Recompra de ações: 4 empresas do setor imobiliário estão com programas abertos; confira

(Shutterstock)

SÃO PAULO – Quatro companhias do setor imobiliário estão com programas de recompra de ações em andamento e duas já encerraram, totalizando operações de cerca de R$ 750 milhões. São elas JHSF (JHSF3), Eztec (EZTC3), Tenda (TEND3) e Moura Dubeux (MDNE3). Já BR Properties (BRPR3) e Even (EVEN3) encerraram o seu programa na semana passada.

A recompra de ações consiste na compra pelas companhias de suas próprias ações no mercado, seja cancelando-as ou utilizando-as para atender ao exercício de opções de compra dos papéis.

Na prática, a empresa está tirando de circulação parte do seu patrimônio líquido da Bolsa, seja para ajustar sua estrutura de capital e seus níveis de caixa, sinalizar que acredita no potencial de suas ações como para oferecer uma forma de remuneração substituta ao dividendo, dentre outros fatores.

No caso da Even, a quantidade de papéis a serem adquiridos foi limitada a três milhões de ações ordinárias, o que corresponde a 1,48% das ações em circulação no mercado. O encerramento foi aprovado na reunião do conselho de administração da companhia realizada no dia 12 de agosto de 2021.

Na JHSF, o limite é de 28 milhões de ações ordinárias, que representam, aproximadamente, 9,15% do total de ações em circulação no mercado. O programa tem vigência até 17 de fevereiro de 2023.

No caso da EZTec, o programa envolve até 5.035.897 ações. O programa tem prazo de até seis meses, terminando em 23 de fevereiro de 2022. O montante referido equivale a cerca de 5% das ações da companhia em circulação no mercado.

Na Construtora Tenda, o conselho de administração aprovou o aditamento ao plano de recompra de ações, divulgado em dezembro de 2020, e poderá realizar operações com derivativos do programa, que tem validade até dezembro deste ano.

O programa da Moura Dubeux, que começou em abril deste ano, envolve até 5.715.759 de ações ordinárias e encerra-se em 19 de abril de 2022.

Já a BR Properties, assim como a Even, comunicou ter encerrado seu plano de recompra de ações. Ela obteve 99,95% dos ativos que havia se proposto a comprar, sendo adquiridas 10.994.600 ações por R$ 94,9 milhões, com o custo médio por ação de R$ 8,63.

PUBLICIDADE

Em relatório, o Bradesco BBI avalia que a onda de programas de recompra envia um forte sinal da confiança das empresas no ciclo de negócios, apesar do recente colapso do valor de mercado do setor.

Leia também:
Alta de custos pesa nos balanços do 2º tri para construtoras e incorporadoras: o que esperar para as ações do setor?

O time de análise destaca que o setor já havia sinalizado uma compra da ordem de R$ 14 milhões por controladores do mercado imobiliário, com Tecnisa, MRV, brMalls, Plano&Plano, bem como Eztec entre os principais compradores. Desde então, as ações já perderam cerca de 26% na B3, em média, escreve.

“Destacamos que a recente crise do setor foi impulsionada pela deterioração das condições macroeconômicas, embora os fundamentos das empresas permaneçam predominantemente robustos”, completam os analistas do banco.

Além das empresas do setor de real estate, de construção e de shopping centers, a empresa de aluguel de veículos Movida (MOVI3) também anunciou nesta segunda-feira (23) o seu programa de recompra, de até 12.335.379 ações. A Locaweb (LWSA3) anunciou também programa de recompra na semana passada, projetando a compra de até 3 milhões de ações até 2023.

Curso gratuito ensina a ter consistência na bolsa para ganhar e rentabilizar capital. Participe!

Cielo nega discussões de controladores sobre fechamento de capital; Locaweb e JHSF recomprarão ações e mais destaques

SÃO PAULO – Com menos resultados no radar nesta quarta-feira (18), o noticiário sobre programa de recompra de ações da JHSF e da Locaweb ganham destaque. Já a Cielo negou em comunicado a informação do jornal Valor de que os controladores estariam avaliando fechar o capital da companhia.

Já a autoridade sanitária da Arábia Saudita (SFDA, na sigla em inglês) decidiu suspender a implementação da medida que determinava a redução do prazo de validade de frangos in natura congelados e seus cortes, de um ano para 3 meses, contados da data de abate, informou a companhia de alimentos BRF. Confira os destaques abaixo:

A Cielo negou em comunicado as informações da coluna Pipeline, do jornal Valor, de que o Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil (BBAS3) estariam avaliando fechar o capital da companhia.

A Cielo afirma que a notícia é inverídica e que o tema veiculado na referida matéria, fechamento de capital, não foi discutido no âmbito de seu Conselho de Administração. Ademais, a companhia consultou Banco do Brasil e Bradesco acerca da notícia, recebendo as seguintes manifestações:

i) O Bradesco (Columbus Holding) afirmou que “não há tratativas em relação ao fechamento de capital da Cielo. A notícia é inverídica.”.

ii) O Banco do Brasil (BB Elo Cartões Participações) informou que “não há tratativas no âmbito de governança do Banco do Brasil (BB) acerca de alterações na estrutura societária da Cielo, e que a referida notícia veiculada nesta data é inverídica. Informamos, ainda, que o BB avalia constantemente oportunidades e alternativas que contribuam com sua estratégia corporativa, melhorem a experiência de seus clientes e agreguem valor aos seus acionistas.”.

De acordo com a Guide, a notícia negando as discussões é marginalmente negativa. “A Cielo viu a concorrência aumentar exponencialmente nos últimos anos, o que tem pressionado de maneira bastante intensa os resultados da companhia. Diversos rumores surgiram nos últimos meses com possível fechamento de capital da Cielo, mas ainda sem uma definição. Avaliamos que a companhia segue com dificuldade de recuperação na sua rentabilidade e avaliamos que o fechamento de capital de fato seria a melhor alternativa para os acionistas minoritários”, destaca.

Na terça, o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Jarbas Soares Júnior afirmou que uma revisão dos valores de reparação a serem pagos pela Samarco e suas sócias pelo rompimento de barragem em Mariana (MG), que deixou 19 mortos e poluiu o rio Doce até o litoral, poderá ocorrer apenas em fevereiro de 2022, depois que as ações reparatórias previstas forem completamente revisadas. A Samarco é uma joint venture entre a Vale e a BHP Billiton.

O valor de referência para as renegociações é o que consta em ação movida anteriormente pelo Ministério Público de R$ 155 bilhões, reiterou a autoridade, ao participar de uma coletiva de imprensa transmitida pela internet sobre as negociações com as mineradoras.

Locaweb (LWSA3

PUBLICIDADE

A Locaweb comunicou ao mercado ter aprovado o programa de recompra de ações, que terá o objetivo de adquirir até 3 milhões de ações.

Segundo a companhia, as ações adquiridas serão mantidas em tesouraria e alienadas posteriormente para cumprimento de obrigações de remuneração do plano de outorga de ações, aprovado em 30 de abril.

O montante a ser utilizado no programa de recompra inclui as reservas de lucro e de capital disponíveis e o resultado do exercício social em andamento.

O Conselho de Administração da JHSF aprovou o cancelamento do saldo das ações mantidas em tesouraria e um novo programa de recompra de ações de sua própria emissão. Foi cancelado o montante total de 2,800 milhões de ações ordinárias de emissão da Companhia, sem redução do valor do capital Social.

Em função do cancelamento, o capital social da companhia passa a ser dividido em 686,224 milhões de ações ordinárias.

O novo programa de recompra de ações de emissão da própria Companhia tem limite de 28 milhões de ações, que representam aproximadamente 9,15% do total de ações da companhia em circulação no mercado, com vigência até 17 de fevereiro de 2023.

A autoridade sanitária da Arábia Saudita (SFDA, na sigla em inglês) decidiu suspender a implementação da medida que determinava a redução do prazo de validade de frangos in natura congelados e seus cortes, de um ano para 3 meses, contados da data de abate, informou a companhia de alimentos BRF.

Segundo comunicado divulgado nesta terça-feira, os sauditas também optaram por retirar notificação sobre o tema junto à Organização Mundial do Comércio (OMC).

PUBLICIDADE

Quando a medida foi anunciada, em meados de maio, a BRF chegou a afirmar que a nova regra poderia afetar as vendas da empresa.

Maior processadora de frango do Brasil, a companhia produz a proteína no mercado saudita por meio de parcerias com empresas locais e também exporta produtos brasileiros para o país árabe.

Alliar (AALR3) e Rede D’Or (RDOR3)

A Alliar informou que, na véspera, a Rede D’Or realizou operações de compra no mercado de 1.106.500 ações ordinárias (ONs) da companhia, com um volume total de R$ 12.631.327,00 (ou cerca de R$ 12,63 milhões).

A Alliar já havia comunicado na terça-feira que a Rede D’Or comprou no dia anterior 2.538.600 ações ordinárias (ONs) da empresa, no total de R$ 28,566 milhões, segundo notificação enviada pela rede de hospitais. A Rede D’Or anunciou na segunda que seu conselho de administração aprovou uma oferta pública de aquisição (OPA) para adquirir ações da Alliar por até R$ 1,36 bilhão.

Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3)

De acordo com informações do jornal Valor Econômico, a fusão entre as locadoras de veículos Localiza e Unidas tem grandes chances de ser rejeitada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A tendência recente era pela aprovação (considerando o mercado com baixa barreira de entradas). No entanto, o Cade estaria vendo maiores riscos à competitividade do setor após analisar mais a fundo acordos de exclusividade com empresas do setor (como por exemplo o da Unidas com a Enterprise).

De acordo com análise da XP, a notícia é negativa para Localiza e Unidas por sugerir menor chance de aprovação da proposta de fusão.

Porém, os analistas lembram que essa não é a primeira vez que é noticiado na mídia sugestões de não-aprovação da proposta. Eles ressaltam que, desde o início do processo, diversas notícias seguiram tom negativo quanto à aprovação.

PUBLICIDADE

Além disso, apontam que, atualmente, não veem as ações precificando os benefícios da materialização da fusão. Veja mais clicando aqui. 

BR Distribuidora (BRDT3)

A BR Distribuidora informou a venda da totalidade de sua participação acionária na empresa Brasil Carbonos para a Unimetal Indústria, Comércio e Empreendimentos, então sócia da BR na companhia, a qual passa a deter a integralidade da participação acionária na Empresa.

O valor total da venda da participação da BR, já considerando o caixa da empresa, foi de cerca de R$ 18,88 milhões a ser executado em 30 (trinta) parcelas iguais, mensais e consecutivas, corrigidas pelo CDI + 2% ao ano. Além disso, a BR e o Grupo Unimetal terão como resolvidas suas relações envolvendo a empresa.

A Brasil Carbonos é uma Sociedade de Propósito Específico com 51% de participação do Grupo Unimetal e 49% de participação da BR, especializada em processos industriais que agregam valor ao Coque Verde de Petróleo.

VTEX (NYSE: VTEX)

O Itaú BBA avaliou os resultados divulgados pela VTEX como levemente positivos, e em linha com sua expectativa. O banco ressaltou a expansão da margem bruta nas assinaturas, e forte alta de valor geral de mercadoria (GMV na sigla em inglês), de US$ 2,4 bilhões, alta de 25% na comparação anual.

Além disso, a diretriz (guidance em inglês) preliminar indica alta ainda saudável de crescimento apesar, visando receitas de entre US$ 31 milhões e US$ 31,5 milhões no terceiro trimestre, e de entre US$ 124 milhões e US$ 126 milhões em 2021, entre 2% e 3% acima das projeções do Itaú. O banco mantém recomendação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) e preço-alvo para 2022 em US$ 35,6, potencial de alta de 40% frente o fechamento de terça-feira na Bolsa de Nova York.

Caixa Seguridade (CXSE3) e BB Seguridade (BBSE3)

O Itaú BBA afirmou que os resultados da Caixa Seguridade e de BB Seguridade foram duramente afetados no segundo trimestre, quando o Brasil atingiu o pico de mortes por Covid. Por conta disso, o banco reduziu suas estimativas para ambas as empresas. A Caixa Seguridade é seu nome preferido do setor de seguros ao fim de 2022, com novo preço-alvo de R$ 18, frente à cotação de R$ 9,69 de terça.

O Bradesco BBI comentou a notícia de que a PagSeguro comprou a plataforma Conci, que oferece serviços como auditoria fiscal e reconciliação com bancos, com mais de 6.000 clientes e um valor total de pagamentos (TPV em inglês) de R$ 3 bilhões. O banco diz que vê o movimento como positivo.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Quer atingir de uma vez por todas a consistência na Bolsa? Assista de graça ao workshop “Os 4 Segredos do Trader Faixa Preta” com Ariane Campolim.

BR Distribuidora aprova programa de recompra de ações limitado a R$1,5 bi

Petrobras (Foto: Mario Tama/Getty Images)

SÃO PAULO (Reuters) – O conselho de administração da BR Distribuidora (BRDT3) aprovou um programa de recompra de ações ordinárias de emissão da companhia, limitado ao valor total de 1,5 bilhão de reais em um prazo de até 18 meses, informou a empresa em fato relevante publicado nesta quinta-feira.

Segundo a BR, o programa terá efeitos a partir de 11 de agosto deste ano e poderá envolver até 116,5 milhões de papéis, correspondentes a 10% do total de ações em circulação.

A recompra tem como objetivo a aquisição de papéis para manutenção das ações em tesouraria, cancelamento ou alienação.

Bradesco, Citigroup, Credit Suisse, Itaú, Merrill Lynch e Morgan Stanley serão as instituições intermediárias do programa.

A decisão da administração pela abertura do programa está baseada na percepção acerca do potencial de criação de valor da companhia, disse a BR, acrescentando que a administração vê no programa uma opção oportuna de alocação de capital.

“Esta percepção ancora-se não apenas em todas as ações já implementadas desde sua privatização, que a levaram a um novo nível de eficiência e rentabilidade, mas também nas oportunidades e ações ora em curso… que deverão contribuir significativamente para sua já robusta e resiliente geração de caixa”, afirmou a BR Distribuidora.

A companhia, antiga controlada da Petrobras, foi efetivamente privatizada por meio de uma oferta de ações realizada pela petroleira no ano passado. Em julho, a Petrobras vendeu sua fatia remanescente de 37,5% na maior distribuidora de combustíveis do país.

Transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos é possível. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Analistas reiteram otimismo com Vale após mineradora anunciar recompra de até US$ 4,6 bi em ações; confira os motivos

(Divulgação)

O conselho da mineradora Vale (VALE3) aprovou na última quinta-feira (1) um programa de recompra limitado a 270 milhões de ações ordinárias e seus respectivos ADRs, informou a companhia em fato relevante ao mercado.

O volume representa até 5,3% do número total de ações em circulação, com base na composição acionária de 28 de fevereiro de 2021. O percentual totaliza cerca de US$ 4,6 bilhões levando em conta o preço atual das ações. O programa será executado em um período de até 12 meses.

“Nosso programa de recompra demonstra a confiança da gestão da companhia no potencial da Vale de criar e distribuir valor de forma consistente”, disse a companhia. “Regidos pela disciplina na alocação de capital, consideramos a recompra de nossas ações um dos melhores investimentos disponíveis para a companhia.”

A empresa pontuou ainda que o programa de recompra não compete com a intenção da companhia de “consistentemente distribuir dividendos acima do mínimo estabelecido por nossa política de dividendos”.

De acordo com análises do Bradesco BBI, do Morgan Stanley e da XP, a recompra de ações é um movimento bastante positivo para a Vale.

Thiago Lofiego e Isabella Vasconcelos, do BBI, fizeram algumas considerações. Em primeiro lugar, do ponto de vista de alocação de capital, avaliam que a Vale fez a escolha certa, considerando a alta taxa interna de retorno (TIR) de dois dígitos
esperada levando em conta seu próprio patrimônio (TIR de 17% assumindo minério de ferro de longo prazo a US$ 70 a tonelada).

“O programa de recompra (contabilizando até 5,3% das ações em circulação) é um passo importante no caminho para a reclassificação [das ações] da Vale. A empresa continua a negociar a cerca de 3 vezes a relação entre o valor da empresa e o [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] Ebitda esperado para 2021, desconto significativo de 35% frente os pares australianos e bem abaixo de múltiplos justo de 4,5 vezes”, avaliam os analistas.

Do ponto de vista do balanço, os analistas avaliam que a empresa está em uma posição forte para conduzir o programa de recompra. “De acordo com nossas estimativas atuais (preço médio de minério de ferro de US$ 140 a tonelada para 2021), mesmo considerando nossa estimativa de dividendos de US$ 10 bilhões para 2021 (dividend yield, ou dividendo em relação ao preço das ações de 11,4%), a dívida líquida expandida da Vale alcançaria cerca de US $ 11 bilhões no final de 2021, dentro dos níveis da meta da empresa”, apontam Lofiego e Isabella.

Os analistas apontam que a Vale deva concluir a recompra com sucesso antes do período anunciado de 12 meses, destacando que o programa de recompra representaria o equivalente a 45 dias de negociação dos ativos da companhia. A recomendação para o ADR da Vale é outperform (desempenho acima da média do mercado) com preço-alvo de US$ 25 para o ativo.

PUBLICIDADE

O Morgan Stanley também reiterou recomendação equivalente à compra, ou overweight (exposição acima da média do mercado), com preço-alvo de US$ 21 para o ADR, esperando uma reação positiva ao anúncio da recompra.

Eles também destacam que o anúncio mostra que a visão do Conselho de Administração e da Administração de que as ações da Vale estão sendo negociadas com um desconto excessivo em relação aos pares, além de reiterarem o compromisso da empresa de dar retorno aos acionistas em dividendos e alocação disciplinada de capital.

A XP avalia que o anúncio é positivo, uma vez que reforça o compromisso da Vale com a geração de valor aos seus acionistas. “Mantemos nossa recomendação de compra para o papel, com preço-alvo de R$ 122 por ação”, apontam os analistas.

(Com Reuters)

Quer descobrir como é possível multiplicar seu capital no mercado de Opções? O analista Fernando Góes te mostra como na Semana 3×1, evento online e 100% gratuito. Clique aqui para assistir.

Fed autoriza bancos dos EUA a voltarem a realizar recompras de ações a partir de 2021

SÃO PAULO – O Federal Reserve (como é chamado o Banco Central dos Estados Unidos) anunciou nesta sexta-feira (18) que grandes bancos do país poderão retomar as recompras de ações no primeiro trimestre de 2021.

A suspensão ocorreu por conta da crise do novo coronavírus como forma de garantir liquidez e fluxo de empréstimos. Mesmo com a volta, os bancos ainda estão sujeitos a algumas regras, mas o Fed disse que o setor se saiu bem em uma segunda rodada de testes de estresse.

Os dividendos continuarão a ser limitados, disse a autoridade monetária, e a soma total dos proventos e recompras de um banco no primeiro trimestre não pode exceder o lucro médio trimestral dos quatro trimestres mais recentes.

A recompra de ações é importante para a indústria, normalmente representando cerca de 70% dos pagamentos aos acionistas.

Logo após o anúncio do Fed, o JPMorgan, maior banco dos EUA em ativos, informou que seu conselho aprovou um novo programa de recompra de ações de US$ 30 bilhões a partir de 2021.

“Continuaremos a manter um forte balanço patrimonial que nos permite implantar capital com segurança, investindo e fazendo crescer nossos negócios, apoiando consumidores e empresas, pagando dividendos sustentáveis ​​e devolvendo qualquer excesso de capital restante aos acionistas”, disse o CEO Jamie Dimon.

As ações de bancos reagiram bem à notícia, subindo forte no after market em Wall Street, com o JPMorgan subindo 5,3%, Goldman Sachs avançando 4,4% e Wells Fargo com alta de 3,5%.

O vice-presidente de supervisão do Fed, Randal Quarles, fez comentários positivos sobre o cenário e disse que as restrições de capital que o banco central americano colocou na pandemia estão funcionando.

“O sistema bancário tem sido uma fonte de força durante o ano passado e os resultados do teste de estresse de hoje confirmam que os grandes bancos podem continuar a emprestar para famílias e empresas, mesmo durante uma virada fortemente adversa na economia no futuro”, disse Quarles em um comunicado à imprensa.

PUBLICIDADE

Quer receber aluguel sem ter imóvel? Thomaz Merluzzi, estrategista de Fundos Imobiliários da XP, oferece treinamento gratuito para quem busca uma fonte de renda passiva – inscreva-se já!

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, faz recompra recorde de ações no 3º trimestre

SÃO PAULO – A Berkshire Hathaway, conglomerado do megainvestidor Warren Buffett, destinou cerca de US$ 9 bilhões para a recompra de ações da empresa no terceiro trimestre deste ano, resultando no total de US$ 15,7 bilhões nos primeiros nove meses de 2020.

A companhia divulgou seus resultados apurados entre julho e setembro e no acumulado do ano neste sábado (07). As ações da Berkshire subiram quase 20% do terceiro trimestre, mas caíam cerca de 6% no ano até o fim de setembro.

Programas de recompras são utilizados pelas empresas especialmente em períodos em que avaliam que os papéis estejam baratos. De acordo com informações da Bloomberg, os US$ 9 bilhões superam os valores de qualquer ano fechado anterior.

Por Dentro dos Resultados
CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:

O lucro líquido atribuível aos acionistas da Berkshire praticamente dobrou do terceiro trimestre de 2019 para o mesmo período de 2020, ao passar de R$ 16,5 bilhões para US$ 30,1 bilhões. Já no intervalo de nove meses, o resultado despencou, de US$ 52,3 bilhões para US$ 6,7 bilhões.

O lucro operacional, por sua vez, caiu 32% entre julho e setembro, para US$ 5,5 bilhões, e 14,5% no período acumulado de 2020, para US$ 16,9 bilhões, ambos na comparação anual.

Buffett é presidente do conselho e CEO da Berkshire Hathaway.

Você sabe o que é 3×1? Assista de graça a estratégia de opções que busca triplicar o capital investido em um mês

Anúncios de recompras de ações triplicam enquanto Bolsa despenca; entenda como funcionam os programas

SÃO PAULO – Um total de 26 empresas listadas na B3 fez anúncios de recompras de ações durante o primeiro trimestre do ano. O número supera e muito o registrado em igual período do ano passado, com apenas nove programas. O mecanismo é utilizado pelas companhias quando consideram que a cotação de suas ações está baixa. Com a queda de 37% do Ibovespa entre janeiro e março, não faltou motivo para essa escolha.

As empresas podem ter programas de recompras esporádicos ou de forma regular. Em nenhum dos dois casos, contudo, precisam efetivar as aquisições. Mas o derretimento da Bolsa acaba sendo um incentivo para que essas intenções saiam do papel.

Ter dinheiro em caixa ou reserva de capital é um dos fatores que indica se a empresa terá condições de recomprar suas ações. Raphael Figueredo, analista da Eleven Financial, lembra que, de forma geral, as companhias brasileiras estão bem capitalizadas e podem aproveitar o momento de desvalorização da Bolsa para anunciar os programas de recompra.

“Isso já aconteceu durante a crise de 2008. Mas, naquela época, a empresa podia recomprar suas ações ou aplicar no CDI. Hoje, essa segunda opção não faz muito sentido, então a empresa acaba investindo nela mesmo”, diz.

Em setembro de 2008, período da quebra do Lehman Brothers, a Selic estava em 13,75% ao ano. Atualmente, a taxa básica de juros corresponde a 3,75% ao ano, o menor patamar da história.

Confira a seguir a lista com os programas de recompras anunciados no primeiro trimestre deste ano.

Empresa Quantidade de ações na recompra % ações em circulação
Anima 6,4 milhões ONs 10
Arezzo 4,5 milhões ONs 10
B3 21,7 milhões ONs 1,05
Banco BMG 10,7 milhões ONs 10
Banco Inter 13,4 milhões ONs e 29,5 milhões PNs 10
BRF 7,5 milhões ONs 0,93
CEEE 68,9 mil ONs e 75,3 mil PNs ND*
Cielo 4 milhões ONs 0,41
Cosan 10 milhões ONs 2,54
CSU Cardsystem 3 milhões ONs 16,47
Cyrela 4,9 milhões ONs 6,89
Eztec 9,6 milhões ONs 10
Hapvida 21,7 milhões ONs 10
Hering 835,5 mil ONs 0,66
IRB 41,9 milhões ONs 5
JBS 156,8 milhões ONs 10
Linx 8,1 milhões ONs 4,51
Log 4 milhões ONs 4,10
M.Dias Branco 8,5 milhões ONs 10
MRV 15 milhões ONs 5,10
Notre Dame Intermédica 3,4 milhões ONs 0,60
PGB (Portobello) 3,9 milhões ONs 5
Porto Seguro  5 milhões ONs 5,32
Renner 8 milhões ONs 1
Trisul 5 milhões ONs 6,30
Tupy 235 mil ONs 0,35

*Não divulgado.
Fontes: CVM e empresas.

A Hering é uma das empresas que faz parte dessa lista recente. Depois de não ter comprado nenhuma ação no programa de recompra encerrado em 5 de fevereiro, renovou o prazo por mais 12 meses.

Nesse período, viu as ações despencarem e, no último dia 16, anunciou que comprou todos os papéis que faziam parte do programa (1,49 milhão de ações ordinárias) e que estava abrindo um novo programa, dessa vez de 835,5 milhões de ações (equivalentes a 0,66% do capital da empresa).

Entre os dias 5 de fevereiro, quando renovou o programa de recompras, e 16 de março, data em que anunciou tê-lo executado integralmente e sua intenção de comprar ainda mais papéis, a cotação de HGTX3 caiu de R$ 25,52 para R$ 13,99. No acumulado do primeiro trimestre, o recuo da cotação foi ainda mais significativo (56,3%), de R$ 34,04 para R$ 14,88.

A companhia comunicou que o objetivo do novo programa é “subsidiar os planos de opção de compra de ações ou outras formas de remuneração baseada em ações da companhia, cancelamento, permanência em tesouraria ou alienação”. Para isso, irá usar parte dos R$ 13,87 milhões que possui de reserva de capital.

Impactos sobre as cotações

Na avaliação de Figueredo, da Eleven, o efeito de um programa de recompra na cotação das ações depende do volume a ser comprado, que obrigatoriamente precisa ser anunciado pela empresa. No entanto, o fato mais importante é a indicação que a administração da empresa dá ao mercado.

“É um sinal que o controlador, ao olhar que o preço da ação está depreciado, vê uma oportunidade. Se achasse o papel caro, não anunciaria esse programa “, observa.

A maior parte dos anúncios, 21, foi feita em março. Empresas de diferentes portes e setores lançaram mão desse mecanismo. Entre as grandes, o anúncio mais recente foi a da BRF.

Empresas que abriram capital recentemente também fizeram o mesmo. Esse é o caso do BMG, que fez sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em outubro e, no mês passado, anunciou um programa de recompra de até 10% das ações em circulação.

No exterior, o programa de recompra de ações que mais chamou a atenção foi o do japonês Softbank, que pretende recomprar até US$ 18 bilhões em ações. Para atingir esse volume de recursos, deve se desfazer de ativos avaliados em mais de US$ 40 bilhões.

A empresa da área de tecnologia tem um segmento que investe em startups. Entre seus aportes mais famosos estão Uber e WeWork. No Brasil, tem participação no banco Inter – esse também com programa de recompra em aberto.

EUA no rumo oposto

Esse comportamento, no entanto, difere do que tem sido registrado no mercado americano. Levantamento do banco de investimentos Goldman Sachs mostra que as empresas cujas ações integram o S&P 500 estão cancelando ou suspendendo seus programas de “buyback” (recompra) como forma de enfrentar o período de incertezas causado pelo novo coronavírus. Os cancelamentos já equivalem a 25% do total de 2019.

A sinalização de que a administração de uma empresa está confiante na companhia, e por isso vai comprar parte dos papéis que julga barato, pode levar a cotação a subir logo após o anúncio do programa de recompra. No entanto, para William Eid Júnior, coordenador do Centro de Estudos em Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o investidor sem a necessidade imediata de recursos não deveria vender o papel nesse momento.

“As empresas estão fazendo isso porque os papéis derreteram. Vender agora não é uma estratégia adequada para o investidor pessoa física”, avalia.

Fernando Araújo, gestor da FCL Capital, reforça que permanecer com os papéis pode render um ganho indireto ao investidor. Isso porque, caso opte por cancelar os papéis que recomprou, a empresa, beneficiará os demais acionistas na distribuição de lucros (o montante a ser distribuído será dividido por um número menor de ações).

“Pode ser um impulso na distribuição dos dividendos no futuro.”

Da mesma forma, as empresas podem utilizar a recompra de ações para, no futuro, obterem um ganho com essa transação.

“É uma forma de a empresa ter recursos quando o mercado voltar a ser mais racional. Lá na frente, com as ações se recuperando, ela pode vendê-las”, diz Pedro Galdi, analista da Mirae Asset.

Aprendizados em tempos de crise: uma série especial do Stock Pickers com as lições dos principais nomes do mercado de ações. Assista – é de graça!