (i) consolida integralmente o lucro destas operações; (ii) gera sinergias; (iii) permite iniciar os serviços de atendimento as rodovias; e (iv) acelera o crescimento orgânico e inorgânico na região; em linha com o seu plano estratégico de crescimento, com captura de sinergias e potencial maximização das margens e retorno”, informou a companhia.

Equatorial Energia (EQTL3)

Durante teleconferência com analistas de mercado na segunda-feira, o diretor financeiro da Equatorial Energia, Leonardo Lucas, afirmou que a empresa assumirá uma dívida de R$ 800 milhões da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), ao adquirir a companhia em um leilão de privatização realizado na última sexta-feira, disse nesta segunda-feira. Antes da aquisição, a CEA tinha uma dívida de R$ 3,115 bilhões, sendo R$ 2,092 bilhões com fornecedores. No entanto, após uma renegociação, a parcela devida a fornecedores foi reduzida em R$ 1,5 bilhão. Um outro montante de R$ 772 milhões, referentes a RGR (encargo do setor elétrico), foi reduzido integralmente, segundo o executivo.

O Credit Suisse destaca que a unidade da CEA é relativamente pequena, mas complexa, operando no extremo Norte do Brasil, com renda per capita abaixo da média do Brasil. Os custos por cliente e taxa de perda são relativamente altos em comparação com outras unidades da Equatorial, mas a gestão afirmou que há esforços para reduzir a perda total.
Após as negociações, as deficiências atingem R$ 800 milhões, diz o Credit. Antes da compra, atingiam quase R$ 3,1 bilhões. Como ponto positivo, a empresa acumula créditos fiscais no valor de R$ 1,06 bilhão, que podem ser usados em compensações futuras.

O Credit avalia a compra como pequena mas positiva por consolidar a posição da Equatorial nas regiões Norte e Nordeste, com grande potencial de recomposição do ativo, mas pouco potencial de valorização para a Equatorial. Além disso, pode ajudar na aquisição da unidade de saneamento do Amapá, que deve ser leiloada em setembro, com investimentos estimados em R$ 3 bilhões.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil assinou na segunda-feira um acordo com o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), como é chamado o banco dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), para captar recursos no exterior visando liberar montantes para investimentos na agricultura brasileira. “Vamos assinar uma parceria com o NDB… para recursos de longo prazo que podem chegar a até R$ 1,5 bilhão, para a construção de silos e armazéns, irrigação e energia renovável”, disse o presidente do BB, Fausto Ribeiro, durante cerimônia sobre a atuação do banco no Plano Safra.

Aliansce Sonae (ALSO3)

O Itaú BBA realizou um encontro com a diretora de relações com investidores da Aliansce Sonae, Danielle Guanabara, e com o gerente de relações com investidores, Diego Canuto. O banco diz que a empresa ressaltou sua performance operacional até este momento do segundo trimestre, impulsionada pela forte retomada das vendas e de clientes físicos em maio.

Em junho, as vendas superam em 80% o patamar do mesmo período de 2019, o ano anterior ao início da pandemia de Covid. A empresa afirmou que continua a ver boas perspectivas para fusões e aquisições, e que espera retomar o desenvolvimento, com foco em retrofits e na expansão do Shopping Taboão.

A empresa avalia que não vê motivo para revisão do regime fiscal porque não atuou como incorporadora imobiliária. O Itaú mantém avaliação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) e preço-alvo de R$ 31,4, frente à cotação de R$ 29,1 da empresa.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Curso gratuito do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações. Inscreva-se agora.

Ação da Usiminas vira para queda após abrir em alta com resultado; Hypera sobe 3% antes de balanço

SÃO PAULO – As ações da Usiminas (USIM5) têm uma sessão de volatilidade após inaugurar a temporada de resultados. A companhia registrou bons números do primeiro trimestre: a siderúrgica reverteu o prejuízo de R$ 424 milhões registrado no primeiro trimestre de 2020 e lucrou R$ 1,205 bilhão no primeiro trimestre de 2021, informou a siderúrgica nesta sexta-feira. Na comparação com o quarto trimestre de 2020, contudo, quando a companhia lucrou R$ 1,913 bilhão, houve queda de 37%.

Os papéis chegaram a subir no início do pregão, com ganhos de mais de 4%, mas viraram para queda de cerca de 1%. Na véspera, em meio à expectativa pelo balanço, os ativos fecharam em alta de 5,36%.

Os ativos da Vale (VALE3) subiram mais de 1% com a nova sessão de alta para o minério, mas amenizaram os ganhos.

Na sequência da temporada de balanços, a Hypera (HYPE3) divulgará seus números após o fechamento e também registra alta, de cerca de 3%.

Os papéis dos frigoríficos têm uma nova sessão de ganhos, com a BRF (BRFS3) em alta de cerca de 3%. No radar, a companhia anunciou ter contratado dois novos executivos para áreas-chaves, levando em conta o seu plano estratégico para 2030. A nova diretoria de Omnichannel será comandada por Sergio Esteves, enquanto a diretoria de Gente Internacional será ocupada por Luana Matos.

As ações da Eletrobras (ELET3;ELET6), por sua vez, subiam mais de 4,5%. A companhia divulgou na véspera que a Aneel aprovou o reperfilamento do componente financeiro da Rede Básica Sistema Existente (RBSE)

Confira os destaques:

Usiminas (USIM5)

Primeira companhia a divulgar o resultado do primeiro trimestre, a Usiminas reverteu o prejuízo de R$ 424 milhões registrado no primeiro trimestre de 2020 e lucrou R$ 1,205 bilhão no primeiro trimestre de 2021, informou a siderúrgica nesta sexta-feira. Na comparação com o quarto trimestre de 2020, contudo, quando a companhia lucrou R$ 1,913 bilhão, houve queda de 37%.

O resultado foi obtido com uma disparada de 325% na comparação anual geração de caixa operacional, medida pelo Ebitda ajustado, para R$ 2,42 bilhões. A alta foi de 51% frente ao trimestre imediatamente anterior.

PUBLICIDADE

No período, o volume de vendas de aço da Usiminas cresceu 20% ante o mesmo período de 2020 e de 11% frente ao quarto trimestre, para 1,25 milhão de toneladas, enquanto a comercialização de minério de ferro caiu 12%, para 1,94 milhão de toneladas.

O volume de vendas de minério ficou em 1,949 milhão de toneladas, queda de 14% frente ao trimestre imediatamente anterior, e de 12% frente ao mesmo período do ano anterior.

A receita líquida do trimestre alcançou R$ 7,1 bilhões, elevação de 29,1% em relação ao quarto trimestre (R$ 5,5 bilhões) e de 86% na comparação com o primeiro trimestre de 2020 (R$ 3,808 bilhões), representando a maior receita líquida trimestral da Usiminas desde a incorporação da COSIPA, em 2009, com elevação da receita líquida em todas as unidades de negócio. O destaque ficou para a Unidade de Siderurgia (+R$1,6 bilhão versus o quarto trimestre de 2020) e Unidade de Transformação do Aço (+R$364 milhões versus o quarto trimestre de 2020).

O custo dos produtos vendidos (CPV) no primeiro trimestre totalizou R$ 4,6 bilhões, uma elevação de 18% em relação ao quarto trimestre de 2020 (R$ 3,9 bilhões), principalmente pelo maior CPV na unidade de siderurgia (+R$733 milhões versus o quarto trimestre de 2020) e Unidade de Transformação do Aço (alta de R$ 295 milhões versus o quarto trimestre do ano passado).

Para o segundo trimestre, a empresa projeta vender entre 1,2 milhão de tonelada e 1,3 milhão de toneladas de aço.

De acordo com a Levante Ideias de Investimentos, o resultado foi positivo, com a companhia aproveitando um excelente momento de alinhamento de estrelas no mercado de aço, com demanda externa forte, além da demanda doméstica puxada pela recomposição de estoques na indústria, oferta restrita, câmbio em patamares altos. Isso favorece a rentabilidade da companhia, que vem aumentando a sua produção após o religamento de altos fornos para produzir mais aço, além do repasse de preços sem dificuldades.

Além disso, a companhia apresenta a continuidade de bons indicadores para o setor, com a companhia mantendo um nível de alavancagem financeira baixa (cerca de 0,3 vezes na relação Dívida Líquida / Ebitda) e mais espaço para repasse de preços no aço e retorno do volume de vendas de minério de ferro.

O segmento de minério de ferro apresentou volume de vendas menor, pela queda na demanda sazonal chinesa e paradas programadas de manutenção, porém os preços mais altos no trimestre compensaram estas paradas, tendo um crescimento de receita líquida de um pouco mais de 4% em relação ao quarto trimestre de 2020, atingindo R$ 1,47 bilhão.

PUBLICIDADE

Porém o principal destaque está no segmento de aço, que obteve um crescimento de receita superior à alta de custos, melhorando a margem Ebitda de 13,9% no quarto trimestre de 2020 para 21,8% neste trimestre, alcançando R$ 1,26 bilhão.

Além disso, o resultado vem sendo complementado pelo segmento de Transformação de Aço (Soluções Usiminas) com o lançamento do e-commerce em março para venda de aços galvanizados e chapas modificadas, com maior valor agregado que as bobinas de aços laminados e aços especiais para indústrias.

O Terminal da Ilha Guaíba (TIG), da Vale, em Mangaratiba (RJ) foi desinterditado pelo órgão estadual ambiental Inea, que disse possuir a competência para fiscalizar e licenciar o local, após a prefeitura ter suspendido os embarques de minério de ferro nesta quinta-feira.

Ao interditar o terminal mais cedo, a prefeitura de Mangaratiba havia apontado que o TIG – que teve uma média diária de embarque de cerca de 60 mil toneladas no primeiro trimestre, segundo a Vale – estaria operando há anos sem licença ambiental.

O Inea, por sua vez, disse que a interdição foi irregular e que a mineradora tem licença ambiental válida e já apresentou pedido de renovação dentro dos prazos legais, “o que assegura a validade da mesma”. A informação é negada pelo município de Mangaratiba.

“O órgão ambiental estadual considerou arbitrária e irresponsável a decisão da Secretaria de Meio Ambiente de Mangaratiba, uma vez que, conforme preconiza a legislação ambiental, o Inea é o órgão competente para licenciar e fiscalizar a operação do Terminal da Vale”, disse o Inea.

O órgão declarou ainda que, de acordo com a legislação, a prefeitura poderia agir cautelarmente no caso de iminência ou ocorrência de flagrante degradação ambiental, o que em sua avaliação “não ocorreu”.

“Em nenhuma das vistorias realizadas pelo Inea, especialmente nas recentes (última vistoria realizada em setembro de 2020) foi constatado cenário de dano ambiental que ensejasse medidas extremas de interdição sancionatórias ou de natureza cautelar”, afirmou.

PUBLICIDADE

Em comunicado ao mercado, a Vale confirmou que recebeu do Inea nesta quinta-feira autorização para a manutenção de todas suas atividades portuárias no terminal.

Mais cedo, a prefeitura de Mangaratiba havia afirmado que a última licença obtida pela Vale foi emitida em 1º de fevereiro de 2010 e com validade até 28 de dezembro de 2011. Segundo o prefeito, Alan Costa, a Vale estaria utilizando uma carta do órgão ambiental estadual emitida em 2019 para operar.

A prefeitura, que negou a existência de irregularidades na interdição desta quinta-feira, acrescentou que o terminal já sofreu diversas interdições e multas desde 2019, embora parte das punições tenha sido suspensa em ação judicial.

“A Secretaria Municipal (de Meio Ambiente) pode, e deve, fiscalizar quaisquer empreendimentos, ainda que não seja o órgão licenciador, como também pode infracionar desde que não haja notícia de infração emitida pelo órgão originário e, no caso concreto, não há”, disse a secretaria em nota.

A secretaria de Mangaratiba disse ainda que condicionou a desinterdição à emissão de uma certidão de regularidade das atividades, que deveria ser concedida pelo Inea.

“Portanto, o Inea poderia ter fornecido tal certidão em vez de, unilateralmente, desfazer ato administrativo Municipal”, afirmou, pontuando ainda que “o Inea não respondeu a nenhuma das denúncias constatada pelo município”.

No radar das commodities, os contratos futuros do minério de ferro avançaram na Ásia nesta sexta-feira, a caminho de uma quinta semana consecutiva de ganhos, à medida que limites antipoluição à produção de aço afetam importantes produtores chineses e o fortalecimento da demanda global impulsiona os preços a patamares recordes.

O minério de ferro para setembro na Bolsa de Commodities de Dalian da China DCIOcv1 encerrou as negociações em alta de 1,2%, a 1.104,50 iuanes (US$ 170,11) a tonelada. O contrato mais ativo subiu 4,3% nesta semana.

Os preços do aço na Bolsa de Futuros de Xangai ampliaram os ganhos, com o vergalhão para construção SRBcv1 subindo 1,7%, para 5.299 iuanes por tonelada, logo abaixo do recorde de 5.300 iuanes. A bobina laminada a quente SHHCcv1, usada em carrocerias de automóveis e eletrodomésticos, subiu 0,9%, para 5.590 iuanes por tonelada, após atingir um pico de 5.597 iuanes.

Setor mineral

O faturamento do setor mineral no Brasil somou R$ 70 bilhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 95% ante o mesmo período de 2020, apontou na quinta-feira o presidente do Conselho Diretor do Ibram (Instituto Brasileiro de Mineração), Wilson Brumer. O forte crescimento, explicou o executivo, foi devido à recuperação da economia chinesa, ao avanço dos preços das commodities e à desvalorização do real frente ao dólar, explicou Brumer.

A Eztec anunciou nesta quinta-feira queda de 48,5% nas vendas líquidas do primeiro trimestre, atingida pelo recrudescimento de medidas de isolamento social, segundo relatório de desempenho operacional.

“Isso decorre em grande parte por um represamento da decisão de investimento por parte do cliente, sem que isso represente uma deterioração das condições estruturais da demanda”, afirmou na Eztec no relatório.

“Esse impacto circunstancial é especialmente visível na performance das unidades já performadas (31% aquém do quarto trimestre), em que o cliente prefere aguardar a visita física à própria unidade antes de se comprometer com a compra, já que os condomínios vedaram o acesso de interessados ao longo da fase vermelha”, acrescentou a companhia se referindo ao isolamento social em São Paulo.

Segundo a empresa, como o mercado tem lançado menos neste início de ano, isso tem contribuído para “melhora crescente da performance de vendas da companhia desde a última semana de março”.

A Eztec terminou o trimestre com estoque de 187,8 mil metros quadrados ante 220,87 mil no mesmo período de 2020.

A empresa fez apenas um lançamento, que correspondeu a um valor de R$ 28,1 milhões ante R$ 564 milhões no primeiro trimestre do ano passado.

A XP apontou que a EzTec  publicou fraca performance operacional, como esperado. A companhia reportou performance de vendas (R$ 236 milhões) e de lançamentos (R$ 28 milhões) amenos em razão das restrições comerciais e fechamento dos estandes de vendas durantes o trimestre.

“Apesar de esperarmos impactos da pandemia em suas operações no curto prazo, mantemos nossa visão positiva para a ação no longo prazo dado que a companhia deve acelerar seus lançamentos nos próximos trimestre”, apontam os analistas da XP, que mantêm recomendação de compra e preço-alvo de R$ 48 por ação.

A gestora de recursos norte-americana BlackRock passou a deter cerca de 11% das ações preferenciais da elétrica Cemig, informou a empresa de energia controlada pelo governo de Minas Gerais em comunicado nesta quinta-feira.

Segundo a Cemig, a BlackRock informou que suas participações na companhia alcançaram em 16 de abril o agregado de 75 milhões de ações preferenciais e 35,5 milhões de recibos de ações emitidas nos EUA (ADRs), representativos de papéis preferenciais, o que totaliza 10,94% das ações preferenciais da empresa.

Além disso, a BlackRock detinha 2,75 milhões de instrumentos derivativos financeiros referenciados em ações preferenciais, ou 0,27% do total desse tipo de papel, segundo o comunicado.

Segundo a Cemig, a BlackRock disse que o objetivo das participações societárias “é estritamente de investimento, não objetivando alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa da companhia”.

A Cemig tem como controlador o governo mineiro, que detém quase 51% das ações ordinárias da companhia, com direito a voto, e cerca de 17% do capital social total.

A elétrica mineira ainda tem como acionista relevante o fundo de investimento em ações FIA Dinâmica Energia, com 10,86% de participação total – sendo 25,5% das ações ordinárias e 3,49% das preferenciais, segundo informações do site da Cemig.

Setor de shoppings

A agência de classificação de risco Fitch Ratings disse que o “forte” crescimento dos casos de Covid-19 e o ritmo lento de vacinação no Brasil trazem incertezas quanto ao tempo necessário para afrouxamento das restrições de mobilidade e apoio à recuperação econômica. A avaliação consta em relatório sobre os impactos no setor de shopping centers decorrentes das medidas restritivas à mobilidade para combate à segunda onda da pandemia no país.

Carrefour Brasil (CRFB3)

O Carrefour Brasil anunciou que prepara mudança em diretoria financeira. O vice-presidente financeiro, Sébastien Durchon, vai deixar o posto a partir de 1 de junho. Durchon vai liderar o processo de integração do grupo Big Brasil e ser preparado para assumir a posição de liderança de operações. A companhia ainda afirmou que o Conselho aprovou a indicação de David Murciano para ocupar o cargo de vice-presidente de Finanças.

A XP vê a notícia como neutra, uma vez que ambos os executivos tem ampla experiência no setor e um ótimo histórico de entrega de resultados para a companhia. Durchon continua no Grupo Carrefour, liderando a importante frente de integração do Grupo BIG, enquanto Murciano se junta à operação do grupo no Brasil após liderar como CFO a operação da Espanha durante 3 anos.

Via Varejo (VVAR3)

A Via Varejo comunicou a mudança da marca Pontofrio para Ponto :>. De acordo com a companhia, a nova fase da marca tem foco em tecnologia e tornar a marca mais moderna e inovadora.

“Essa é uma mudança muito importante no Pontofrio. Uma marca com 75 anos, querida pelos clientes, extremamente reconhecida e valorizada, pioneira nas redes sociais e que sempre transmitiu inovação. Demos um grande salto, a marca ficou mais jovem, mais moderna e inovadora. E, também, trouxe mais protagonismo a uma personalidade irreverente, bem-humorada e focada no digital”, afirma Ilca Sierra, diretora de marketing e marca da Via Varejo.

A empresa informou que, para a virada da marca, repaginou todas lojas do Brasil com a nova identidade visual, além de todo interior reformado e material gráfico com as novas cores. “Fizemos algo inédito na história da companhia. Reinauguramos as mais de 160 lojas em um único dia. Todo nosso time de venda já recebeu os uniformes e crachás com a cara nova de Ponto:>. Além disso, o app e site da marca também já estão com os novos layouts e podem ser vistos pelos clientes”, completa Abel Ornelas, COO da Via Varejo.

Segundo Luis Sales, analista da Guide Investimentos, o movimento é positivo para a companhia, visto que as mudanças recentes na marca das Casas Bahia também trouxeram maior conexão com o público digital.

A WEG e a EDP firmaram parceria com a Renault para a expansão das estações de recarga para veículos elétricos. A WEG vai fornecer as estações de recarga, enquanto a EDP será responsável pelas vistorias e pela instalação dos equipamentos. As estações serão colocadas em concessionárias Renault, frotistas e residências de consumidores.

O Bradesco BBI destaca que a tendência da eletrificação está ajudando a WEG a aumentar seu portfólio de produção, que os analistas esperam que vai acelerar nos próximos anos. A recomendação segue neutra, com preço-alvo de R$ 82.

Aliansce Sonae (ALSO3)

A administradora de shoppings Aliansce Sonae Shopping Centers informou na quinta que a operação do Boulevard Shopping Belo Horizonte foi retomada.

Espaçolaser (ESPA3)

Seguindo a sua estratégia de expansão, a EspaçoLaser anunciou a compra de 10 lojas franqueadas em Goiás e no Paraná por R$ 35,6 milhões.

A companhia já detinha a opção de compra dos acionistas Grupo Artur e Grupo Álvaro. De acordo com a Guide, o impacto é positivo. “A aquisição segue o processo de expansão e aquisição de franqueados conforme definido em seu IPO. Esperamos que a companhia continue no seu processo de expansão, mesmo em meio ao cenário de pandemia e isolamento social”, avalia o analista Luis Sales.

Hidrovias do Brasil (HBSA3)

Na quarta, a Hidrovias do Brasil divulgou sua guidance (conjunto de previsões e planos) para o período entre 2021-2025. O Credit Suisse afirmou que ela fica em linha com suas expectativas, e representa um forte crescimento em 2021, até 2025. O investimento em fusões e aquisições ficou acima da previsão do Credit, que avalia que a mensagem é positiva.

A guidance para o Ebitda de 2021 da Hidrovias do Brasil, de R$ 840 milhões, indica crescimento significativo de 32% sobre 2020, em linha com as estimativas do Credit, de R$ 809 milhões. A guidance de entre R$ 1,35 bilhão e R$ 1,5 bilhão para o Ebitda também fica em linha com a previsão do Credit, e implica uma taxa composta de crescimento anual de 14% para o período entre 2021 e 2025, levemente abaixo daquela da Rumo, de 16%.

O banco atualizou seu modelo de forma a refletir os projetos da Hidrovias do Brasil delineados em sua guidance. O Credit Suisse manteve o preço-alvo de R$ 9,5, frente aos R$ 6,53 negociados na quinta. E elevou em 1% sua estimativa para o Ebitda, a R$ 819 milhões. O banco mantém avaliação de outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) para a empresa.

GPS

A prestadora de serviços de limpeza, segurança e logística GPS e seus acionistas levantaram R$ 2,49 bilhões em oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) precificada na quinta-feira, de acordo com documento à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A empresa, que tem entre os investidores as empresas de private equity Warburg Pincus e Gávea Investimentos, definiu o preço das ações a R$ 12 cada.

A companhia havia reduzido sua faixa de preço mais cedo na semana para entre R$ 11,25 e R$ 13, contra uma faixa anterior de R$ 13 a R$ 15,50, em razão da demanda abaixo do esperado.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Aprenda como ganhar dinheiro prevendo os movimentos dos grandes players. Na série gratuita Follow the Money, Wilson Neto, analista de investimentos da Clear, explica como funcionam as operações rápidas.

Usiminas e Hypera inauguram temporada de resultados do 1º trimestre nesta sexta-feira: confira o que esperar

SÃO PAULO – A temporada de resultados do primeiro trimestre de 2021 tem início nesta semana no Brasil, mais precisamente nesta sexta-feira (23). Ela começa com a divulgação dos números da Usiminas (USIM5) antes da abertura do mercado e da Hypera (HYPE3) após o fechamento.

A expectativa é de que a Usiminas registre bons resultados, na esteira de um cenário positivo com o aumento dos preços realizados em meio à forte demanda por aço no exterior e com o reajuste de preços por aqui.

Segundo aponta o Itaú BBA, os preços domésticos tendem a registrar alta de 20% no trimestre, com a renegociação dos contratos com clientes do setor automotivo. A expectativa dos analistas do banco também é de uma melhora nas exportações de aço.

A estimativa da XP também é de números positivos no primeiro trimestre. “No segmento de aço, esperamos que maiores volumes (alta de 2% na comparação trimestral) e preços compensem custos por tonelada mais elevados no período. O movimento de recomposição de estoques do setor automotivo deve impactar positivamente preços realizados devido ao melhor mix e volumes maiores (maior diluição de custos). Na mineração, sazonalmente mais fracos (cerca de 1,9 milhão de toneladas) e preços mais altos do minério de ferro (US$167 a tonelada, alta de 25% na base trimestral) podem resultar em outro trimestre de forte Ebitda (estimativa de R$ 1,14 bilhão)”, afirma a equipe de análise.

Fernando Ferreira, estrategista-chefe e head do research da XP, aponta que esta deve ser uma tendência geral para o setor que deve se estender para as commodities em geral, impulsionado pelo cenário global mais construtivo com retomada expressiva da economia da China e dos Estados Unidos.

Por outro lado, o maior endividamento da população, menores valores de programas sociais do governo e aumento das restrições de mobilidade com alta dos casos de coronavírus devem impactar os resultados de setores mais voltados à economia doméstica, como varejo. O impacto, contudo, deve ser mais significativo no segundo trimestre.

Com relação à Hypera, o Credit Suisse espera um bom trimestre em termos de crescimento da receita, em torno de 13% na comparação trimestral e de  40% na base anual, devido à incorporação total dos produtos das marcas Buscopan e Buscofem, aquisição feita em dezembro de 2019 e também do portfólio da Takeda. Este último também contribuirá para uma margem maior, avaliam os analistas.

“Tanto o salto de receita quanto a melhoria da margem (de produtos antigos da Takeda) serão uma
consequência dos movimentos inorgânicos, estabelecendo um ‘novo normal’. Assim, é importante procurar sinais de crescimento da participação de mercado (sell-out) que reflitam a eficiência comercial em si da companhia”, apontam os analistas.

Os analistas ainda apontam que, durante o evento Hype Day, organizado pela empresa em 9 de abril, a companhia divulgou um guidance (projeção para o ano) de R$ 5,9 bilhões para a receita líquida, R$ 2,0 bilhões para o Ebitda e de R$ 1,6 bilhão para a margem líquida em 2021. A projeção implica em uma redução da margem Ebitda (Ebitda/receita líquida) de mais de 1 ponto percentual e diminuição da margem líquida em mais de 5 pontos. Mesmo assim, o guidance ainda acima das estimativas do Credit para a empresa no ano.

PUBLICIDADE

De uma forma geral, em relatório, o Bank of America afirmou que espera um forte crescimento anual do lucro por ação do Ibovespa em meio à base de comparação mais fraca frente o primeiro trimestre de 2020, mesmo após excluir commodities.

A expectativa é de que o lucro por ação das empresas que compõem o Ibovespa tenha alta de 43%, excluindo companhias ligadas à commodities e de petróleo.

“No ano passado, o lucro por ação do primeiro trimestre foi impactado negativamente devido à menor atividade durante a pandemia, impactos do câmbio nas despesas com juros e com maiores provisões contra perdas no caso dos bancos”, afirmam os analistas Nicole Inui, David Beker e Paula Andrea Soto. Os analistas citam, por exemplo, as provisões recordes do Itaú (ITUB4) no primeiro trimestre do ano passado.

Sobre o setor de consumo discricionário, formado por empresas que vendem bens que não são considerados “necessários”, o BofA pondera que deve haver uma recuperação mista, como distribuidoras de combustíveis e o setor de e-commerce, este último formado por empresas como Magazine Luiza (MGLU3), registrando bons números.

Enquanto isso, os shoppings ainda estão atrasados ​​em relação à recuperação dos lucros após outro trimestre de distanciamento social e restrições de mobilidade, apontam.

Confira abaixo o calendário com as datas previstas para a divulgação dos balanços do 1º trimestre:

Confira o calendário de resultados também clicando aqui e aqui. 

PUBLICIDADE

Aprenda como ganhar dinheiro prevendo os movimentos dos grandes players. Na série Follow the Money, Wilson Neto, analista de investimentos da Clear, explica como funcionam as operações rápidas.

Ação da Usiminas sobe 5% às vésperas do resultado do 1º tri; Americanas e Locaweb avançam após aquisições

SÃO PAULO – Na volta do feriado, as ações do IRB (IRBR3) são destaque de alta do Ibovespa, com ganhos de cerca de 5% após apresentar lucro líquido de R$ 20,8 milhões em fevereiro de 2021 ante um lucro líquido em fevereiro de 2020 de R$ 700 mil, segundo relatório mensal enviado à Superintendência de Seguros Privados (Susep).

No acumulado do bimestre, o lucro líquido acumulado de R$ 38,8 milhões ante um prejuízo líquido no mesmo período de 2020 de R$ 131,3 milhões. Veja mais clicando aqui. 

As siderúrgicas também registram ganhos, seguindo a alta dos ADRs do setor na véspera. A quarta-feira, dia de Bolsa fechada no Brasil, foi positiva para o Brazil Titans ADR 20 em meio às perspectivas para a economia dos EUA.

A ação da Usiminas (USIM5) é destaque de alta na sessão, com ganhos de cerca de 5%. Vale destacar que, na próxima sexta, antes da abertura do mercado, a siderúrgica inaugura a temporada de balanços do primeiro trimestre no Brasil.

A estimativa da XP é de números positivos no primeiro trimestre. “No segmento de aço, esperamos que maiores volumes (+2% na comparação trimestral) e preços compensem custos por tonelada mais elevados no período. O movimento de recomposição de estoques do setor automotivo deve impactar positivamente preços realizados devido ao melhor mix e volumes maiores (maior diluição de custos). Na mineração, sazonalmente mais fracos (cerca de 1,9 milhão de toneladas) e preços mais altos do minério de ferro (US$167 a tonelada, alta de 25% na base trimestral) podem resultar em outro trimestre de forte Ebitda (estimativa de R$ 1,14 bilhão)”, afirma a equipe de análise.

Hypera (HYPE3), que divulga o resultado na sexta depois do fechamento do mercado, também tem ganhos, de cerca de 2%.

Também acompanhando o movimento dos ADRs na véspera, estão os papéis de aéreas, com Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) registrando ganhos de cerca de 3%, seguindo o desempenho do setor no exterior em meio às perspectivas mais positivas de reabertura com a vacinação contra o coronavírus, apesar do cenário doméstico ainda desafiador.

No radar de fusões e aquisições, a ação da Lojas Americanas (LAME4) sobe cerca de 1,5%, enquanto a sua controlada B2W (BTOW3) tem alta de 3% com a repercussão da compra de 70% das ações do Grupo Uni.co na última terça.

PUBLICIDADE

Fora do Ibovespa, os ativos da Locaweb (LWSA3), avançam ainda mais, até 8,60%. A companhia celebrou contrato compra e venda com a Organisys Software (Bling e Contrato Bling), para a compra da totalidade de seu capital social pela empresa. A operação é de aproximadamente R$ 524,3 milhões de reais e está sujeito, ainda, a determinados ajustes de dívida líquida e capital de giro.

A ação da Ambev (ABEV3), por sua vez, sobe mais de 2% após a divulgação dos resultados da Heineken, mostrando queda das vendas no Brasil.

Confira mais destaques abaixo:

A Hapvida precificou na terça-feira oferta de ações com esforços restritos a R$ 15 por papel, de acordo com fato relevante da companhia à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em operação que movimentou R$ 2,7 bilhões.

O preço representa um desconto de 1,8% em relação ao fechamento da ação na terça, de  R$ 15,28.

No follow on, que teve como coordenadores BTG Pactual, Bank of America, Itaú BBA, XP, Credit Suisse e Citi, houve colocação primária de 135 milhões de novas ações e secundária de 45 milhões de papéis, incluindo as ações adicionais.

Após a oferta, o capital social da Hapvida passou para R$ 7,85 bilhões, dividido em 3.849.929.530 ações.

Os recursos líquidos da oferta primária serão destinados a investimento na estrutura atual da companhia e de empresas recém adquiridas e/ou em processo de fusão/aquisição, bem como financiamento de potenciais fusões e/ou aquisições futuras.

PUBLICIDADE

A Alupar, que atua nos segmentos de transmissão e geração de energia elétrica, precificou na terça-feira oferta secundária de units com esforços restritos a R$ 25,50 cada, segundo fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O fundo de investimentos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vendeu sua participação de 12% na companhia e levantou 896,7 milhões de reais na operação.

Lojas Americanas (LAME4)

As Lojas Americanas anunciaram na  terça, a compra de 70% das ações do Grupo Uni.co, dono das marcas Puket, Imaginarium, MinD e Lovebrands. A aquisição foi feita por meio da subsidiária IF Capital e prevê a compra da fatia restante da companhia 30% em um prazo de três anos. O valor da operação não foi revelado.

Com a aquisição, o objetivo das Lojas Americanas é aumentar a presença em segmentos de maior frequência de compras, como moda, acessórios, presentes e design.

O Grupo Uni.co atua no varejo físico e virtual por meio de uma estratégia omnichannel, de integração de canais físicos e digitais. Atualmente, são 440 franquias das marcas da empresa, que são especializadas no segmento de fun design, que engloba itens de decoração e vestuário com design criativo.

Na avaliação da XP, a transação é positiva para a Americanas por garantir a entrada em novas categorias (Puket com moda infantil e Imaginarium com presentes). Além disso, os analistas destacaram a experiência da Uni.co em criação, o que “pode alavancar o desenvolvimento das marcas próprias da Americanas”. No entanto, destacam que a operação ficará mais complexa. Saiba mais clicando aqui. 

A Gerdau informou que vai retomar as operações de produção de aço na unidade de Araucária (PR) no segundo semestre deste ano, reflexo do cenário positivo para a demanda por aço no Brasil, principalmente dos setores da construção civil, infraestrutura e indústria. O investimento para o reinício das atividades na usina é da ordem de R$ 55 milhões.

Com capacidade anual de produção de 420 mil toneladas de aço bruto, a unidade, hibernada desde 2014, terá suas atividades retomadas gradualmente, com os volumes ajustados em linha com a evolução do mercado nacional. Com isso, serão gerados cerca de 300 novos postos de trabalho diretos e indiretos.

PUBLICIDADE

“Estamos otimistas com as boas perspectivas apresentadas para o mercado doméstico. Com o reinício da produção, a empresa visa seguir atendendo o aumento da demanda por aços longos no Brasil, bem como otimizar o fornecimento de produtos aos clientes em todo o País em associação às capacidades já existentes”, afirma Marcos Faraco, vice-presidente da Gerdau.

Segundo o Bradesco BBI, a decisão da Gerdau de retomar uma unidade siderúrgica que havia sido fechada desde a última crise brasileira indica a confiança da empresa nas tendências futuras da demanda de aço no país após 2021. A produção adicional da unidade deve melhorar ainda mais a flexibilidade de produção da Gerdau.

A Oi , atualmente em recuperação judicial, propôs aos acionistas duas reorganizações em sua estrutura societária necessárias para levar adiante o plano de recuperação. A empresa quer autorização para incorporar a Telemar, que atualmente detém licenças para telefonia fixa e serviços multimídia junto à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), e para cindir e incorporar uma parte da Brasil Telecom Comunicação Multimídia (BTCM).

Segundo a Oi, os movimentos são necessários para tocar o plano de recuperação judicial da tele. Após um aditamento feito no ano passado, o plano prevê a divisão da Oi com a venda de parte de seus ativos, e que a empresa ficará como sócia na InfraCo, unidade de fibra ótica. Parte das demais verticais, como a Oi Móvel, já foi vendida.

Na incorporação da Telemar, a Oi propõe extinguir ações ordinárias e preferenciais da empresa, mas uma parcela de 30.595.616 papéis preferenciais de classe A será substituída por 644.019.090 ações ordinárias da Oi, que serão emitidas especialmente para esse fim e mantidas em tesouraria. Segundo a Oi, essa emissão não alterará seu capital social, porque o patrimônio da Telemar já está em seu próprio balanço.

A Oi terá de emitir os novos papéis porque as ações em questão da Telemar estão empenhadas em favor da portuguesa Pharol. Elas são a garantia do cumprimento de uma obrigação que a Oi contraiu após receber um aporte de ativos da Pharol em 2014. Com isso, as novas ações da Oi também servirão de garantia à Pharol.

Essa incorporação, porém, depende da transferência à Oi, por parte da Anatel, de licenças de operação de telefonia fixa e conexão multimídia que hoje, estão registradas em nome da Telemar. Se a incorporação for aprovada antes da transferência, a dissolução da Telemar ocorrerá após a troca da titularidade das licenças.

O IRB (IRBR3) teve lucro líquido de R$ 20,8 milhões em fevereiro de 2021 ante um lucro líquido em fevereiro de 2020 de R$ 700 mil, segundo relatório mensal enviado à Superintendência de Seguros Privados (Susep).

No acumulado do bimestre, o lucro líquido acumulado de R$ 38,8 milhões ante um prejuízo líquido no mesmo período de 2020 de R$ 131,3 milhões.

O ressegurador registrou prêmio emitido de R$ 528,6 milhões em fevereiro de 2021, uma redução de 12,3% em relação a fevereiro de 2020, sendo R$ 255,8 milhões no Brasil e R$272,7 milhões no exterior. Com redução de 5,4% no Brasil em relação a fevereiro de 2020 e redução de 17,9% no exterior no mesmo conceito.

Já no bimestre, o prêmio emitido atingiu R$ 1,342 bilhão, crescimento de 9,2% em relação ao mesmo período de 2020, sendo R$ 719,7 milhões no Brasil e R$ 622,5 milhões no exterior, crescimento de 46,7% e redução de 15,7% respectivamente, em relação ao mesmo período de 2020.

De acordo com o IRB, a redução no exterior está em linha com a estratégia de re-underwriting amplamente divulgada pela companhia.

Veja mais clicando aqui. 

A Petrobras comunicou na última terça à noite os termos da transação feita com a União em relação às compensações que serão pagas à estatal referentes aos contratos de partilha do pré-sal nos campos de Atapu e Sépia.

Essa compensação refere-se aos investimentos feitos pela estatal para a exploração nos dois campos.

Pelo acordo feito entre a Petrobras e a Pré-Sal Petróleo (PPSA, empresa vinculada ao Ministério de Minas e Energia), firmado em 9 de abril, a compensação antes de impostos é de US$ 3,253 bilhões para o Campo de Atapu e US$ 3,200 bilhões para o Campo de Sépia.

Esse valor poderá ser complementado a cada ano, entre 2022 e 2032, caso o preço do petróleo tipo Brent atinja média anual superior a US$ 40 por barril até o limite de US$ 70 por barril.

Cyrela Commercial Properties (CCPR3)

A Cyrela Commercial Properties (CCP) anunciou a assinatura de um memorando de entendimento não vinculante (MOU) com a XP Vista Asset Management, que consiste na venda da participação em três shoppings centers por R$ 265 milhões.

De acordo com o memorando, esses ativos serão transferidos, de forma direta ou indireta, para a XP Vista Asset. A transação consiste em 31,59% do Shopping D e 7% do Shopping Cidade de São Paulo, ambos na capital paulista, e de 40% do Shopping Estação BH, em Belo Horizonte (MG).

A operação está sujeita a determinas condições, como a aprovação de autoridades públicas e da realização, pela XP, de diligência legal, contábil e financeira dos ativos e das partes envolvidas.

O memorando prevê ainda que pelo prazo de 90 dias, prorrogável por mais 30 dias, a Cyrela se comprometa a negociar com a XP de forma exclusiva quaisquer transações envolvendo esses três shoppings.

A Helbor registrou vendas líquidas R$ 321,7 milhões no primeiro trimestre do ano, segundo prévia operacional divulgada na terça à noite. Esse valor representa uma queda de 8,4% na comparação com igual período de 2020.

As vendas de lançamentos totalizaram R$ 124,6 milhões entre janeiro e março e são referentes a apenas um empreendimento (Helbor Patteo Klabin).

A construtora Eztec anunciou o lançamento do Dream View Sky Resort, localizado na zona Leste de São Paulo. O empreendimento terá 420 unidades de médio padrão, com um VGV de R$ 252,7 milhões.

O VGV é o valor potencial de venda de todas as unidades de um determinado empreendimento.

A J&F Investimentos anunciou na terça-feira que Aguinaldo Gomes Ramos Filho é o novo diretor-presidente da holding que controla o frigorífico JBS e a Eldorado Brasil Celulose, entre outros negócios. O executivo substitui José Antônio Batista Costa, que estava no cargo desde fevereiro de 2017.

Ramos Filho ocupou por três anos, até fevereiro de 2021, a presidência da Eldorado. O executivo também já havia presidido as operações da JBS Paraguai e JBS Uruguai. Além disso, é membro do Conselho de Administração da JBS.

Batista da Costa é neto do fundador do grupo, José Batista Sobrinho, e acumulava a presidência da J&F com a do PicPay, carteira digital do Banco Original, que também pertence ao grupo.

A J&F registrou receita líquida de R$ 276 bilhões em 2020 e contava com 264 mil colaboradores.

Localiza (RENT3), Movida (MOVI3) e Unidas (LCAM3)

A XP iniciou a cobertura do setor de Aluguel de Carros com recomendação de compra para a Localiza, com preço-alvo de R$ 76, frente aos R$ 61,78 de fechamento da véspera.

Também mantém recomendação de compra para a Movida, com preço-alvo de R$ 23, frente aos R$ 17,12 da véspera. E também para a Unidas, com preço-alvo de R$ 34, frente a R$ 25,49.

A XP vê tendência de consolidação no mercado de aluguel de carros, que continua a crescer. Também vê um bom momento para os segmentos de terceirização de frota e vendas de seminovos.

Ainda no radar das companhias, reportagem do Estadão destaca que a união da Localiza  e Unidas ganhou a oposição dos motoristas de aplicativos.

Representantes de condutores de serviços como Uber e 99 estão preocupados com o impacto para a categoria. De acordo com a Associação dos Motoristas de Aplicativos de São Paulo (Amasp), 25% dos motoristas dirigem carros alugados no Estado. O temor é de que a fusão diminua a concorrência e aumente o preço da locação para os motoristas, reduzindo a oferta de transporte ou encarecendo o valor da corrida para os usuários. Veja mais clicando aqui. 

São Martinho (SMTO3)

A XP também iniciou a cobertura para São Martinho com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 38 por ação, representando um potencial de alta de 17% em relação ao fechamento de terça-feira.

“Em nossa opinião, a empresa tem uma execução agroindustrial impecável e está pronta para desfrutar do bom momento pelo qual vem passando o setor de Açúcar e Etanol”, destacam os analistas.

Locaweb (LWSA3

A Locaweb celebrou contrato compra e venda com a Organisys Software (Bling e Contrato Bling), para a compra da totalidade de seu capital social pela empresa.

A operação é de aproximadamente R$ 524,3 milhões de reais e está sujeito, ainda, a determinados ajustes de dívida líquida e capital de giro.

O Bling é um sistema de gestão online, para o segmento de e-commerce e micro e pequenas empresas –MPEs, com mais de 200 integrações, que oferece soluções no modelo SaaS para negócios físicos, virtuais ou híbridos.

A Locaweb também fez a celebração do contrato de compra e venda para a compra da totalidade das ações de emissão da Pagcerto Soluções, empresa que atua por meio de uma plataforma white labelde subadquirência e BaaS (banking as a service), serviços estes que serão integrados e aproveitados pelo Bling.

Multiplan (MULT3)

A Multiplan anunciou a retomada das atividades dos shopping centers da cidade de Belo Horizonte, em horário de funcionamento reduzido, a partir desta quinta.

A retomada das operações em Belo Horizonte marca a reabertura de 100% do portfólio, com os 19 shopping centers da companhia operando simultaneamente – ainda que com restrições diversas.

Pacaembu

A incorporadora Pacaembu, especializada em empreendimentos residenciais populares, divulgou sua prévia operacional referente ao primeiro trimestre do ano. Nesse período, a companhia lançou oito empreendimentos, totalizando 1.493 unidades. Entre janeiro e março de 2020, foram quatro lançamentos (213 unidades).

Esses lançamentos representam um VGV de R$ 214,2 milhões, dez vezes (913,4%) o montante registrado no primeiro trimestre do ano passado. O VGV é o valor potencial de venda de todas as unidades dos empreendimentos lançados.

As vendas líquidas atingiram R$ 113 milhões, queda de 17,1% na comparação com igual período de 2020. A empresa conta com 1.357 unidades em estoque, o equivalente a R$ 194,3 milhões. A maior parte desse estoque (99,4%) é formada por unidades em construção.

A Braskem prestou esclarecimentos sobre a venda da participação da Novonor (novo nome da Odebrecht) na companhia. A construtora, em recuperação judicial, tem uma fatia de 50,1% na empresa petroquímica. O posicionamento ocorre após reportagem do jornal O Estado de São Paulo relatar o interesse do fundo Mubadala na operação.

A venda da participação da Novanor foi anunciada em agosto de 2020. Segundo a Braskem, a Novanor informou que ainda não há “discussões específicas ou avançadas com qualquer investidor em particular”.

Aegea

A empresa de saneamento Aegea anunciou a liquidação de sua 7ª emissão de debêntures simples não conversíveis em ações.

A operação tem prazo de vencimento em seis anos e movimentou R$ 400 milhões. Os recursos, segundo a empresa, serão destinados à realização de investimentos e reforço de caixa.

A Vamos, empresa de locação de caminhões, informou que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a compra da Monarca Máquinas e Implementos Agrícolas, anunciada em 18 de março.

A Monarca é uma rede de 15 concessionárias da marca Valtra com presença no Mato Grosso.

O Consórcio Via Mobilidade, liderado pela CCR, venceu na terça-feira o leilão para concessão das linhas das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), com oferta de R$ 980 milhões, um ágio de cerca de 202% sobre o valor mínimo.

A concessão e prevê investimentos de R$ 3,35 bilhões ao longo do contrato de 30 anos, sendo R$ 2,6 bilhões nos primeiros seis anos. A concessão prevê modernização de 35 estações; construção de duas novas e a compra de frota de mais de 30 composições novas.

O governo paulista assume a obrigação de concluir obras de extensão da Linha 9 até Varginha e fazer adequações nas estações Morumbi (integração com Linha 17-Ouro), Santo Amaro (integração com Linha 5-Lilás) e Carapicuíba (ligação com Boulevard).

O Bradesco BBI destacou que a alocação de capital pode adicionar R$ 0,4 em valor à CCR. Além disso, duas concessões de aeroportos adicionadas em abril podem elevar o valor da empresa em mais R$ 1,5.
Em 29 de abril, cabe ressaltar, o governo federal vai leiloar a concessão de pedágio da BR 153, entre Goiás e Tocantins. O banco mantém avaliação de outperform para a CCR, com preço-alvo de R$ 18, frente aos R$ 12,42 atuais. O Credit Suisse também ressaltou a vitória da CCR sobre a CPTM. O banco mantém avaliação de outperform e preço-alvo de R$ 21,50.

A Heineken, segunda maior cervejaria do mundo, teve um desempenho melhor do que o esperado no início de 2021, já que o aumento nas vendas de cerveja na África e na Ásia compensou uma queda acentuada na Europa. O fabricante das cervejas Heineken, Tiger e Sol manteve sua perspectiva de que o impacto da pandemia Covid-19 foi significativo e os mercados devem melhorar gradualmente no segundo semestre, dependendo do avanço da vacinação.

A cervejaria holandesa vendeu 50,3 milhões de hectolitros de cerveja no primeiro trimestre, estável ante mesma etapa do ano passado. A previsão média em uma pesquisa compilada pela empresa era de um declínio de 5%.

O lucro líquido no primeiro trimestre foi de 168 milhões de euros, quase 80% maior do que no ano anterior, mas mais de 40% menor do que o de 2019, com a fraqueza europeia compensada por outras regiões e o controle de custos ajudando.

Por outro lado, as vendas no Brasil, levando em conta todas as marcas de cerveja da companhia, caíram entre 4% a 6%. A Heineken não deu mais detalhes sobre o dado, afirmando apenas que opera atualmente no país com capacidade máxima, já que as marcas “premium” continuam com um desempenho superior. A marca Heineken, diz a empresa, cresceu cerca de 20% no mercado brasileiro.

O Credit Suisse comentou a redução nos volumes da Heineken no Brasil no primeiro trimestre. O banco diz que o resultado é positivo para a Ambev, e sugestivo de fortes ganhos de ações. Na véspera, dia de feriado no Brasil, os ADRs da Ambev subiram 2,10%.

O Bradesco BBI, por sua vez, aponta que os resultados da Heineken não mudam a visão em relação aos números da Ambev, a ser divulgado em 6 de maio. Isso ocorre porque as restrições de capacidade da Heineken, que impactaram negativamente seus resultados no Brasil (e provavelmente beneficiou a Ambev), eram  já esperados pelo mercado e sustentam a visão de estimativa dos volumes de cerveja da Ambev no Brasil aumentando 15% no primeiro trimestre (o que acreditam estar amplamente em linha com as expectativas do mercado). A recomendação do BBI segue neutra, com preço-alvo de R$ 15,50 por papel.

Aprenda como ganhar dinheiro prevendo os movimentos dos grandes players. Na série Follow the Money, Wilson Neto, analista de investimentos da Clear, explica como funcionam as operações rápidas.

Temporada de resultados do 1º trimestre de 2021 começa na próxima semana; confira o calendário

SÃO PAULO – A temporada de resultados do primeiro trimestre de 2021 tem início na próxima semana para a Bolsa brasileira, mais precisamente na sexta-feira (23), com a divulgação dos números da Usiminas (USIM5) antes da abertura do mercado e da Hypera (HYPE3) após o fechamento.

A expectativa é de que a Usiminas registre bons resultados, na esteira de um cenário positivo com o aumento dos preços realizados em meio à forte demanda por aço no exterior e com o reajuste de preços por aqui.

Segundo aponta o Itaú BBA, os preços domésticos tendem a registrar alta de 20% no trimestre, com a renegociação dos contratos com clientes do setor automotivo. A expectativa dos analistas do banco também é de uma melhora nas exportações de aço.

Fernando Ferreira, estrategista-chefe e head do research da XP, aponta que esta deve ser uma tendência geral para o setor que deve se estender para as commodities em geral, impulsionado pelo cenário global mais construtivo com retomada expressiva da economia da China e dos Estados Unidos.

Por outro lado, o maior endividamento da população, menores valores de programas sociais do governo e aumento das restrições de mobilidade com alta dos casos de coronavírus devem impactar os resultados de setores mais voltados à economia doméstica, como varejo. O impacto, contudo, deve ser mais significativo no segundo trimestre.

Confira abaixo o calendário com as datas previstas para a divulgação dos balanços do 1º trimestre:

Confira o calendário de resultados também clicando aqui. 

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

PUBLICIDADE

Radar da próxima semana: produção da Vale, follow-on da Hapvida e balanços do 1º trimestre

(Bloomberg) — O pontapé inicial para a safra de balanços do 1T21 vai ser dado nos próximos dias, mas a Vale (VALE3) já divulga dados de produção e vendas na segunda-feira (19), enquanto Usiminas (USIM5) e Hypera (HYPE3) informam resultados na sexta.

Entre as ofertas, a Hapvida (HAPV3) pode levantar cerca de R$ 2,7 bilhões com uma oferta primária e secundária de ações, considerando os lotes adicionais e o preço de fechamento de 9 de abril. A empresa pretende usar os recursos para financiar aquisições que possam contribuir para sua expansão.

Acompanhe a movimentação no mercado corporativo na próxima semana:

  • 19/abril: Vale divulga relatório de produção e vendas do 1T21
  • 19/abril: Estreia prevista das ações da Blau Farmacêutica na B3 após IPO
  • 19/abril: Linx deve divulgar balanço do 4T20 após adiamento
  • 19/abril: Vencimento de opções sobre ações na B3
  • 20/abril: Definição de preço por ação em ofertas subsequentes da Alupar e da Hapvida
  • 20/abril: PetroRio reúne acionistas em AGO
  • 21/abril: Feriado Nacional pelo Dia de Tiradentes, mercados fechados no Brasil
  • 22/abril: Fixação do preço por ação em IPO do Hospital Care Caledonia e GPS Participações
  • 22/abril: Magazine Luiza reúne acionistas em AGOE, Alpargatas, Wilson Sons, Sanepar promovem AGO
  • 23/abril: Tecnisa promove AGE, Cielo, MRV, Vulcabras reúnem acionistas em AGOE
  • 23/abril: Hypera e Usiminas divulgam resultados trimestrais do 1T21

De saída

O BTG Pactual testa o mercado para vender parte de sua participação na Eneva, disse o Brazil Journal sem revelar como obteve a informação. O banco tem 22,89% do capital da Eneva e quer vender um bloco de 27 milhões de ações, cerca de 10% de sua posição.

Pode ser

A Elo Serviços selecionou bancos para avaliar um possível IPO na Nasdaq, disse a Reuters citando pessoas próximas à companhia que falaram sob anonimato. Morgan Stanley, Goldman Sachs e JPMorgan seriam os principais coordenadores da possível oferta. O Banco do Brasil, em comunicado, disse que a abertura de capital da Elo segue em estudo ainda não conclusivo.

Localiza-Unidas

O preço atual das ações da Unidas embute praticamente zero chance de a combinação de negócios com a Localiza ser aprovada no Cade, disse a Brasil Capital em carta a clientes. Gestora prevê que a transação seja aprovada com restrições pelo órgão.

Mais uma

Lucia Maria Casasanta, indicada pelo acionista controlador, renunciou ao assento no conselho da Eletrobras por conta de novos desafios profissionais e pessoais, segundo comunicado da companhia. Ricardo Brandão Silva, também indicado pelo governo, já havia renunciado ao conselho em 1 de abril. Mauro Gentile Rodrigues Cunha também deixou o conselho, ainda no fim de março, por não concordar com a indicação do acionista controlador para o cargo de CEO.

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

Ações da Petrobras avançam 2% após acordo com a União e em dia de assembleia; Hypera, Fleury e Rede D’Or sobem

Plataforma da Petrobras na Baia da Guanabara, no Rio de Janeiro (Mario Tama/Getty Images)

SÃO PAULO – As ações da Petrobras (PETR3;PETR4registram ganhos de mais de 2% na sessão desta segunda-feira (12), em um dia de noticiário movimentado para a estatal.

Na última sexta-feira (9) a Petrobras informou, via fato relevante, que seu Conselho de Administração aprovou a assinatura de um acordo com a União, que estabelece as participações e o valor de compensação à Petrobras no caso de licitação dos volumes excedentes da Cessão Onerosa nos campos de Sépia e Atapu, na Bahia de Santos. Os destaques do acordo são: (i) pelo campo de Atapu, a Petrobras receberá US$ 3,25 bilhões, e pelo campo de Sépia, a compensação líquida firme será de US$ 3,2 bilhões; (ii) em Atapu, a participação do contrato de cessão onerosa (Petrobras) será de 39,5%, enquanto a de partilha (novo contratante) será de 60,5%. Em Sépia, os percentuais são de 31,3% e 68,7%, respectivamente.

Nesta segunda-feira está marcada para ocorrer, a partir das 15h, a assembleia extraordinária (AGE) que definirá o novo conselho de administração da Petrobras. Na pauta, está a aprovação do nome do general do Exército Joaquim Silva e Luna para assumir um assento no conselho de administração e, em seguida, a presidência da estatal, no lugar do Sr. Roberto Castello Branco.

No mercado de commodities, os preços do petróleo avançavam nesta segunda-feira, com otimismo sobre a recuperação da economia dos Estados Unidos em meio à aceleração da vacinação, mas o aumento em números de casos de Covid-19 em outras partes do mundo limitava os ganhos e fazia os preços serem negociados em um intervalo limitado. O petróleo Brent LCOc1 subia  1,27%, a US$ 63,75 por barril. Em meio à alta do petróleo, as ações da PetroRio (PRIO3) também registram ganhos.

A Rede D’Or e o Fleury, por sua vez, registram alta na esteira de aquisições feitas pelas companhias.

A Rede D’or celebrou um memorando de entendimento vinculante com objetivo de adquiria uma participação de 51% no capital social do Hospital Nossa Senhora das Neves (HNSN). O valor da firma (enterprise value) para 100% da companhia é de R$ 550 milhões.

Já o Grupo Fleury anunciou a aquisição de 66,7% da Vitta Ortopedia e da Vitta Clínicas por R$ 136 milhões.

O grupo farmacêutico Hypera, por sua vez, vê suas ações subirem cerca de 4%. A companhia anunciou que acertou a venda de seu centro de distribuição em Goiânia para o fundo de investimento em logística Newport por R$ 231,46 milhões.

Confira os destaques:

PUBLICIDADE

A Oi comunicou nesta segunda-feira (12) que aceitou a proposta vinculante revisada apresentada pelo Grupo BTG para a aquisição parcial da InfraCo, divisão especializada em fibra óptica da operadora de telecomunicações em recuperação judicial.

A proposta vinculante prevê em 31 de dezembro deste ano o valor de firma (EV) da InfraCo de R$ 20,02 bilhões, considerando uma dívida líquida de R$ 4,107 bilhões, integralmente devida à Oi e a ser repaga em até 90 dias do fechamento da operação.

O valor da operação totaliza R$ 12,923 bilhões, o qual, segundo a Oi, estará sujeito a mecanismos de ajuste com base em determinadas métricas de desempenho da InfraCo.

A proposta vinculante – assinada pela Oi com Globenet Cabos Submarinos S.A., BTG Pactual Economia Real Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia e outros fundos de investimento do Grupo BTG – contempla ainda a celebração entre a InfraCo e a Oi e/ou suas afiliadas de contratos de provimento de capacidade e outros contratos operacionais, bem como de acordo de acionistas da InfraCo, entre os proponentes e a Oi.

Os proponentes terão direito de, a seu exclusivo critério, cobrir a oferta de maior valor que seja eventualmente apresentada no referido processo competitivo de alienação parcial da InfraCo (‘right to top’).

O Conselho de Administração da  Hapvida aprovou na noite de  domingo (11) a realização de oferta pública de distribuição primária e secundária, com lote de 133,3 milhões de ações ordinárias e a possibilidade de um lote adicional de 46,6 milhões de ações.

O preço por ação será fixado após a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimento, com base na cotação de fechamento das ações ordinárias da Hapvida na B3 na última sexta, aos R$ 14,87, com possível valor indicativo de R$ 1,98 bilhão para a oferta do lote inicial e R$ 2,67 bilhões se considerado o lote adicional.

A ação da Allied estreia na B3 na sessão desta segunda-feira, com o preço sendo definido a R$ 18 por ação. A companhia aprovou ainda aumento de capital de R$ 180 milhões. O aumento de capital será mediante a emissão, no âmbito da oferta pública inicial com esforços restritos de distribuição primária e secundária de 10.476.204 ações ordinárias.

PUBLICIDADE

A Allied  foi fundada em 2001 e é uma distribuidora varejista de produtos eletrônicos, de marcas como LG, Samsung e Apple. Os bancos contratados para comandar o IPO foram BTG Pactual, Bradesco BBI e Itaú BBA.

Os recursos do IPO serão destinados para investimentos em tecnologia, serviços financeiros, com a expansão da Soudi Pagamentos (sociedade controlada da empresa) e compras de novos negócios e lojas.

Dois dos 11 nomes indicados para compor o Conselho de Administração da Petrobras foram considerados inaptos a assumir o cargo por terem atuado em empresas com relação direta com a Petrobras nos últimos três anos. A avaliação é do Comitê de Pessoas da estatal, formado por membros do atual colegiado da empresa e por especialistas independentes.

Se eleitos, os dois candidatos apenas vão assumir o assento com o aval dos acionistas, que se reúnem em assembleia nesta segunda-feira.

Márcio Andrade Weber teve o nome negado por ter sido diretor da Petroserv até agosto do ano passado. A empresa é uma fornecedora e operadora de sondas da Petrobras. Ele foi indicado pela União, controladora da companhia.

A ata da reunião do Comitê de Pessoas da última quinta-feira, 8, revela que o executivo teria argumentado que não prestou serviço diretamente à estatal. Mas a justificativa não convenceu os avaliadores do seu currículo, que recorreram à Lei das Sociedades Anônimas para respaldar a decisão de considerá-lo inelegível ao cargo.

Segundo a legislação, “são impedidas aquelas que ocupem cargos em sociedades que possam ser consideradas concorrentes no mercado ou que tiverem interesse conflitante”.

O mesmo argumento foi usado pelo comitê de avaliação para negar a indicação de Pedro Rodrigues Galvão de Medeiros por acionistas minoritários. Ele foi diretor do Citibank até dezembro do ano passado. O banco foi responsável pela abertura de capital da BR Distribuidora pela Petrobras.

PUBLICIDADE

Além de negar os dois nomes, o comitê interno da estatal fez uma série de ressalvas aos demais candidatos. Os únicos a passar completamente no crivo dos avaliadores foram o atual presidente do Conselho de Administração da empresa, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, Cynthia Santana Silveira, Murilo Marroquim e Leonardo Antonelli, que hoje tem um assento de representante dos minoritários no colegiado e poderá se candidatar à reeleição.

Os demais – Sonia Villalobos, Ana Silvia Matte, Ruy Flaks Schneider (atual membro do conselho), Marcelo Gasparino e José João Abdalla Filho – tiveram os nomes aprovados com ressalvas. Alguns deles estão ou estiveram, recentemente, ligados a empresas que podem ter conflito de interesse com a Petrobras. Outros são citados em processos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A renovação do Conselho de Administração da Petrobras acontecerá nesta segunda-feira, na Assembleia Geral Extraordinária (AGE) de acionistas. O atual colegiado será desfeito por determinação legal, que define que todos os conselheiros eleitos em voto múltiplo devem sair se um deles deixar o cargo. Isso acontecerá porque o presidente da empresa e membro do colegiado, Roberto Castello Branco, teve o mandato encerrado. O executivo será substituído pelo general Joaquim Silva e Luna, após ser alvo de sucessivas críticas do presidente da República, Jair Bolsonaro.

A Petrobras ainda informou na sexta que seu Conselho de Administração aprovou na sexta a assinatura de acordo com a União, que estabelece as participações em cada contrato e o valor de compensação à estatal no caso de licitação dos volumes excedentes da Cessão Onerosa nos campos de Sépia e Atapu. O Contrato de Cessão Onerosa, celebrado em 2010, entre a Petrobras e a União, incluiu o exercício de atividades de exploração e produção nas áreas de Sépia e Atapu, em volume de produção limitado a 500 milhões de barris de óleo equivalente (boe) em Sépia e 550 milhões de boe em Atapu.

“Em 2019, diante da ausência de ofertas na licitação em regime de partilha dos volumes excedentes ao contrato de cessão onerosa das áreas de Sépia e Atapu, a Petrobras e a Pré-sal Petróleo S.A. (PPSA), qualificada como representante pela União, negociaram condições mais competitivas à concretização de nova licitação das áreas, em benefício de ambas as partes”, afirmou a companhia.

A Vale informou em comunicado que a Samarco Mineração ajuizou pedido de recuperação judicial perante comarca de Belo Horizonte para evitar que ações iniciadas por credores afetem a capacidade da empresa de manter suas atividades. A Samarco é uma joint venture entre a Vale e a BHP.

Se a reestruturação for aceita pela Corte, a maior parte das ações de credores contra a Samarco no Brasil seria suspensa por 180 dias, que podem ser estendidos por um período equivalente, e a Samarco teria até 60 dias para apresentar um plano de restruturação. Segundo a Vale, a meta da Samarco é reestruturar suas dívidas e evitar ações em curso que poderiam impactar negativamente suas operações e obrigações socioambientais. A Samarco deve ingressar com um pedido de proteção nos Estados Unidos com base no capítulo 117 da lei de falências americana.

Na avaliação do Morgan Stanley, não há implicações materiais para a Vale. O banco afirma que a Vale e a BHP sempre tiveram uma responsabilidade legal e moral de apoiar a Fundação Renova e ajudar a Samarco a pagar pela reparação e pela compensação ligados à ruptura da barragem de Fundão. Além disso, apesar de o custo da dívida potencialmente subir com o pedido da Samarco, a Vale é suficientemente grande e relevante para se refinanciar. O banco diz que acredita que os títulos da Samarco não são garantidos pelos parceiros de capital da joint venture.

O Morgan Stanley mantém avaliação overweight (expectativa de valorização dentro da média do mercado) para a Vale, com preço-alvo de US$ 21, frente aos US$ 18,22 negociados na Bolsa de Nova York.

O Credit Suisse também avalia que o impacto da notícia da Samarco sobre a Vale é “imaterial”. Na avaliação do banco, nem a BHP nem a Vale são garantidores da dívida de US$ 4,7 bilhões da Samarco, que torna um cenário de injeção de capital das empresas sobre a Samarco, ou uma transferência de obrigações para as empresas, improváveis.

Segundo o banco, a tentativa de fazer com que a Samarco entre em recuperação judicial busca garantir continuidade operacional à empresa, já que ações legais de credores incluem pedidos para congelar as contas bancárias até que se chegue a uma renegociação da dívida. Se as ações legais tiverem sucesso, poderiam impactar a capacidade da empresa de continuar a operar. E que as provisões relativas à Fundação Renova já refletem o valor toral que a Vale acredita que será necessário para cobrir custos de reparação ligados à ruptura da barragem de Fundão. Sendo assim, o banco não vê motivos para realizar revisões positivas relativas a provisões.

O Credit Suisse manteve a avaliação de outperform para a Vale, por avaliar que seus papéis estariam excessivamente descontados em relação a empresas australianas, e que há boas perspectivas de ganhos no futuro. O banco espera um rendimento sobe o fluxo livre de caixa de 20% em 2021, e rendimentos de ao menos 9% em dividendos em 2021, presumindo um preço do minério de ferro em US$ 150 por tonelada.

O banco mantém avaliação em outperform, e preço-alvo de US$ 25, frente aos US$ 18,22 negociados na sexta pelos papéis VALE na Bolsa de Nova York.

Nesta segunda, também ocorre  precificação de oferta de debêntures participativas da Vale que pertencem à União e ao BNDES.

Rede D’Or (RDOR3)

A Rede D’Or anunciou a assinatura de um memorando de entendimentos vinculante para a aquisição de 51% do Hospital Nossa Senhora das Neves, marcando sua entrada no mercado de João Pessoa-PB (Estado com 423 mil beneficiários de saúde). “Esta é a segunda aquisição em menos de 7 dias e novamente com múltiplos atrativos e espaço para expansão e crescimento orgânico. Em nossa opinião, a notícia é positiva, pois confirma um dos pilares da nossa tese de investimento para a empresa – o crescimento inorgânico. Reiteramos nossa recomendação de compra e preço alvo de R$ 85 por ação”, destaca a equipe de análise da XP.

O grupo de medicina diagnóstica Fleury anunciou na sexta a compra de participação majoritária na empresa de clínicas ortopédicas Vita. A companhia acertou acordo para adquirir participação de 66,7% na Vita Ortopedia Serviços Médicos Especializados e da Vita Clínicas Medicina Especializada por R$ 136,8 milhões. Segundo a companhia, a “Vita é referência em consultas e cirurgias ortopédicas assim como sessões de reabilitação, com corpo clínico composto por mais de 40 médicos e 80 terapeutas”.

“O Fleury segue a tendência mencionada de consolidação do setor de saúde e busca a entrada em novos mercados, diversificando a sua atuação da medicina diagnóstica. Vemos o movimento como bastante positivo para a companhia, em linha com a estratégia da concorrente DASA (Diagnóstico das Américas). Vamos acompanhar os desdobramentos e próximos passos da companhia que pode surpreender com novas aquisições”, destaca a Guide Investimentos.

O grupo farmacêutico Hypera, por sua vez, anunciou que acertou a venda de seu centro de distribuição em Goiânia para o fundo de investimento em logística Newport por R$ 231,46 milhões. Segundo a Hypera, o centro era dedicado à antiga operação de produtos de consumo da companhia e estava alugado a terceiros.

Burger King (BKBR3)

O CFO do Burger King Clayton Malheiros pediu demissão e deixa o grupo em 8 de Maio. Gabriel Guimarães, executivo de carreira do grupo foi escolhido como interino.

De acordo com o Credit Suisse, a notícia, apesar de inesperada, tem impacto neutro para a companhia. Guimaraes, atualmente Diretor financeiro e de relações com investidores, começou em 2014 e tomará o cargo de CFO por período indefinido. A companhia reiterou continuidade da estratégia com foco em crescimento e no digital.

Braskem (BRKM5)

O Morgan Stanley publicou uma avaliação sobre o cenário para a Braskem, joint venture entre Petrobras e Odebrecht. Segundo o banco, ao contrário da expectativa do mercado para o final de 2020, o ritmo do mercado petroquímico continua forte em 2021, com spreads historicamente altos para os setores de polipropileno e propileno, devido a interrupções na oferta, especialmente após uma tempestade de inverno recente afetar a capacidade do Golfo dos Estados Unidos; alta demanda, beneficiad por maior necessidade de empacotamento na pandemia; e níveis de estoque baixos.

A nova estimativa de Ebitda do banco, de US$ 4 bilhões fica 32% acima de sua estimativa anterior, e 70% acima do consenso do mercado. O banco elevou a expectativa para 2022 em US$ 2,771 bilhões. Com base nas conversas recentes, o banco diz acreditar que investidores estão trabalhando com presunções para o Ebitda em 2021 mais perto de entre US$ 3,5 e US$ 3,9 bilhões.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

Hapvida e Intermédica confirmam acordo para fusão, Hypera lucra R$ 314,9 mi no 4º tri, Méliuz anuncia aquisição e mais destaques

SÃO PAULO – O noticiário corporativo tem como destaque o anúncio de Hapvida e Notre Dame Intermédica no fim de semana de que houve acordo para a combinação de negócios.

Já a Méliuz anunciou na noite de sexta-feira a compra de 51,2% do site de cupons de desconto Picodi por R$ 120 milhões. É a primeira aquisição da companhia desde sua Oferta Pública de Ações (IPO) em novembro do ano passado, que trouxe R$ 300 milhões para o caixa.

A Hypera também informou na sexta-feira que seu lucro líquido de outubro a dezembro de 2020 somou R$ 314,9 milhões, alta de 31,9% ante mesma etapa de 2019.  Confira os destaques:

Hapvida (HAPV3) e a Notre Dame Intermédica (GNDI3)

A Hapvida e a Notre Dame Intermédica  anunciaram na noite de sábado que chegaram a um acordo para a combinação de negócios. A operação prevê a incorporação das ações de Notre Dame pela Hapvida que criará uma das maiores provedoras de soluções de saúde verticalizadas no mundo.

De acordo com o documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), cada acionista da Notre Dame receberá 5,2490 ações ordinárias da Hapvida por papel da empresa, além do valor de R$ 6,45, o que resultará na empresa combinada em que acionistas da Hapvida passariam a deter 53,6% do capital social enquanto os da Intermédica vão ter 46,4%.

Ambas as empresas convocaram Assembleias Gerais Extraordinárias (AGEs) para o próximo dia 29 de março para deliberarem sobre o assunto, que dependerá de aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) caso seja aprovado.

Irlau Machado Filho, atual diretor presidente da Notre Dame, e Jorge Pinheiro, diretor presidente da Hapvida, atuarão como co-CEOs na nova empresa combinada. O Conselho de Administração será ampliado para, no mínimo, nove membros, sendo dois indicados pelo atual Conselho de Notre Dame, cinco pela Hapvida (incluindo o presidente do colegiado) e dois independentes.

Os custos estimados serão de aproximadamente R$ 116 milhões, os quais incluem custos com assessoria financeira, avaliações, assessoria jurídica e demais assessorias para implementação da operação, publicações e demais despesas relacionadas.

O BTG Pactual e o Itaú BBA atuaram como assessores financeiros da Hapvida e o JPMorgan e o Citi pela Notre Dame. O escritório Pinheiro Neto é o assessor legal da Hapvida; e Souza, Mello e Torres coordena pelo lado da Notre Dame, juntamente com Lefosse e Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga.

PUBLICIDADE

A XP Investimentos iniciou a cobertura para as ações das duas empresas ambas com recomendação de compra e preços-alvos de R$ 21 para HAPV3 e de R$ 117 para GNDI3.

“Acreditamos que, separadamente, as empresas estão bem posicionadas para capturar uma oportunidade de crescimento orgânico, consolidando ainda mais os mercados em que já estão presentes. Entretanto, juntas elas criam uma rede complementar única de abrangência nacional com espaço adicional para uma consolidação inorgânica e sinergias relevantes – estimamos impacto de até R$ 1,1 bilhão”, avaliam.

O Credit Suisse, por sua vez, apontou que a principal diferença da proposta inicial é o premio de 15% oferecido aos acionistas da Notre Dame versus os 10% anteriormente proposto. Após a conclusão, os acionistas da Hapvida passarão a ter 53,6% da NewCo e os da GNDI, 46,4%, caso haja novos ajustes. Essa proporção será possível devido aos R$ 4 bilhões em cash a serem pagos aos acionistas da GNDI no fechamento da transação (R $ 6,45/ação).

Os analistas veem baixo risco de alguma barreira do CADE ou regulador dado a limitada intersecção geográfica e solvência apropriada das companhias. “Porém, como ainda deve levar um tempo para a integração operacional efetiva, a retenção de profissionais até lá é um risco. A duplicação planejada de estruturas pode atrasar sinergias, mas acreditamos que tal decisão pode mudar ao longo do tempo”, avaliam.

O banco ressalta que a nova empresa terá dois CEOs, Jorge Pinheiro, da Hapvida, e Irlau Machado, da Notre Dame. E que o conselho será composto por 9 membros, 2 advindos da NortreDame, 5 da Hapvida e 2 independentes, um indicado por cada empresa.

O Bradesco BBI, por sua vez, manteve o valor estimado para a sinergia entre as empresas, de R$ 14 bilhões, mas afirma que ele pode ser conservador. O cálculo inclui estimativa sobre goodwill (valor intangível obtido com a fusão de duas marcas), economia com despesas gerais e administrativas, e oportunidades de vendas complementares.

O Morgan Stanley comentou a notícia sobre a fusão entre Hapvida e NotreDame, e disse afirmar que espera a aprovação do negócio sem grandes mudanças, o que deve permitir grandes sinergias já no primeiro ano.

A Méliuz anunciou na noite de sexta-feira (26) a compra de 51,2% do site de cupons de desconto Picodi por R$ 120 milhões. É a primeira aquisição da companhia desde sua Oferta Pública de Ações (IPO) em novembro do ano passado, que trouxe R$ 300 milhões para o caixa.

PUBLICIDADE

Méliuz: a trajetória dos empreendedores que levaram uma startup à Bolsa

Segundo o CEO da empresa Israel Salmen, o objetivo é que a Picodi, que possui sede na Polônia, se torne a bandeira global da Méliuz. A empresa adquirida tem 4 milhões de usuários cadastrados, opera em 19 línguas diferentes e atua como uma plataforma de promoções e cupons de descontos, mas ainda não oferece o cashback.

A Hypera informou na sexta-feira que seu lucro líquido de outubro a dezembro de 2020 somou R$ 314,9 milhões, alta de 31,9% ante mesma etapa de 2019.  A receita líquida de R$ 1,13 bilhão foi 22,2% superior no comparativo anual, com apoio das vendas de produtos da família Buscopan, concluída no terceiro trimestre, que adicionou R$ 85,7 milhões ao faturamento.

Entre os fatores que impulsionaram as vendas, a Hypera citou no relatório a “melhora da demanda no varejo farmacêutico resultante da maior flexibilização das regras de restrição para circulação da população por conta da pandemia de Covid-19”.

Além disso, as despesas comerciais cresceram apenas 3,3%, diante de menos gastos com propaganda, promoções e despesas com visitas médicas, diante da pandemia.

O resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 349 milhões, um aumento de 55,7%, considerando as operações continuadas. Segundo a Hypera, a integração das marcas da Takeda, concluída neste primeiro trimestre, além de lançamentos recentes a colocam em condições de buscar a liderança do mercado farmacêutico brasileiro em 2021.

O Morgan Stanley comentou os resultados apresentados pela HyperaPharma, e afirmou que a receita líquida está em linha com as estimativas, com o destaque para os resultados obtidos por genéricos. Vitaminas e suplementos se beneficiaram de novos lançamentos, e de a população se tornar mais consciente sobre sua própria saúde.

O banco mantém avaliação overweight (expectativa de valorização acima da média do mercado) para a empresa, com preço-alvo de R$ 39, frente aos R$ 32,78 de fechamento na sexta (26).

PUBLICIDADE

O Bradesco BBI comentou os dados da Hypera Pharma, e afirmou que a empresa está fortalecendo sua estrutura para se consolidar, com destaque para a alta de investimentos em 2020, que preparam a empresa para se tornar um consolidadora no mercado farmacêutico.

O banco diz esperar que, a empresa continue a efetivar as sinergias de ativos adquiridos, e expandir a venda de novos produtos. O banco diz que a companhia deveria continuar a trabalhar em novas oportunidades.

No entanto, o banco mantém avaliação neutra (expectativa de valorização dentro da média do mercado) até que tenha mais clareza sobre a direção das operações e o seu possível risco. O Bradesco mantém preço-alvo de R$ 28, frente aos R$ 32,78 negociados na sexta (26).

BR Distribuidora (BRDT3)

A BR Distribuidora informou na sexta que sua unidade em Betim (MG) estava operando sob escolta policial em meio a uma greve de caminhoneiros que atuam no transporte de combustíveis em Minas Gerais. Segundo a empresa, autoridades de segurança foram acionadas para garantir o desbloqueio do acesso à base de Betim, que opera de forma restrita.

Banco do Brasil (BBAS3)

Os investidores seguem monitorando o noticiário sobre estatais. Na sexta, as ações do Banco do Brasil caíram quase 5% após a notícia do jornal O Globo de que André Brandão, presidente da estatal, teria colocado seu cargo à disposição.

A agência internacional de notícias Reuters também publicou reportagem segundo a qual Brandão manifestou a interlocutores desconforto em permanecer no cargo, segundo uma fonte cujo nome não foi identificado. Em fato relevante publicado depois do fechamento, também na sexta, o Banco do Brasil afirmou que “não houve pedido de renúncia por parte de seu presidente”. As especulações sobre a saída de Brandão vêm aumentando desde que o presidente Jair Bolsonaro ameaçou demiti-lo após o anúncio de planos de fechamento de 361 agências e 5.000 demissões como forma de economizar R$ 2,7 bilhões até 2015. As especulações se acirraram após Bolsonaro demitir o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, pelo general da reserva, Joaquim Silva e Luna.

WEG (WEGE3), GM (GMCO34), Iochpe Maxion (MYPK3), Marcopolo (POMO4), Tupy (TUPY3), Mahle Metal Leve (LEVE3)

O Bradesco BBI repercutiu um painel realizado com o World Resources Institute, GM e WEG para discutir o movimento global de descarbonização e potenciais impactos para mobilidade urbana. O banco cita um estudo do WRI que indica que a descarbonização poderia resultar em impacto de US$ 535 bilhões para o PIB brasileiro.

A GM reafirmou seu compromisso em se tornar neutra em emissões de carbono, ou seja, em atingir o equilíbrio entre emissões e absorção de carbonos, até 2040, deixando de vender veículos movidos por motores de combustão interna.

O Bradesco diz acreditar que a WEG deve ser a maior beneficiária do movimento, por ser aquela com a maior exposição a investimentos em energia renovável, mas que outras empresas também devem ganhar. O banco destaca que Iochpe Maxion, Randon e Marcopolo também estão investindo em novos produtos, visando surfar em oportunidades geradas pela eletrificação de veículos. A Tupy estuda usar hidrogênio em motores de combustão interna. A Mahle Metal Leve deve ser a mais afetada negativamente, por fabricar componentes para motores de combustão interna, principalmente para carros de passageiros em Brasil, Europa e América do Norte.

A Eneva apresentou à reguladora ANP nesta sexta-feira a declaração de comercialidade da acumulação Fortuna, que tem potencial para se tornar o segundo maior campo da Bacia do Parnaíba (MA), afirmou à Reuters o diretor de Operações, Lino Cançado.

A descoberta, que deverá ser batizada como campo de Gavião Belo, tem uma reserva “in place” estimada de 6,78 bilhões de metros cúbicos de gás natural, contida em apenas uma única estrutura geológica, o que reduz a necessidade de perfuração de um número maior de poços e o custo de desenvolvimento.

A International Meal Company comunicou no final do domingo decisão arbitral negando pedido da Kentucky Fried Chicken International Holdings de revogação da exclusividade da subsidiária da companhia na condução da operação KFC no Brasil.

Desse modo, o contrato que envolve a KFC e a KSR Master Franquia Ltda, subsidiária da IMC, se mantém vigente, afirmou a em fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a IMC, que também é master franqueda exclusiva da rede Pizza Hut no Brasil.

A ação cautelar ajuizada pela KFC Holdings corre em segredo de justiça e envolve divergências relacionadas ao contrato de master franquia com a empresa brasileira acerca da rede KFC no país. (Full Story)

De acordo com a IMC, a 2ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem da Comarca de São Paulo autorizou a KFC a negociar com potenciais parceiros a expansão da rede no Brasil, destacando que a existência da disputa objeto da ação cautelar constitui informação essencial aos eventuais interessados.

A companhia ainda relatou que a autorização valerá até a constituição do tribunal arbitral, ocasião em que aquele juízo analisará o mérito da disputa entre as partes. A decisão está sujeita a recurso na forma da legislação processual em vigor.

A Petrobras assinou contrato para a venda de sua participação majoritária no parque eólico Mangue Seco 2 ao fundo de investimento em participações FIP Pirineus, por R$ 32,97 milhões, a serem pagos em parcela única no fechamento da operação.

O negócio envolve a fatia de 51% da Petrobras na usina eólica, que possui capacidade de 26 megawatts em Guamaré, no Rio Grande do Norte, disse a estatal em comunicado na noite de sexta-feira. Atualmente, o FIP Pirineus já é sócio da Petrobras em Mangue Seco 2, com 49% de participação.

A usina é parte de um complexo no Rio Grande do Norte, com as eólicas Mangue Seco 1, 2, 3 e 4, que soma capacidade instalada total de 104 megawatts. A Petrobras já havia anunciado em janeiro a assinatura de contratos para a venda de sua participação nas demais eólicas do complexo, em acordos com empresa da gestora Vinci Partners. (Full Story) (Full Story)

As transações fazem parte de um amplo programa de desinvestimentos da Petrobras que visa reduzir dívidas e focar atividades na exploração e produção em águas profundas e ultraprofundas.

A Petrobras ainda informou que recebeu, na última semana, aproximadamente R$ 360 milhões (US$ 65 milhões) em decorrência de acordo de leniência celebrado pela Samsung Heavy Industries. Esses recursos são referentes à primeira parcela do acordo com a Samsung, de um total de R$ 705,9 milhões que serão destinados ao ressarcimento da Petrobras.

A Braskem comunicou nesta segunda-feira que a unidade no México Braskem Idesa (BI) assinou contrato de prestação de serviço de transporte de gás natural com agência do governo mexicano, após ser notificada sobre interrupção do serviço de transporte de gás natural em dezembro do ano passado.

“Com a assinatura desses documentos pela BI, a BI começou a receber, desde já, o serviço de transporte de gás natural que havia sido interrompido unilateralmente”, afirmou a Braskem, acrescentando que o contrato com o Centro Nacional de Control del Gas Natural (Cenagas) tem prazo final de 15 anos.

No final do ano passado, a Braskem Idesa anunciou que estava paralisando as atividades operacionais no Complexo Petroquímico do México após ser notificação pelo Cenagas sobre interrupção do transporte de gás natural, destacando que se trata de insumo energético essencial para produção de polietileno.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que não renovaria o contrato de fornecimento de gás natural para a central petroquímica erguida pela Braskem no país.

(Com Reuters e Agência Estado)

Como um trader ganha dinheiro, controla perdas, equilibra o emocional e multiplica capital? Assista na Imersão Trader Estratégico, treinamento gratuito do analista Charlles Nader.